Polícia Civil investiga 19 casos de fura-filas para vacinação em posto de saúde de Porto Alegre - Polícia

Versão mobile

 
 

Após denúncias17/09/2021 | 22h33Atualizada em 17/09/2021 | 22h33

Polícia Civil investiga 19 casos de fura-filas para vacinação em posto de saúde de Porto Alegre

Mandados foram cumpridos na quinta e nesta sexta-feira na chamada Operação Xepa ¿ 1ª Dose

Polícia Civil investiga 19 casos de fura-filas para vacinação em posto de saúde de Porto Alegre Polícia Civil / Divulgação/Divulgação
Dezenove mandados de apreensão foram cumpridos Foto: Polícia Civil / Divulgação / Divulgação

A Polícia Civil, por meio da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), cumpriu 19 mandados de apreensão entre quinta (16) e esta sexta-feira (17) em Porto Alegre na chamada Operação Xepa — 1ª Dose. O objetivo foi buscar provas após várias denúncias de fura-filas para vacinação contra covid-19 em um posto de saúde da Zona Sul.

Os delegados Marco Antônio de Souza e Gabriel Bicca, responsáveis pela apuração, estão verificando várias denúncias desde o início do ano, mas, desta vez, concentraram esforços em casos suspeitos em uma única unidade de saúde. O local não está sendo divulgado, mas GZH apurou que as reclamações de irregularidades teriam ocorrido no posto do bairro Guarujá.

Leia mais
Polícia investiga conexão gaúcha de grupo que usava CTG como abatedouro clandestino
Polícia segue em busca de imagens de câmeras para esclarecer morte de taxista

Um dos fatos mais verificados foi a apresentação de atestados falsos de comorbidades com o objetivo de garantir a vacina antes de outras pessoas que teriam direito à imunização. Os investigados, se comprovada a fraude, vão responder por violação de medida sanitária, mas não se descarta falsidade ideológica e crimes contra administração pública — neste último caso, se for comprovada a participação de algum funcionário público também.

Bicca destaca que o processo é cauteloso e tem o objetivo de verificar todas as denúncias. Segundo ele, existe uma parceria entre Polícia Civil, Ministério Público e Secretaria Municipal da Saúde para conferir todas as irregularidades possíveis em relação à imunização.

— Vamos apurar todos os casos e responsabilizar todos os envolvidos que conseguirmos comprovar as fraudes. Contudo, digo que, felizmente, a maior parte das denúncias é improcedente após nossa apuração. As que a gente comprovar, vamos indiciar todos os suspeitos com base nas provas documentais obtidas — ressalta o delegado.

A Core é a mesma que, há algumas semanas, indiciou quatro estudantes de Medicina da PUCRS por burlarem o sistema com o objetivo de antecipar a segunda dose da vacina contra a covid-19.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros