Adesão escalonada e escolas ainda fechadas marcam volta às aulas na rede estadual em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Ano letivo03/05/2021 | 12h21Atualizada em 03/05/2021 | 14h39

Adesão escalonada e escolas ainda fechadas marcam volta às aulas na rede estadual em Porto Alegre

Cronograma do governo permite o retorno de Educação Infantil e primeiro e segundo ano do Ensino Fundamental nesta segunda-feira

Adesão escalonada e escolas ainda fechadas marcam volta às aulas na rede estadual em Porto Alegre Lauro Alves / Agência RBS/Agência RBS
Gabriel Brasil, seis anos, estava ansioso pelas aulas na Escola Gomes Carneiro, na Vila Ipiranga Foto: Lauro Alves / Agência RBS / Agência RBS

Pelo calendário escalonado estabelecido pelo governo e por algumas escolas que ainda não reabriram nesta segunda-feira (3), o retorno às aulas na rede estadual era de movimento baixo pela manhã. De oito escolas visitadas pela reportagem no início do turno, apenas duas recebiam alunos. 

Na Escola Estadual de Educação Básica Gomes Carneiro, na Vila Ipiranga, 18 estudantes retornam nesta manhã, em duas turmas: 12 alunos de primeiro ano do Ensino Fundamental e seis alunos de segundo ano. A diretora, Susana Silva de Souza, diz que a adesão é de quase  100%. O retorno, no entanto, era tranquilo na escola porque o governo do Estado estabeleceu um cronograma de forma escalonada.

Para demarcar o espaço de cada aluno, balões amarelos foram colados nas classes da turma do primeiro ano. Antes mesmo de começar as atividades, a professora Daniela Mendes fez algumas combinações com os pequenos:

— Ali tem álcool gel, não podemos tirar a máscara, precisamos chegar e sair da escola de máscara. Só pode tirar na hora do lanche. Mas não pode ir na mesa do coleguinha. A profe vai fazer de tudo para que seja divertido e legal, mesmo que diferente — disse, ao receber os alunos.

Ansioso com o retorno às atividades presenciais, Gabriel Brasil, seis anos, posava para foto ao lado da mochila do personagem Sony antes de ingressar na escola. Aluno do primeiro ano, o menino passou o último ano em casa.

— Para não ter perda, nós pagamos professor particular para ele — conta o pai, Rafael Brasil.

Na Zona Sul, na escola Matias de Albuquerque, também eram recebidos alunos.

Já na Escola Estadual de Ensino Médio Infante Dom Henrique, no bairro Menino Deus, uma servidora foi vista trabalhando no prédio público. Não havia aula na instituição, ou qualquer movimento de pais ou estudantes.

No mesmo bairro, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Mané Garrincha também tinha portas fechadas às 8h30min. Segundo a diretora, Resplande de Sá, não há previsão de retorno, pois faltam condições estruturais no prédio para a volta das atividades presenciais. 

— O refeitório é uma sala improvisada, não tem espaço. E as demais, têm pouca ventilação, são quentes — detalha.

A docente afirma que na comunidade há muitos relatos de contaminados pelo coronavírus, e que isso assusta os professores. Dos 43 profissionais, apenas um tem as duas doses da vacina CoronaVac, informa a diretora. 

— Não paramos de trabalhar nunca, o que queremos é continuar remoto até ter segurança — complementa.

A escola Mané Garrincha tem ensino integral do primeiro ao quarto ano do Ensino Fundamental. Turno regular do quinto em diante. Ao todo, são 380 alunos, segundo a direção.

O Colégio Estadual Coronel Afonso Emílio Massot, no bairro Azenha, está aplicando uma pesquisa entre familiares dos matriculados. Conforme a vice-diretora Neiva Lazzarotto, haverá reunião com professores para decidir o planejamento nos próximos dias.

— Sabemos de muitas que também não vão abrir — conta.

No Colégio Estadual Carlos Fagundes de Melo, no bairro Humaitá, também não havia movimento de alunos, e um cartaz na grade da instituição convocava os pais para, nesta semana, comparecerem para assinar um termo de responsabilidade referente ao retorno às atividades presenciais. No mesmo bairro, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Oswaldo Vergara, também estava de portas fechadas.

A Escola Estadual de Educação Básica Presidente Roosevelt, no Menino Deus, está em luto. Após dois meses internado, o secretário José Ricardo morreu por complicações do coronavírus.<!-- NICAID(14772499) -->
Escola Presidente Roosevelt, no Menino Deus, colocou cartaz em luto por perda de funcionário por covid-19Foto: Tiago Boff / Agência RBS

A Escola Estadual de Educação Básica Presidente Roosevelt, no Menino Deus, está em luto. Após dois meses internado, o secretário José Ricardo morreu por complicações do coronavírus. “Direção, professores e funcionários da escola presidente Roosevelt de luto pelo falecimento do colega José Ricardo, secretário da escola, mais uma vítima da covid-19”, anuncia um cartaz colado no portão. 

Fátima Azeredo, vice-diretora, cita o caso e diz que o temor se espalha entre os demais.

— Não temos condições básicas, de limpeza, nem número de funcionários, e há o risco de contaminação. De onde vêm os professores? De ônibus, aglomerados — afirma. 

A assistente financeira Dulce Delan rechaça afirmações de que os servidores não querem trabalhar:

— Queremos trabalhar, estamos trabalhando muito mais. Mas estamos preocupados em nos mantermos vivos. 

A escola não pretende retornar nesta semana.

A reportagem contatou a Secretaria Estadual da Educação e aguarda resposta sobre as críticas dos diretores das instituições.

Calendário de retorno para as aulas presenciais na rede estadual

  • 3/5 – Educação Infantil e 1º e 2º anos do Ensino Fundamental
  • 5/5 – 3º, 4º e 5º anos do Ensino Fundamental
  • 7/5 – Anos finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano)
  • 10/5 – 1º ano do Ensino Médio
  • 12/5 – 2º e 3º anos do Ensino Médio
  • 13/5 – Ensino Técnico e Curso Normal

Calendário para escolas com somente Ensino Médio, escolas EJA e Neejas, escolas com somente educação profissional e escolas especiais

  • 3/5 e 4/5 – Organização das escolas
  • 5/5 – Aulas presenciais
 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros