Lelê Bortholacci: em busca da América pela terceira vez - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão colorada20/04/2021 | 08h00Atualizada em 20/04/2021 | 08h00

Lelê Bortholacci: em busca da América pela terceira vez

Inter estreia na Libertadores nesta terça-feira, na Bolívia

Lelê Bortholacci: em busca da América pela terceira vez Ricardo Duarte / Inter/Divulgação/Inter/Divulgação
Com Miguel Ángel Ramírez no comando, Colorado vai atrás do tricampeonato da Libertadores Foto: Ricardo Duarte / Inter/Divulgação / Inter/Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Começa nesta terça-feira (20) a luta pela terceira Libertadores. O Inter encara a conhecidíssima altitude de La Paz e o desconhecido Always Ready num daqueles jogos que fica difícil de se prever qualquer resultado, porque mesmo que o adversário não tenha qualidade semelhante a nossa, vencer na altitude sempre é muito difícil. 

A opção feita por Miguel Ángel Ramírez de fazer a equipe chegar apenas algumas horas antes do jogo — e com isso sentir menos os efeitos dos 3.600 metros — divide opiniões mas, com certeza, foi bem debatida antes de ser confirmada. 

Os seguidos dias de treinos nas últimas duas semanas podem ser muito importantes para voltarmos de lá com um bom resultado por um motivo bem simples: para sentir menos os efeitos da altitude o time tem que correr menos. E para isso acontecer, tem que fazer a bola rolar. 

Leia mais
Guerrero não viaja à Bolívia para a estreia do Inter na Libertadores
O retrospecto do Inter contra adversários bolivianos
Always Ready x Inter: horário, como assistir e tudo sobre o jogo da primeira rodada da fase de grupos da Libertadores

Essa característica que é uma dos principais pilares da filosofia de trabalho do nosso novo treinador, é o que pode fazer a diferença a nosso favor para voltamos de lá com um bom resultado e largar bem na competição mais importante da temporada. 

É claro que se a estratégia de chegar “em cima da hora” der certo e a equipe sentir pouco a altitude boliviana, temos bola para vencer. Mas, se “faltar ar”, o empate é bem vindo. O mais importante numa estreia fora de casa é não perder.

Para os supersticiosos

Participar da Libertadores 2021 traz uma agradável coincidência com as campanhas de 2006 e 2010 quando, no ano anterior, acabamos não vencendo o Brasileirão por alguns detalhes. Será que o destino vai se repetir novamente? 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros