Presa quadrilha que montou empresas de fachada e lesou em R$ 3 milhões mais de 20 vítimas no RS - Polícia

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana10/04/2021 | 07h00Atualizada em 10/04/2021 | 07h00

 Presa quadrilha que montou empresas de fachada e lesou em R$ 3 milhões mais de 20 vítimas no RS

Operação deflagrada nesta sexta-feira em cinco cidades prendeu cinco integrantes do grupo

 Presa quadrilha que montou empresas de fachada e lesou em R$ 3 milhões mais de 20 vítimas no RS Polícia Civil / Divulgação/Divulgação
Os suspeitos que integram quadrilha de estelionatários foram presos em Novo Hamburgo, Campo Bom e Gravataí (foto) Foto: Polícia Civil / Divulgação / Divulgação

Uma operação policial foi deflagrada nesta sexta-feira (9) em cinco cidades da região metropolitana de Porto Alegre para desarticular uma quadrilha que montava empresas de fachada e que, segundo a investigação, lesou em mais de R$ 3 milhões ao menos 20 estabelecimentos comerciais do Rio Grande do Sul.

O grupo, que teve cinco integrantes presos nesta manhã, fazia compras a prazo em lojas de materiais de construção e equipamentos industriais, não pagava e depois revendia os produtos. Os investigados estavam agindo há pelo menos dois anos. 

Leia mais
Estelionatários se passam por atendentes de agências bancárias e aplicam golpe por telefone em São Leopoldo
Trio é preso por aplicar golpes para furtar cartões bancários em Bento Gonçalves
Perfil falso e digitais verdadeiras: como a polícia desvendou assalto de entregador de app a casa na zona sul de Porto Alegre

O diretor da 1ª Delegacia Regional Metropolitana, Juliano Ferreira, ressalta que a quadrilha sempre fazia uma compra inicial e de baixo valor. Após conquistar a confiança dos vendedores, passava a comprar materiais de alto valor ou em grande quantidade a prazo.

Ferreira explica ainda que, quando um grupo de vítimas era lesado por uma mesma empresa de fachada dos criminosos, ela era fechada para outra ser aberta, dificultando cobranças e até mesmo a investigação policial. Uma das falsas empresas seria uma loja ligada ao ramo de materiais de construção em Glorinha que, na verdade, funcionava em um galpão. Em algumas ocasiões, os suspeitos também indicavam endereços inexistentes.

— Inclusive apreendemos hoje (sexta-feira) um caminhão usado por eles, por meio de um freteiro, para pegar os materiais comprados de forma ilícita e transportá-los para outro local com o objetivo de revendê-los. Ou seja, o lucro deles era dobrado, não pagavam e ainda revendiam — diz Ferreira.

A maioria das mais de 20 empresas lesadas — lojas de materiais de construção e de equipamentos industriais — funciona na Região Metropolitana, mas há também vítimas em outras regiões do Estado e ainda de fora do Rio Grande do Sul. Por isso, Ferreira destaca que está comunicando outras polícias do país sobre as prisões ocorridas nesta sexta-feira.

Operação policial prende criminosos na Região Metropolitana <!-- NICAID(14753891) -->
Caminhão que seria usado pela quadrilha para transportar produtos roubados foi apreendido nesta sexta-feira Foto: Polícia Civil / Divulgação

Operação policial

Nesta manhã, cerca de 60 agentes cumpriram seis mandados de prisão temporária e 13 de busca e apreensão nas cidades de Glorinha, Gravataí, Guaíba, Novo Hamburgo e Campo Bom. A delegacia de Polícia de Glorinha coordenou a ação.

Entre os cinco presos, está um dos líderes do grupo e o responsável por fazer o frete dos produtos roubados. Um dos suspeitos segue foragido. Os delitos apurados são estelionato, falsidade documental e organização criminosa.

Devido à Lei de Abuso de Autoridade e ainda pelo fato de que seguem as buscas a um dos integrantes da quadrilha, a polícia não divulgou os nomes dos presos.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros