Produtos das ceias de fim de ano estão mais salgados do que a inflação, mas tem como economizar - Informações sobre finanças, guias e outras utilidades no Diário Gaúcho

Versão mobile

Olho no bolso!13/12/2016 | 05h06Atualizada em 13/12/2016 | 14h14

Produtos das ceias de fim de ano estão mais salgados do que a inflação, mas tem como economizar

Pesquisas mostram que os itens tradicionais ficaram mais caros. Consumidores podem apostar na troca por produtos mais baratos. 

Produtos das ceias de fim de ano estão mais salgados do que a inflação, mas tem como economizar Charles Guerra/Agencia RBS
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

Os gaúchos terão de usar a criatividade para que os gastos com as festas de final de ano doam menos no bolso. Isso porque aumentaram os itens que fazem parte das ceias de Natal e de Ano-Novo. O Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas (Iepe/Ufrgs) finalizou ontem levantamento que mediu a variação de preços de produtos consumidos nas ceias. Foram comparados os preços de 42 itens em supermercados da Região Metropolitana de Porto Alegre. A constatação foi de que o aumento médio neste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, ficou em 12,33%. Do total, 33 produtos aumentaram de preço, enquanto nove tiveram queda.

Entre os "vilões", segundo o Iepe, estão o pacote de 500g de lentilha, que saltou de R$ 5,29 para R$ 8,99 (69,9%), e o quilo de frutas cristalizadas, de R$ 10,63 para R$ 17,49 (64,53%). Estudo semelhante do Instituto Segmento Pesquisas, a pedido da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), revelou que os preços de produtos típicos para as festas estarão em média 8,2% mais caros do que no ano passado. A pesquisa revela que os "vilões" são os espumantes (alta de 10,6%) e as aves natalinas (8,6%).

Leia mais
Saiba quais os descontos que virão na segunda parcela do 13º salário
Já é hora de pensar no material escolar da criançada: veja dicas para começar a economizar agora

Os percentuais de aumento ficaram acima da inflação média registrada pelo IPC/FGV entre dezembro de 2015 e novembro deste ano, que foi de 6,76%. Já o IPCA, do IBGE, teve avanço de 6,99% nos últimos 12 meses.

Aposta

O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas também fez o seu levantamento sobre o quanto mais salgada ficará a ceia de Natal para os brasileiros: neste ano, em média, 10,19% mais cara do que em 2015. Entre os itens que apresentaram maior aumento de preço nacional, estão azeite (17,52%), vinho (16,95%) e frutas frescas (16,91%).

Mas isso não significa aceitar passivamente pagar mais pelas ceias. A própria pesquisa da Agas aponta que 48% dos consumidores pretendem diminuir os gastos neste Natal e Ano-Novo. De acordo com o educador financeiro Jaques Diskin, há previsão de uma redução de 5% no consumo em relação aos produtos típicos dessa época. Não houve reposição salarial suficiente ao longo do ano e está nas mãos dos consumidores empurrar para baixo os preços:

– O comportamento do consumidor, deixando de comprar e substituindo por produtos mais baratos, pode fazer os preços baixarem mais até o Natal.

Zuleica está na fase da pesquisa de preços Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

A funcionária pública Zuleica Pinto Soares, 58 anos, tem olhado no súper os preços de produtos como chester e panetone, mas vai deixar as compras para a semana anterior ao Natal:

– É certo que os supermercados irão baixar mais os preços para vender. Por enquanto, está alto.

Destaques do final de ano

Espumantes: as cervejas artesanais devem ganhar espaço e substituir os espumantes no Natal. Mas no Ano-Novo, a bebida volta a reinar. Espera-se a venda de 4,8 milhões de garrafas, 95% da Serra Gaúcha. Uma opção é comprar nos free shops das fronteiras, onde as bebidas podem ser mais baratas pela isenção de impostos.

Panetones: cerca de 4 milhões de unidades serão vendidas neste fim de ano, 12% da produção nacional. Há produtos que variam até 500% no preço, entre o simples e o mais sofisticado.

Aves natalinas: a concorrência pode beneficiar os consumidores, há diversas opções de marcas, temperos e preços. Os gaúchos deverão privilegiar os "frangões" e aves de mais fácil preparo. Ao todo, 850 mil aves serão comercializadas no Estado.

Bombons: presente de última hora, as caixas de bombons voltam a ter crescimento nas vendas no final de ano. A estimativa é de que cerca de 6 milhões de caixas sejam vendidas nos supermercados, crescimento de 4,3% em relação ao ano passado.

Dar de presente um bom vinho é uma ótima ideia! Foto: Gilmar Gomes / Divulgação

Presentes menores: cada gaúcho deve presentear, em média, seis pessoas de suas relações. Pequenos carrinhos e bonecas, flores, vinhos e caixas de bombons são os mais procurados por esse público. As roupas (55,9%) seguem sendo o presente mais procurado para adultos, enquanto os brinquedos (81%) serão mais buscados por quem deseja presentear crianças com até 12 anos.

Fonte: Associação Gaúcha de Supermercados (Agas)

Foto: arte ZH / RBS



 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário GaúchoSegundo pedido de impeachment de Sartori feito pelo Cpers deve naufragar https://t.co/WCb6AkfBHu https://t.co/v0uMaawgYUhá 9 minutosRetweet
  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário GaúchoConfira o resultado das loterias desta segunda-feira https://t.co/rI5f0b4Enr https://t.co/SUXODIvsQJhá 19 minutosRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros