Cigarro: o vilão da saúde e do bolso dos fumantes - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Dia de combate ao tabagismo29/08/2015 | 08h11

Cigarro: o vilão da saúde e do bolso dos fumantes

Família da Capital fez as contas: gasta R$ 9 mil anuais com o vício

Cigarro: o vilão da saúde e do bolso dos fumantes Mateus Bruxel/Agencia RBS
Flavia fuma duas carteiras por dia Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Que o cigarro é um dos maiores inimigos da saúde, todos sabem. Porém, neste sábado, 29 de agosto, Dia Nacional de Combate ao Tabagismo, é preciso levar em conta que o vício acaba se tornando, também, um vilão do orçamento doméstico.

Os gastos com o fumo, por exemplo, só não são maiores do que com a alimentação na casa Flavia Antunes, 55 anos, moradora do Bairro Bom Jesus, em Porto Alegre.

Porto Alegre ganha primeiras "bituqueiras" para conter descarte diário de 5 milhões de tocos de cigarros

Cigarro pode aumentar risco de esquizofrenia, indica estudo

Mulheres mais novas têm mais probabilidade de fumar, diz estudo

Pessoas com histórico de tabagismo podem apresentar doenças crônicas não diagnosticadas

A dona de casa fuma duas carteiras por dia _ cada uma custa R$ 6,25. São R$ 12,50 por dia multiplicados por dois, já que o marido, o sargento aposentado da Brigada Militar e taxista Ataíde João Zambeli, 70 anos, também fuma.

Leia outras notícias do dia

Conta cruel

Por mês, o valor bate os R$ 750 e chega aos R$ 9 mil anuais. O número assusta, mas, esta conta, Flavia nunca havia feito.

– Repensar nossos hábitos é difícil. Eu sei que poderia economizar muito, mas nunca parei para pensar – reconhece.

Convidada pelo Diário Gaúcho a refletir sobre o gasto, percebeu que a cifra é tão grande que supera a maioria dos gastos fixos da família: aluguel (R$ 550), energia elétrica do mês (R$ 252), transporte escolar dos filhos (R$ 250), cartão de crédito (média de
R$ 200) e internet (R$ 162).

– Como o cigarro é algo que compramos toda vez que vamos ao supermercado, incorporamos ele ao nosso gasto. Sei que o cigarro é caro e aumenta de preço, mas todas as outras contas também sobem (de preço) – justifica Flavia.

Gastos a mais

A psicóloga do Programa de Tratamento aos Tabagistas do Complexo Santa Casa, Lisandra Soldati, lembra que essa conta não termina com o gasto de cada carteira.
O fumante lava mais roupa, por isso gasta mais sabão em pó, leva mais tempo para limpar o cabelo e usa mais xampu, adoece mais vezes e precisa ir ao dentista com mais frequência, por exemplo. São inúmeras as despesas relacionadas ao vício.

Companheiro perigoso

Fumante desde os 17 anos, quando o cigarro ainda era sinônimo de status, Flavia evita ambientes fechados que não sejam a sua casa. É avessa a shoppings, por exemplo, e, se for para ir a um restaurante, almoça e sai logo para fumar. Se visita um não fumante, não demora a ir embora.

 
Flavia começou a fumar aos 17 anos - Foto: Mateus Bruxel

A identificação do fumante com o tabaco é algo que ultrapassa qualquer relação financeira. É como se o cigarro fosse uma extensão da própria mão, compara a psicóloga Lisandra Soldati, algo com o que ele estabelece uma relação de afeto, ou seja, um hábito difícil de atribuir um valor:

– Para o fumante, o cigarro não é apenas um cilindro de papel com tabaco. Ele é o melhor amigo, o companheiro.

A decisão de parar, segundo ela, é mais comum aparecer quando o fumante leva um susto ao diagnosticar uma doença relacionada ao tabaco, quando perde alguém próximo pelo vício ou mesmo em um momento de vulnerabilidade.

– É neste momento que a pessoa mais se encoraja. Sempre vai haver desculpas, mas toda hora é hora – garante a psicóloga.

Motivo para abandonar

Não ter ideia de quanto se gasta com o vício pode ser o primeiro passo para perder o controle do orçamento, avalia a professora de Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa-MG, Ana Lídia Galvão.

Pesquisa do Instituto Nacional do Câncer (Inca) indica que, entre os principais motivos para a queda de 30,7% no percentual de fumantes nos últimos nove anos no Brasil, está o aumento do preço dos cigarros.

Segundo o levantamento, 62% dos fumantes já pensaram em parar de fumar devido aos custos.

Impostos

O aumento de impostos que incidem sobre o produto faz com que 83,2% do preço de cada carteira seja composto apenas por tributos.

Ajuda para parar de fumar

- Em Porto Alegre, quem quiser parar de fumar deve ligar 156 e perguntar qual a unidade de saúde mais próxima que oferece tratamento e grupos de apoio.

- Se preferir, pode dirigir-se direto à sua unidade de saúde. Se esta não oferecer o serviço, vai encaminhar o usuário à unidade mais próxima.

- O acesso ao medicamente depende da orientação médica e é gratuito.

- 16,4% da população da Capital é fumante.

DIÁRIO GAÚCHO

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros