Viaduto da Capital que ficou famoso durante a Copa do Mundo virou abrigo de moradores de rua  - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Porto Alegre24/09/2016 | 11h00Atualizada em 24/09/2016 | 11h00

Viaduto da Capital que ficou famoso durante a Copa do Mundo virou abrigo de moradores de rua 

Com 83 anos, estrutura histórica do Centro da Capital está descuidada e tomada por pessoas sem teto. Insegurança aumenta apreensão de comerciantes do local

Viaduto da Capital que ficou famoso durante a Copa do Mundo virou abrigo de moradores de rua  Omar Freitas/Agencia RBS
Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Aquele Viaduto Otávio Rocha cuja imagem correu o mundo pela festa que a torcida da Holanda fez durante a Copa do Mundo, em junho de 2014, é muito diferente do cenário visto por quem passa atualmente pela estrutura histórica.
Com 83 anos, o principal ponto da Avenida Borges de Medeiros, no Centro Histórico da Capital, virou abrigo de moradores de rua, que disputam espaço no local tombado em 1988 por suas características arquitetônicas e sua relevância sociocultural.

Torcida holandesa durante o Caminho do Gol, na Avenida Borges de Medeiros, durante a Copa do Mundo de 2014 Foto: Félix Zucco / Agencia RBS


Em uma sexta-feira, às 8h45min, a reportagem avistou no local 31 colchões, alguns deles com lonas e cobertores, improvisando barracas. No mesmo horário, foram vistos 14 moradores de rua dormindo no Viaduto.

— Virou um condomínio — classifica a comerciante Elaine Lima, 63 anos, que tem loja no viaduto há 15 anos.

Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Há 30 anos com comércio no viaduto — primeiro em um bar e há 16 anos, em um sebo de livros e discos — o presidente da Associação dos Comerciantes do Viaduto Otávio Rocha, Adacir José Flores, 55 anos, se divide entre o querer uma outra realidade para o local e a tentativa de se colocar no lugar das pessoas que usam o viaduto como única alternativa de moradia. 

Há 30 anos como comerciante no viaduto, Adacir vivi diariamente o avanço do problema Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Ele diz que, desde o começo do ano, a situação dos moradores de rua passou a ficar fora do controle. A ocupação diminuiu a circulação de pessoas e fez despencar as vendas de quem tem comércio no local. Nos últimos meses, a queda dos negócios chega a 70%, calcula Adacir. A Feira Multicultural que acontecia todos os sábados na calçada, com artesanato e antiguidades, deixou de acontecer devido ao comprometimento do espaço e à falta de público. 

Leia mais:
O Dilúvio como lar: mais de 10 pontos da margem do arroio viram casa para moradores de rua
Com edital atrasado mais de um ano, revitalização da Rua da Praia demora a sair do papel
Projeto oferece banho quente para moradores de rua em Porto Alegre

A situação vem sendo apontada com motivo para a redução no número de salas ocupadas. O viaduto tem 36 espaços comerciais, dos quais oito são ocupados por entidades e associações e 16 por lojas e estabelecimentos.

O comandante do 9º Batalhão da Polícia Militar (BPM), tenente-coronel Marcos Vinicius Gonçalves de Oliveira, informa que são feitas abordagens frequentes aos indivíduos do local:

— Eles disputam espaço e brigam entre eles, como acontece em outros lugares. Esse é um problema social, não é de segurança pública. 

Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Projeto de restauração procura investidor

Um projeto de restauração do Viaduto Otávio Rocha foi elaborado pela prefeitura. A obra é orçada em R$ 25 milhões, e prevê correção de problemas de infiltração, novo revestimento e pintura, restauração das escadarias e dos banheiros, além de instalação de iluminação com lâmpadas de led e piso acessível. Com a revitalização, a ideia é transformar o local em um espaço gastronômico e que atraia mais turistas.

O secretário de Desenvolvimento e Assuntos Especiais, Edemar Tutikian, explica que a revisão do projeto está sendo concluída, além de um levantamento geral das lojas e dos contratos de locação. Como não há recurso público para o projeto, a ideia da prefeitura é encaixar esta obra na contrapartida de outro projeto da cidade.

A assessoria do prefeito José Fortunati informou que reconhece que os moradores de rua representam uma dificuldade e ressaltou que está procurando solução para as pessoas que estão lá antes de buscar investidores para a restauração. 

Leia mais notícias do dia

Atrativo para moradores de rua


Moradores de rua abordados pela reportagem, que não quiseram se identificar, comentam que o Viaduto é um lugar bom e seguro para se ficar. A técnica social e pedagoga Patrícia Mônaco, integrante da Central de Abordagem da População em Situação de Rua da Fasc, explica o fluxo de moradores de rua no Viaduto Otávio Rocha aumentou devido ao crescimento da violência envolvendo o tráfico de drogas, que força pessoas ameaçadas a saírem dos bairros e irem para o Centro. 

Foto: Omar Freitas / Agencia RBS


Uma equipe da Fasc visita o viaduto ao menos duas vezes por semana, mas Patrícia admite que, para cada atendimento com sucesso, outros cinco novos casos aparecem:

— Este é um espaço de proteção da intempérie, é largo, tem banheiro nas suas extremidades. A circulação de pessoas garante que o morador de rua não seja apanhado de sorte por outros.

Outro ponto atrativo do local é a forte rede de distribuição de alimentos, principalmente à noite.

— À medida que a alimentação deixa de ser uma necessidade, porque ela é farta na rua, a questão do albergue não é mais atrativa — explica.

Na avaliação de Patrícia, para retirar os moradores do viaduto seriam necessárias políticas públicas de habitação popular, como o aluguel social, e o investimento na inserção destes indivíduos no mercado de trabalho. 



 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • edsonnemoto

    edsonnemoto

    edson nemotoNovas regras passarão a valer para trabalhadores com idade até 50 anos https://t.co/YugE6YaqVT via @diario_gauchohá 8 horas Retweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros