Falta de vagas em creche municipal de Cachoeirinha pode fazer mãe ficar sem emprego - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu Problema é Nosso03/01/2017 | 08h09Atualizada em 03/01/2017 | 08h11

Falta de vagas em creche municipal de Cachoeirinha pode fazer mãe ficar sem emprego

O resultado das inscrições para o ano letivo de 2017 será anunciado no dia 8 de fevereiro

Falta de vagas em creche municipal de Cachoeirinha pode fazer mãe ficar sem emprego Arquivo pessoal/Leitor/DG
Lizia, Bruna e Sofia Foto: Arquivo pessoal / Leitor/DG

Desde 2014, a auxiliar financeira Bruna Teixeira Lopes, 25 anos, tenta matricular as filhas Lizia Lopes Almeida, três anos, e Sofia Lopes Almeida, dois anos, em uma creche municipal em Cachoeirinha, onde elas moram. Quem vê o sorriso estampado no rosto das pequenas não imagina a dificuldade pela qual elas passam.

Conforme a mãe, a Secretaria Municipal da Educação verifica a disponibilidade em creches mais próximas da casa da família. Contudo, a resposta tem sido a mesma: não há vaga. Desde o período de matrículas de 2014, Lizia e Sofia ficaram no cadastro reserva.

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso!

— Não entendo porque não consigo as vagas para as minhas pequenas. É injusto ver outras pessoas passando na frente, sendo que estamos esperando desde 2014.

Gastos

Bruna trabalha na Capital. Sem ter onde deixar as filhas, pensou em abandonar o emprego para cuidá-las e também porque fez as contas e percebeu que o salário e os gastos com uma escola particular não são compatíveis.

Ajuda

É graças à ajuda da mãe e da irmã que Bruna continua trabalhando fora. Enquanto isso, segue na luta para conseguir vagas no município.

— Minha mãe e minha irmã se dispuseram a ajudar a pagar uma creche por enquanto. Mas minhas filhas têm direito à educação pública — diz Bruna.

Em julho de 2015, Bruna entrou com um processo judicial por meio da Defensoria Pública na intenção de agilizar a matrícula das filhas. Segundo ela, o órgão solicitou mais de uma vez três orçamentos de creches particulares para entrar com ação no Ministério Público. Caso o município não disponibilizasse vagas na rede pública em 48 horas, os bens deveriam ser congelados e a prefeitura obrigada a garantir a vaga. Mas o retorno esperado não foi obtido e a incerteza deixa a mãe aflita.

— Em 2015, logo após a abertura do processo, a prefeitura ofereceu duas vagas em creches diferentes e longe uma da outra. Não tenho como levar uma para cada lugar e longe de casa. Não sei mais a quem recorrer, só quero que minhas filhas tenham os mesmos direitos que as demais crianças.

Leia mais
Há quatro meses, morador de Porto Alegre aguarda perícia do IGP para liberar moto
Após 14 anos de espera, jovem passa por cirurgia ortopédica e vai realizar o sonho de calçar chinelos
Moradores de Porto Alegre aguardam há dois anos por corte de árvore que representa perigo

Resultado de inscrições só em fevereiro

A prefeitura de Cachoeirinha informou que Bruna matriculou as filhas nas escolas Primeira Criança e Criança Esperança, em 2016, que têm 400m de distância uma da outra. A matrícula foi feita no dia 23 de fevereiro e cancelada no mesmo dia pela mãe das crianças.

Na época, segundo a prefeitura, Lizia e Sofia não ficaram na mesma instituição porque estavam em níveis diferentes.

O resultado oficial para as inscrições de 2017 será anunciado dia 8 de fevereiro. O município destaca que as vagas são disponibilizadas de acordo com o zoneamento do endereço fornecido pelo responsável.


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • NescauSilva

    NescauSilva

    NescauBah que triste, saudades desta casa... https://t.co/MP7c9PP8Wb via @diario_gauchohá 1 horaRetweet
  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário GaúchoFollmann detalha resgate: "Tremia de frio e gritava socorro" https://t.co/R9JlMIFgt6 https://t.co/b29N5cw65Fhá 1 horaRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros