Gari de Sapucaia do Sul faz sucesso com funks homenageando a profissão - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Rimas no caminhão de lixo03/03/2017 | 12h01Atualizada em 03/03/2017 | 13h10

Gari de Sapucaia do Sul faz sucesso com funks homenageando a profissão

Na versão de Raul Silveira para o hit "Deu Onda", de MC G15, cai o refrão polêmico e entra a frase "o gari te ama"

Gari de Sapucaia do Sul faz sucesso com funks homenageando a profissão Arquivo pessoal/
Foto: Arquivo pessoal

Pendurado no caminhão da empresa que recolhe o lixo das ruas de Sapucaia do Sul, na Região Metropolitana de Porto Alegre, Raul Silveira, 30 anos, viu um carro se aproximar, abaixar o vidro e o motorista pedir:

— Canta uma aí!

Desde que os vídeos de Raul cantando sucessos adaptados do funk foram publicados na internet, onde aparece vestido de boné e com o uniforme laranja, ele passou a ser reconhecido na rua. E deu a si mesmo um nome artístico: MC Gari.

Leia mais
Conheça a funkeira do Partenon que se inspira no sucesso de MC Pocahontas
MC Helenzinha é funkeira linha de frente
MC Dieguinho, de Guaíba, usa funk para passar mensagem aos jovens: "Crime não é vida"

Nas canções, caem os refrãos que fizeram sucesso e entram termos como "lixo", "gari" e "lixeira", uma forma que Raul encontrou para falar de seu cotidiano. O hit "Deu Onda", de MC G15, por exemplo, ficou desta forma:

"Que vontade de correr/ Nas lombas/ Que vontade de correr/ O gari te ama".

Quando menino, Raul, fã dos Racionais MC's, gostava de cantar sucessos do grupo de rap em sala de aula. O professor, porém, repreendia a manifestação. Raul virou gari aos 18 anos e só recentemente, depois de muitos turnos embalados pelas cantorias, decidiu mostrar seu talento.

— As pessoas estão apoiando e dizendo para eu continuar. O pessoal que trabalha comigo canta junto. Eu puxo o coro, eles vão atrás.

No YouTube, os vídeos já foram assistidos quase 1.500 vezes. Raul imagina que, com a visibilidade, a população dará valor ao trabalho do gari e os ajudará com a coleta. A reclamação do profissional é mesma para os bairros pobres e ricos: os moradores não sabem separar o lixo. Nos pobres, jogam terra junto com os dejetos. Nos ricos, os cacos de vidro vêm soltos, sem aviso, um perigo para quem recolhe. Raul, por exemplo, já cortou a mão numa situação dessas, e precisou tomar antibiótico.

Chefe do gari na Urban, empresa de coleta seletiva, o gerente Julio Cruz aprova os dotes artísticos do funcionário.

— Nesse mundo cheio de notícia ruim, ele trabalha com amor. Tá sempre de bem com a vida.

As pretensões do MC Gari não são apenas altruístas. Além de querer ensinar a população, ele não nega que o sucesso também será bem-vindo.

— Quero os dois, se der — brinca.

E avisa que já está às voltas com uma música nova. Desta vez, uma composição própria.

Leia outras notícias


 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros