Cratera em frente ao portão de casa, em Porto Alegre, atrapalha rotina de idoso com perna amputada - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso06/07/2017 | 08h29Atualizada em 06/07/2017 | 10h09

Cratera em frente ao portão de casa, em Porto Alegre, atrapalha rotina de idoso com perna amputada

Secretaria de Serviços Urbanos colocou uma placa metálica para facilitar a saída, mas não deu previsão de quando consertará a rede de esgoto

Cratera em frente ao portão de casa, em Porto Alegre, atrapalha rotina de idoso com perna amputada Arquivo pessoal/Leitor/DG
Foto: Arquivo pessoal / Leitor/DG

A dificuldade de locomoção, imposta há oito anos pela amputação da perna direita, piorou para o aposentado Valter Chagas da Silva, 75 anos, desde que o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) fez uma obra na Rua Antônio Odil Peixoto, onde ele mora.

Leia mais notícias da seção Seu Problema é Nosso!

No dia 14 de maio, segundo a filha de Valter, a jornalista Vânia Marocco, 45 anos, o Dmae esteve na via, que fica no Bairro Santa Tereza, na Capital, para mexer na canalização. A equipe abriu um buraco que passava ao longo de algumas casas e, com o peso de um carro, a calçada em frente à casa de Valter desabou, transformando-se em uma cratera.

Valter está há dois meses sem fisioterapia Foto: Arquivo pessoal / Leitor/DG

O aposentado, que é diabético, faz fisioterapia três vezes por semana para melhorar a circulação e fortalecer o corpo, a fim de evitar a segunda amputação. Com o buraco bem na frente da garagem, o filho mais velho não pode sair com o carro para levar o pai ao tratamento. Há quase dois meses, Valter vive o problema.

— Ele está entrando em depressão, fica só na janela, olhando pra rua, sem poder sair pra nada. Ele usava prótese, mas teve que tirar porque está sem forças. A fisioterapia é essencial para que ele possa voltar a usá-la e caminhar com mais facilidade — diz Vânia.

Desde o ocorrido, a família tem entrado em contato com o Dmae e Dep quase diariamente. Após os pedidos, equipes do dois órgãos estiveram no local, mas não resolveram o caso.

— Na última vez em que falei com o Dep, me informaram que foi feita uma licitação, mas ela venceu, e eles não tinham funcionários para a obra — conta Vânia.

Leia mais
Transplantada duas vezes, idosa precisa de medicamentos que custam quase R$ 100 mil por mês
Secretaria da Saúde não avisa sobre marcação e moradora de Viamão perde consulta que esperava há três anos
Deficientes físicos, casal faz campanha na internet para arrecadar R$ 14 mil e trocar cadeiras motorizadas

Fechamento não tem previsão

Após contato da reportagem, a Secretaria de Serviços Urbanos (Surb), informou que há necessidade de reconstrução da rede pluvial por baixo da calçada. Contudo, não foi dada previsão de quando o serviço será feito.

Como medida paliativa, a Surb explicou que o Dep colocou, no sábado passado, uma chapa metálica em cima do buraco para facilitar o acesso dos moradores.

O contrato de pequenas obras do Departamento se encerrou em junho de 2016 e, conforme a Surb, está em andamento o processo licitatório para contratar nova empresa que preste este tipo de serviço. Por enquanto, o Dep está trabalhando em demandas emergenciais com equipes próprias e por meio de convênio com o Dmae.


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • portalfab

    portalfab

    ForçaAéreaBrasileira@g1ms @g1ribeiraopreto @g1sp @g1goias @g1roraima @g1bahia @g1rn @g1rs @zerohora @RdGaucha @diario_gaucho @correio_dopovohá 19 minutosRetweet
  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário Gaúchohttps://t.co/KkFGWpemFkhá 20 minutosRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros