Cadeirante que precisa de doações provoca corrente de solidariedade - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso29/08/2017 | 10h42Atualizada em 29/08/2017 | 10h42

Cadeirante que precisa de doações provoca corrente de solidariedade

O DG mostrou a jornada do rapaz em busca de uma cadeira de rodas e vários leitores entraram em contato para doar o equipamento

Cadeirante que precisa de doações provoca corrente de solidariedade Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

No mês do voluntariado, uma corrente de solidariedade tomou os canais de atendimento do Diário Gaúcho após a publicação da história do cadeirante Jonas Eduardo Baierle, 32 anos. 

Leia mais
Menino com paralisia precisa de ajuda para fazer tratamento
Depois de três anos, Dmae realiza limpeza de reservatórios na Capital
Imposto anual do cemitério de Alvorada tem aumento de 283%

Na quinta-feira passada ( 24), a seção Seu Problema é Nosso mostrou a jornada de mais de um ano do rapaz em busca de uma cadeira de rodas via SUS — ele precisa de uma nova em função de nunca ter trocado sua primeira cadeira, que recebeu da AACD, via saúde pública, há mais de dez anos. 

Desde 2004, o equipamento é indispensável na vida do tecnólogo em Gestão Hospitalar. Vítima de um acidente de trânsito, ele sofreu uma lesão na medula que o impede de caminhar. 

Mobilização 

Quando sua história foi contada pelo DG, cinco leitores entraram em contato com a redação, via telefone, WhatsApp e Facebook, dispostos a doar a Jonas o equipamento que lhe dá mobilidade. 

Porém, o rapaz não pôde aceitar o auxílio, uma vez que precisa de uma cadeira de rodas adaptada às suas medidas para evitar dores nas costas — o que pode ocorrer com uma cadeira comum. 

Então, a corrente de solidariedade seguiu seu rumo e fez com que amigos e colegas se mobilizassem para criar uma vaquinha online, a fim de que Jonas consiga o valor necessário para comprar a cadeira e não precise mais esperar pelo SUS. 

Sonho real 

Até a manhã desta terça-feira, já tinham sido arrecadados R$ 1.390 dos R$ 6 mil necessários para a compra do equipamento. Jonas ficou emocionado com a ajuda que recebeu a partir da reportagem: 

— O retorno que tive foi imediato. Amigos leram e, a partir daí, nasceu a ideia da vaquinha solidária. Estou confiante, pois meu sonho está se tornando realidade. Em breve, vou ter minha cadeira. É incrível receber um carinho tão grande assim. Agradeço imensamente a todos que contribuíram, compartilharam e fizeram parte dessa corrente do bem. 

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso

Dos cinco leitores que entraram em contato com a redação, dois já doaram suas cadeiras de rodas. Porém, outras três ainda estão disponíveis para doação.

Leitor Solidário: uma forma de ajudar

O Leitor Solidário é um espaço do Diário Gaúcho em que leitores podem doar objetos que não usam mais para outras pessoas, que deles precisam — por isso, listamos ao lado os leitores que estão doando cadeiras de rodas que não servirão para Jonas. 

Porto Alegre: leitora deseja doar uma cadeira de rodas, usada por pouco tempo e em ótimas condições. A estrutura da cadeira é forte e resistente, pois foi usada por uma pessoa de quase 2m de altura. Contato com Maria Terezinha pelo telefone ( 51) 3341- 5231. A cadeira deverá ser retirada no Centro. 

— São Leopoldo: leitor quer doar uma cadeira de rodas praticamente nova, usada somente duas vezes. A cadeira suporta pessoa de cerca de 90 quilos. Contato com Valeci Valdemar pelo telefone ( 51) 99478- 3232. Está disponível para ser retirada no bairro Feitoria. 

Alvorada: leitora Cecília deseja doar uma cadeira de rodas em boas condições de uso, leve e dobrável. A cadeira suporta cerca de 80 quilos. Contato pelo telefone ( 51) 3218- 1648, das 9h às 16h. A cadeira deverá ser retirada no bairro Umbu.

Para participar, basta entrar em contato com o jornal pelo e-mail atendimento@diariogaucho.com.br, pelo telefone 3218-1600 ou WhatsApp 99759-5693, explicando o que tem sobrando em casa e informando um telefone. 

Atenção: os produtos devem estar em perfeito estado de funcionamento, a fim de que realmente possam ajudar outras pessoas.

*Produção: Eduarda Endler

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros