Já ficou arrepiado ouvindo música? Talvez você não seja igual a todo mundo - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Curiosidade03/10/2017 | 15h16Atualizada em 03/10/2017 | 15h16

Já ficou arrepiado ouvindo música? Talvez você não seja igual a todo mundo

A descoberta foi revelada por um estudo publicada no Oxford Academic, realizada por um ex-graduando de Harvard

Já ficou arrepiado ouvindo música? Talvez você não seja igual a todo mundo Ophelia Cherry / Stock.xchng/Stock.xchng
Além do arrepio, é possível que um nódulo na garganta apareça, o que é raro e único Foto: Ophelia Cherry / Stock.xchng / Stock.xchng

Enquanto você estava ouvindo determinada música, um arrepio tomou conta do seu corpo e os cabelos do seu braço ficaram de pé? Parece ser algo normal, pela emoção que um som pode causar, mas, na verdade, as pessoas que têm essa sensação apresentam uma estrutura cerebral diferente.

 Leia mais
Casal termina o namoro de maneira inusitada e viraliza na internet
VÍDEO: apresentadora é surpreendida por cão durante telejornal
Deborah Secco mostra filha vestida de sereia e manda recado a Isis Valverde: "Tem vaga pra estagiária?"

A descoberta foi revelada por um estudo publicada no Oxford Academic, realizada por um ex-graduando de Harvard, chamado Matthew Sachs. O pesquisador estudou pessoas que têm essa reação desencadeada ao ouvir uma canção. No total, 20 alunos foram analisados.

A revelação foi que os indivíduos que mostraram um apego emocional e físico ao som têm uma estrutura cerebral diferente das pessoas que não apresentam reações ao ouvirem uma música. Além do arrepio, é possível que um nódulo na garganta apareça, o que é raro e único.

Quem fica arrepiado com o som tende a ter uma maior densidade de fibras que ligam o córtex auditivo à locais do cérebro que processam emoções. Ou seja, há uma comunicação entre as duas áreas.

O jornal Neuroscience, uma publicação sobre estudos sobre o sistema nervoso, afirma que a descoberta de Matthew Sachs apresenta uma ideia de que se as pessoas tiverem calafrios ouvindo sons, elas possuem emoções mais fortes e intensas. Além disso, vê-se o achado do pesquisador como uma maneira de tratar distúrbios psicológicos, já que a depressão incapacita o prazer de coisas comuns assim como pode fazer com que outros sentimentos sejam aflorados.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros