Menino precisa de doações para realizar cirurgia cardíaca  - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Seu problema é nosso20/11/2017 | 09h11Atualizada em 20/11/2017 | 09h11

Menino precisa de doações para realizar cirurgia cardíaca 

Os pais fizeram uma vaquinha online para juntar R$ 120 mil. Valor necessário para custear a operação pela qual João Lucas precisa se submeter

Menino precisa de doações para realizar cirurgia cardíaca  Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
João está prestes a completar três anos Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

João Lucas Pinheiro de Oliveira tem dois anos e 11 meses e nasceu com uma cardiopatia congênita, conhecida como CIV ou Comunicação Interventricular. Com o passar do tempo, o sopro cardíaco se desenvolveu e ganhou proporções maiores, fazendo com que o pequeno coração dilate. 

Leia mais
Esgoto é consertado depois de 20 anos em Dois Irmãos, no interior do Estado
Bebê que precisa de cirurgia no crânio teve procedimento adiado três vezes
Vândalos serram equipamentos de academia pública em praça de Porto Alegre

Em meio ao desespero de não conseguir uma cirurgia para o filho pelo SUS, os pais de João, moradores de São José das Missões, no Noroeste gaúcho, tomaram outras medidas para ajudar o pequeno. Há cerca de dois meses, a dona de casa Rhayssa de Oliveira Pinheiro, 19 anos, decidiu fazer uma rifa com o próprio carro a fim de arrecadar dinheiro para realizar o procedimento do qual o filho precisa. Mesmo assim, o valor não bastaria. 

Assim, os pais fizeram uma vaquinha online para juntar os R$ 120 mil necessários para a cirurgia. Somente a prótese necessária custa quase R$ 40 mil, tendo ainda toda a questão de custo hospitalar e de materiais, médicos e internação a serem pagos.

O procedimento

Rhayssa conta que o problema foi descoberto rapidamente, mas precisava apenas de acompanhamento médico. Neste ano, o sopro no coração do menino aumentou e causou a dilatação do órgão. A cirurgia em questão tem um risco de 15% de morte, o que preocupa a mãe. Entretanto, sem o procedimento, a expectativa de vida de João será de 30 anos.

— Olha que situação difícil: operar o nosso pequeno sabendo que, de cada cem famílias, 15 perdem seus filhos — desabafa. 

Família busca recursosFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Fora a cirurgia, não existe uma cura. Os medicamentos controlam a situação e diminuem os sintomas, entretanto, não existe uma maneira de fechar o espaço que causa o sopro. Como João é uma criança muito ativa, ele se sente cansado e tem uma fragilidade imunológica. Frequentemente, passa por infecções respiratórias, chegando a precisar de dois medicamentos antibióticos por mês.

— Se ele não fizer a cirurgia logo, o coração não voltará ao normal por causa da dilatação. A gente se apavora. Desenvolvi crises de pânico depois disso. Se eu não tomar meus remédios, passo mal — lamenta a mãe. 

O que é CIV

O problema de João é caracterizado por uma abertura que divide os ventrículos direito e esquerdo, que são as câmaras que bombeiam o sangue. Com isso, o sangue passa de um lado para o outro, o que não deveria acontecer. No caso do menino, o orifício aberto mede 1cm. E, sem a cirurgia, o coração segue se dilatando. 

Saiba como ajudar

— Contato com a família pode ser feito pelo telefone (55) 99639-6176. 

— É possível fazer doações através da vaquinha online criada pelos pais.

— Também é possível realizar depósitos bancários na agência 0229 do banco Sicredi, conta 28184-0, em nome de Rhayssa de Oliveira Pinheiro.

*Produção: Eduarda Endler


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros