Há três meses com a perna quebrada, morador de Esteio ainda não sabe se precisará de cirurgia - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso21/03/2018 | 10h02Atualizada em 21/03/2018 | 10h02

Há três meses com a perna quebrada, morador de Esteio ainda não sabe se precisará de cirurgia

Mesmo com a fratura não consolidada, Eder foi encaminhado para fisioterapia

Há três meses com a perna quebrada, morador de Esteio ainda não sabe se precisará de cirurgia Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Eder se machucou trabalhando Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

O autônomo Eder Schroeder, 40 anos, de Esteio, quebrou a perna esquerda enquanto trabalhava em Ivoti, em 10 de dezembro de 2017, e desde então aguarda pela finalização do seu atendimento. 

Leia mais
Espaço reduzido na calçada faz pedestres se arriscarem na zona norte de Porto Alegre
Menina aguarda por órtese para poder retirar gesso da perna e caminhar normalmente, em Viamão
Chuva abre buraco em pátio de casa no bairro Vila Jardim, em Porto Alegre

A fratura provoca dores intensas:

— Não basta ficar entre a minha cidade e Canoas, mas também ficar sem uma resposta do que preciso fazer, se é cirurgia, se é mais tempo com gesso ou só a fisioterapia. 

Após o socorro, o autônomo foi encaminhado ao seu município. Chegando ao Hospital São Camilo, Eder foi informado de que não havia especialista. Foi mandado para Canoas

Chocada 

Ainda em 10 de dezembro, ele foi para Canoas, onde, após um novo raio X, soube que deveria fazer cirurgia e que, para isso, precisaria de encaminhamento feito por Esteio. A consulta com ortopedista foi marcada inicialmente para o dia 26 do mesmo mês, mas remarcada pelo hospital para 2 de janeiro. 

A esposa de Eder foi à Secretaria de Saúde, onde conseguiu uma consulta para 2 de fevereiro no Hospital Nossa Senhora das Graças, em Canoas: 

— Quando o médico viu, disse que, se fosse o caso de fazer cirurgia, eu não poderia ter esperado todo esse tempo. Ele me pediu um novo raio X e que eu retornasse no dia 7. 

Laudo de tomografia feita por Eder aponta para fratura com deslocamento de fragmentos e achatamento do platôFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Na consulta posterior, o médico informou que a fratura tinha sido consolidada e, após a retirada do gesso, pediu para marcar uma tomografia e serviço de fisioterapia. O exame ficou agendado para 16 de fevereiro, e o primeiro atendimento especializado, para o dia 19. 

— Quando mostrei a tomo para a fisioterapeuta, ela ficou chocada. Disse que a fratura não estava consolidada e me mandou voltar para o ortopedista — explica. 

Agora, o autônomo afirma que a próxima consulta acontecerá somente em abril. 

Retorno está agendado para hoje 

A Secretaria Municipal de Saúde de Esteio informou que o serviço de traumatologia é disponibilizado pelo município, mas, no caso do paciente citado, a rede não dispõe de complexidade técnica para a realização do procedimento exigido. 

Por isso — conforme determinação e regulação da Secretaria Estadual de Saúde —, Eder foi encaminhado para o Sistema de Saúde de Canoas (referência nesta especialidade para Esteio), que atende a todos os casos cirúrgicos específicos em mãos, pés, joelhos, coluna ou quadril, considerados de alta complexidade. 

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Saúde de Canoas, que afirmou que o paciente foi encaminhado para a cidade eletivamente (atendimento que não é de urgência). 

Em nota, informou que a consulta de retorno está agendada para hoje, às 10h, quando Eder deverá apresentar os exames que foram solicitados no dia 7 de fevereiro. O órgão explicou que, se for identificada a necessidade de algum procedimento, ele será realizado em Canoas. E que, após o agendamento dos pacientes, os mesmos seguem os fluxos internos dos hospitais. 

*Produção: Leticia Gomes

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros