Chuva abre buraco em pátio de casa no bairro Vila Jardim, em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso16/03/2018 | 09h39Atualizada em 16/03/2018 | 09h39

Chuva abre buraco em pátio de casa no bairro Vila Jardim, em Porto Alegre

Antes do aguaceiro desta quinta (15), outra tempestade, em dezembro do ano passado, causou o rompimento da tubulação de uma galeria de esgoto pluvial que passa pelo pátio da moradia

Chuva abre buraco em pátio de casa no bairro Vila Jardim, em Porto Alegre Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Tubulação rompida está causando danos no pátio de Armando e Iara Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

A chuvarada desta quinta-feira (15) aumentou ainda mais a apreensão de um casal de moradores da Vila Jardim, em Porto Alegre. O técnico em elevadores aposentado Armando Domingues da Silva, 80 anos, e a costureira Iara Teresinha Araújo da Silva, 72 anos, moram na Avenida Ipê, uma das principais do bairro da Zona Leste. 

Leia mais
Paciente aguarda há três anos por cirurgia, em Canoas
Mãe aguarda perícia em carro usado no tratamento da filha há mais de um mês, em Viamão
Histórico de alagamentos preocupa população que vive na região do Arroio Cavalhada

Antes do aguaceiro desta quinta, outra tempestade, em dezembro do ano passado, causou o rompimento da tubulação de uma galeria de esgoto pluvial. Essa tubulação passa pelo pátio de algumas casas da avenida. Mas a chuva de ontem piorou o problema. Com os canos entupidos, a água invadiu o pátio da residência dos idosos. 

Porém, além disso, outro problema causado pelo rompimento foi a abertura de uma cratera nos fundos da moradia. E esse desmoronamento do solo cresce a cada nova tempestade. 

— Em janeiro, nós comunicamos a prefeitura, mas, até hoje, não fizeram nada. Esse cano é deles, o órgão competente que deve vir fazer o conserto. É para isso que nós pagamos taxa de esgoto — diz o aposentado, que mora no local há 26 anos. 

Preocupação

Iara conta que o casal não pôde nem viajar durante as férias de final de ano, com medo de estar longe em caso de algum temporal mais forte. Receber familiares também virou um problema, já que ninguém pode usar o pátio da residência, devido ao risco de cair na cratera que se abriu. 

— É difícil a gente não poder usar o pátio da própria casa, ainda mais por um problema que não foi causado por nós — lamenta a costureira. 

Moradores têm medo de caminhar pelo próprio pátioFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

A preocupação de Armando é que o estrago causado pelos canos rompidos comece a atingir também a casa onde ele vive com a esposa. Depois do temporal de ontem, o aposentado garante que o buraco aumentou consideravelmente, chegando perto de uma das paredes da residência: 

— Não podemos sair para a rua, pois, se bobear, caímos ali. 

Cratera fez estrago na residência de casal de idosos 

A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb) explicou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a quinta-feira foi atípica na Capital. O temporal causou estragos em diversos pontos da cidade. 

Por essa razão, somente na próxima segunda-feira (19) uma equipe poderá ser enviada à residência de Armando e Iara. Depois dessa visita, a secretaria poderá definir que reparos precisam ser executados. 

Conforme a SMSUrb, o atraso no atendimento da reclamação feita pelo casal, registrada em janeiro deste ano, se deve à falta de empresa terceirizada na Divisão Municipal de Esgotos Pluviais (DMAP), órgão que assumiu as funções do antigo DEP. 

Segundo a prefeitura, a licitação foi suspensa depois da desistência da empresa que prestava os serviços. Com isso, os reparos deixaram de ser feitos entre novembro e janeiro, quando um novo contrato foi assinado. Assim, as demandas se acumularam. Agora, elas estão sendo atendidas seguindo a lista de espera dos protocolos registrados, exceto em casos emergenciais. 

*Produção: Alberi Neto

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros