Pedestres esperam por passarela na RS-020 há mais de 15 anos, em Gravataí - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso11/04/2018 | 09h32Atualizada em 11/04/2018 | 10h08

Pedestres esperam por passarela na RS-020 há mais de 15 anos, em Gravataí

O Diário Gaúcho acompanha o drama dos moradores da região desde 2002, quando foi feita a primeira reportagem sobre o problema

Pedestres esperam por passarela na RS-020 há mais de 15 anos, em Gravataí Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Pedestres arriscam a vida na travessia da pista Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Em 2002, a cabeleireira Janete Rosangela dos Santos Cezimbra, 54 anos, entrou em contato com o Diário Gaúcho pela primeira vez para reclamar da situação arriscada que vivem moradores do entorno da RS-020, em Gravataí

Leia mais
Aposentado sofre com falta de sondas uretrais, em Sapucaia do Sul
Após furto de fiação elétrica, lojas do Viaduto da Borges ficam sem luz em Porto Alegre
Fitas de glicose são disponibilizadas a pacientes após problemas em Porto Alegre

Naquele ano, a cabeleireira tinha esperanças de que o problema seria logo resolvido. Porém, até hoje, a comunidade aguarda pela construção de uma passarela na rodovia — nas imediações da Parada 61 —, que trará segurança aos pedestres. 

— Vejo todos os dias as pessoas colocarem a vida em risco, é um absurdo. Parece que nunca vai se resolver — afirma Janete, que mora no bairro Morada do Vale III há 21 anos. 

A cabeleireira explica que os pedidos ao poder público são constantes, mas que pouca vezes consegue um retorno. Nem a duplicação da via, que foi prometida duas vezes, se concretizou. Para Janete, a situação piora a cada ano: 

— É muito perigoso. Além de ter que atravessar fora da faixa, em dias de chuva é quase impossível andar, a calçada fica cheia de poças. Isso faz com que as pessoas andem na via, junto aos carros. 

Histórico 

Segundo Janete, a falta de estrutura adequada atrapalha também a rotina de quem depende da via para trabalhar — como motoristas de ônibus. 

Em 2002, a promessa era de que o projeto de duplicação da RS-020 — entre o bairro Vila Vista Alegre, em Cachoeirinha, e a RS-118 — estaria pronto em 2003, como foi mostrado na reportagem da edição de 20 de setembro de 2002 do Diário. Mesmo sem prazo para início das obras, os moradores achavam que as melhorias chegariam. 

— Ficou tudo arquivado, parece que não tem interesse — explica a cabeleireira. 

Mais dez anos 

Dez anos depois, em 4 de outubro de 2012, o pedido dos moradores estampou as páginas do jornal novamente. Na época, a assessoria de comunicação do Daer informou que uma construtora já tinha sido contratada para a realização do projeto de duplicação na RS-020, entre Vista Alegre a Morungava, totalizando 19,4km. 

O projeto estava em fase de estudos, e nenhuma previsão foi dada. Sobre a passarela, o órgão não respondeu. 

— Meu medo de ver novamente as páginas amareladas se concretizou. Não sabemos mais o que fazer — conta Janete, que guarda as reportagens de 2002 e 2012. 

Daer afirma que vai pesquisar caso 

De acorco com a assessoria de Comunicação Social do Daer, em função de a última atualização sobre a situação da passarela ser de 2012, uma pesquisa junto ao setor responsável foi necessária. 

Até o fechamento da reportagem, porém, não houve retorno da área. O Daer é o órgão responsável pela gestão do transporte rodoviário do Estado. 

*Produção: Leticia Gomes

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros