Fitas de glicose são disponibilizadas a pacientes após problemas em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso06/04/2018 | 11h23Atualizada em 10/04/2018 | 13h10

Fitas de glicose são disponibilizadas a pacientes após problemas em Porto Alegre

A situação de Joel foi relatada na edição de 18 de outubro de 2017. Na época, o jornaleiro precisou comprar uma caixa de fitas, que custa R$ 80, com 50 unidades

Fitas de glicose são disponibilizadas a pacientes após problemas em Porto Alegre Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Joel sofreu com a falta das fitas de medição do índice glicêmico Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

O jornaleiro Joel de Souza Ribeiro, 36 anos, não está mais preocupado com a falta das fitas que necessita para fazer o teste de glicose. 

Leia mais
Paciente aguarda por exame desde julho em Viamão
Falta de pavimentação em rua incomoda moradores de Torres, no Litoral Norte
Erro de preenchimento no sistema adia cirurgia bariátrica de rodoviário na Capital

Em outubro do ano passado, o morador do bairro Rubem Berta, em Porto Alegre, que é portador de diabetes tipo 1, ficou um mês sem receber o material: 

— Foi um período bem tenso. Como faço quatro testes por dia, preciso de uma grande quantidade de fitas. Teve uma noite em que não sabia se teria material para o outro dia. 

A situação de Joel foi relatada na edição de 18 de outubro de 2017. Na época, o jornaleiro precisou comprar uma caixa de fitas, que custa R$ 80, com 50 unidades. Por mês, o gasto chegava a R$ 160. 

No final de 2014, Joel teve uma crise glicêmica enquanto trabalhava, desmaiou e foi levado às  pressas para a emergência. 

Durante o atendimento, após exames, o morador da Zona Norte foi diagnosticado com diabetes: 

— Eu nunca tinha deixado de receber. Ocorriam alguns atrasos, mas sempre chegava. A pior parte era que, na época, o hospital não estava atendendo como antes. Parecia que não tinha a quem recorrer. 

O jornaleiro tem recebido os kits normalmenteFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Desafios 

Para receber de graça o kit, é preciso levar uma relação de exames e documentos na Secretaria Municipal de Saúde (SMS)

Em outubro, o órgão tinha informado à reportagem que Joel não constava na lista do programa e que a entrega do material ao posto aconteceu com atraso. 

Foi indicado ao jornaleiro que voltasse à sede da secretaria para corrigir o registro. Joel descobriu que a confusão se deu por uma atualização no sistema CADSUS Web, o Cadastro Nacional de Usuários do SUS. 

— Desde então, está tudo muito organizado. 

Saiba mais

Como se cadastrar em Porto Alegre 

— Segundo a Coordenação de Assistência Farmacêutica da SMS, para fazer parte do Programa de Insumos do município, o paciente deve abrir processo administrativo no Núcleo de Expediente da SMS (Avenida João Pessoa, 325, térreo), das 8h30min às 12h e das 13h30min às 17h. 

— Mais informações: pelo telefone 156, opção 6, ou pelo site da prefeitura.

Documentos necessários 

— Formulário "Requerimento Padrão Insumos Diabetes Domiciliar S-837" (pode ser acessado aqui).
—  Laudo e/ou Atestado médico (original), atualizado e válido, emitido em serviço próprio, conveniado ou contratado do Sistema Único de Saúde (SUS), com  CID-10, especificando tratar-se de paciente portador de Diabetes Mellitus tipo I, tipo II ou Diabetes na Gravidez . (Em todos os casos deverá ser atestado o uso contínuo de insulinas).
—   Receita médica (original), atualizada e válida, emitida em serviço próprio, conveniado ou contratado do SUS, contendo tipo de insulinas utilizadas, dosagem, horários de aplicação e correções, caso necessário.
— Prescrição para o Automonitoramento da Glicemia Capilar (AMGC) original, contendo os horários ou turnos de verificação do Hemoglicoteste (HGT).
— Cópia do comprovante de residência atualizado (água, luz ou telefone fixo).
— Cópia da identidade.
— Cópia do Cartão SUS.

*Produção: Leticia Gomes

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros