Morador de Canoas busca ajuda para fazer cirurgia e amenizar sofrimento causado pelo mal de Parkinson  - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso23/07/2018 | 09h53Atualizada em 23/07/2018 | 09h53

Morador de Canoas busca ajuda para fazer cirurgia e amenizar sofrimento causado pelo mal de Parkinson 

Cláudio Felhauer descobriu a doença há cerca de 15 anos e, atualmente, ingere 30 comprimidos por dia para tratar o problema, cujo estágio é avançado

Morador de Canoas busca ajuda para fazer cirurgia e amenizar sofrimento causado pelo mal de Parkinson  Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
À esquerda, foto antiga, antes da doença. Do lado direito, atualmente, mais magro após a descoberta Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

— Tiraram o meu chão. 

Essa foi a reação de Cláudio Felhauer, 54 anos, ao receber o diagnóstico de mal de Parkinson, há cerca de 15 anos. A suspeita veio quando o vendedor aposentado estava escovando os dentes e, de repente, seus movimentos ficaram paralisados. Naquele momento, decidiu procurar auxílio. 

— O médico me viu levantar da cadeira e disse que eu estava com Parkinson — lembra. 

Leia mais
Após um ano esperando, paciente consegue realizar consultas no Hospital da Ulbra
Idoso aguarda em casa chamada por consulta que pode demorar até quatro meses
Falta de iluminação pública e rede pluvial entupida fazem parte da rotina na Restinga

Cláudio entrou em depressão e perdeu peso. Com 1,95m de altura, saiu dos 105 quilos e chegou aos 77 quilos. Hoje, o morador de Canoas ingere 30 comprimidos por dia para tratar o problema, cujo estágio é avançado. 

Esperança 

Porém, uma nova possibilidade de tratamento da doença tem dado esperança para Cláudio: o implante de um marca-passo cerebral. Na fila de espera pela cirurgia via SUS, ele não tem previsão de ser atendido. Por isso, conta com a solidariedade para realizar a operação, que custa R$ 100 mil. 

Enquanto isso, encara os sintomas da doença, que variam entre discinesia (perturbação do poder de movimentação, gerando descontrole dos movimentos) e imobilização (quando não consegue se mexer). 

Surpresa 

A ideia de fazer uma vaquinha online, criar uma página no Facebook e gravar um vídeo com relatos de Cláudio foi da estudante de Publicidade e Propaganda da UFRGS Maria Eduarda Araújo, 20 anos. Ela conheceu Cláudio no aniversário de Bárbara, 19 anos, filha dele. Naquele dia, a estudante sentiu que poderia fazer algo para mudar a vida daquela família, dando visibilidade à situação que enfrentam. 

Cláudio ficou emocionado com o suporte da menina: 

— A gente acha que está sozinho na vida e, quando menos espera, recebe uma ajuda que pode mudar tudo. 

Com a divulgação do vídeo e da página, chamada "Juntos pelo Cláudio", o aposentado tem recebido ajuda de várias cidades do Brasil e também de outros países, como Portugal. 

Família 

Na época em que Cláudio recebeu o diagnóstico, seus pais ainda estavam vivos. Com a notícia, foram a uma reunião de pacientes com Parkinson: 

— Quando nos chamaram para entrar, meu pai disse que ele deveria estar entrando ali, que não deveria ser eu o doente. Imagine para um pai viver uma situação assim? O pai morreu há dois anos, e a mãe, há seis. 

Cláudio é casado com Ana há quase 25 anos — o aniversário de casamento será em outubro. A mulher é sua cuidadora. 

Confira o vídeo produzido por Maria Eduarda

Saiba como ajudar

— Através da vaquinha online, aqui.
— Depósito bancário: conta poupança da Caixa Econômica Federal, banco 104, conta 00041638-6, agência 0433 e operação 013, em nome de Cláudio Felhauer.
— Dúvidas: entre em contato via Facebook.
— Confira o vídeo com o relato de Cláudio: bit.ly/video-claudio 

*Produção: Eduarda Endler

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros