Diário Gaúcho te ajuda a entender a relação entre a alta do dólar e as eleições - Notícias

Versão mobile

 

Explica Aí 29/08/2018 | 07h00Atualizada em 29/08/2018 | 07h00

Diário Gaúcho te ajuda a entender a relação entre a alta do dólar e as eleições

O DG convidou a colunista de ZH Marta Sfredo para explicar por que o valor do dólar varia com as pesquisas eleitorais. Confira

Diário Gaúcho te ajuda a entender a relação entre a alta do dólar e as eleições Félix Zucco/Agencia RBS
Moeda fechou nesta terça-feira (29) a R$ 4,141 Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Por que pesquisas eleitorais fizeram o dólar subir?
As pessoas e empresas que investem em dólar e na bolsa de valores esperavam ver na liderança das pesquisas um candidato que proponha reformas para tirar o Brasil da crise. Esse conjunto de pessoas e empresas costuma ser chamado de “mercado”. É importante porque, quando esse grupo negocia, dá sinais diários de seu humor: é bom quando a bolsa sobe e o dólar cai, ruim quando a bolsa cai e o dólar sobe. Todas as primeiras pesquisas do início da campanha eleitoral tiveram como líderes candidatos que esse “mercado” considera radicais, tanto de esquerda quanto de direita. E nenhum dos líderes têm compromisso público com o que o “mercado” quer.

Leia mais
DG te ajuda a entender a situação dos venezuelanos no Brasil
Veja como o dólar mais caro impacta no seu dia a dia

Mas o que esse “mercado” quer?
O que fez o Brasil entrar em crise foi falta de crescimento econômico: empresas pararam de investir e de contratar porque ficaram assustadas com o aumento de despesas do governo federal. Se o governo gasta demais, tem de pedir emprestado para pagar. É como acontece em casa: um pouco de dívida é bom, porque ajuda a ter mais coisas, mas quando fica grande demais, fica difícil de pagar. O “mercado” quer que o governo gaste menos e adote medidas para diminuir a dívida.

Mas tem algum problema para quem não é desse “mercado”?
Infelizmente, sim. Quando o dólar sobe, aumenta preços de mercadorias compradas em outros países. Um caso é o trigo. Como não tem plantação suficiente para fazer toda a farinha usada no Brasil, os moinhos compram no Canadá e na Argentina, e pagam em dólares. Como subiu a cotação, têm de reservar mais reais para pagar a conta, porque cada dólar custa mais. Se antes gastava R$ 3,5 mil para cada mil dólares que pagava, agora gasta R$ 4 mil.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 06-06-2018: Fotos para matéria sobre a alta do Dólar na bolsa de valores (FOTO FÉLIX ZUCCO/AGÊNCIA RBS, Editoria de Notícias).
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Mas quanto o dólar ainda pode subir?
Ninguém sabe. A cotação do dólar pode subir ou descer por qualquer motivo. De um tuíte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, até uma nova pesquisa eleitoral, tudo se reflete no valor dessa moeda. Como muitas pesquisas ainda serão feitas, o sobe e desce vai depender muito dos resultados.




 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros