Menino está há mais de um mês aguardando consulta depois de ter quebrado a perna, em São Leopoldo - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso01/08/2018 | 09h19Atualizada em 01/08/2018 | 09h19

Menino está há mais de um mês aguardando consulta depois de ter quebrado a perna, em São Leopoldo

André Ferreira, 10 anos, fraturou a tíbia da perna esquerda no dia 26 de junho. Depois de ser atendido no Hospital Centenário, ele deveria consultar com um traumatologista. Porém, ainda segue aguardando o chamado

Menino está há mais de um mês aguardando consulta depois de ter quebrado a perna, em São Leopoldo Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Raio X mostra a fatura na tíbia de André Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Uma fratura óssea é sempre preocupante, ainda mais em um garoto, como é o caso do estudante André da Paz Ferreira, 10 anos. Morador do bairro Campina, em São Leopoldo, o menino quebrou a tíbia da perna esquerda no dia 26 de junho. 

Leia mais
Rua de Viamão que mais parece um atoleiro não tem previsão de passar por obras
Após cirurgia em bebê ainda no útero, casal de Canoas busca conclusão de tratamento
Em Alvorada, promessa de conclusão de obra já se arrasta há cinco anos

Desde o fato, ele aguarda por consulta com um médico especialista na rede pública da cidade onde mora. O atendimento deveria ter ocorrido no dia 5 de julho, conforme o encaminhamento recebido por André na emergência do Hospital Centenário. 

Entretanto, a falta de traumatologista no Centro Médico Capilé — local de referência para especialidades no município de São Leopoldo — impossibilitou a sequência do tratamento. 

Espera 

No mesmo dia em que se machucou, o garoto foi levado pela mãe, a vendedora Ligiane Souza da Paz, 35 anos, à emergência do Hospital Centenário. Durante o socorro, André teve a perna engessada e recebeu a solicitação para a visita ao Centro Médico Capilé, que deveria ocorrer no início de julho. Entretanto, ao chegar ao local, mãe e filho foram surpreendidos: não havia especialista em traumatologia para prestar os atendimentos. 

— O pessoal do (Centro Médico) Capilé disse que tinha ligado para informar que não havia médico. Mas ninguém me ligou. Chegamos lá e simplesmente não tinha especialista — recorda Ligiane. 

A orientação da equipe de recepção do centro médico foi para que André aguardasse o chamado em casa. Porém, o contato não ocorreu. E, entre visitas ao Capilé e à Secretaria Municipal de Saúde, Ligiane tentava encontrar uma previsão de quando o filho seria atendido, sem sucesso. 

Falta de especialista no município deixa André sem avaliação Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

— Tanto no centro médico quanto na secretaria, sou informada apenas de que não há previsão de chamada. De que é preciso aguardar em casa. Já passou mais de um mês da fratura e não sei como está evoluindo a situação do meu filho. 

Enquanto se recupera, André precisa ficar em casa. Não tem ido à escola nem pode fazer movimentos bruscos, segundo a mãe: 

— Ele passa a maior parte do tempo deitado. Se não curar direito, o médico da emergência falou que ele corre o risco de precisar de uma cirurgia. 

Consulta não tem previsão de ocorrer 

O secretário de saúde de São Leopoldo, Ricardo Charão, confirmou que o Centro de Saúde Capilé está sem atendimento em traumatologia. Segundo o responsável pela pasta da saúde, um especialista deve começar a atender no local hoje. 

Conforme Ricardo, todos os pacientes encaminhados pelo atendimento de urgência e emergência da cidade para o Ambulatório de Egressos de Traumatologia são contatados via telefone pela regulação municipal. 

A família de André também será contatada pela prefeitura. Entretanto, não foi dada nenhuma previsão de quando a consulta deverá ocorrer. 

*Produção: Alberi Neto 

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros