Posto de saúde na Vila dos Sargentos, em Porto Alegre, tem abertura adiada para 2019 - Notícias

Vers?o mobile

 

Saúde12/10/2018 | 08h15Atualizada em 12/10/2018 | 08h15

Posto de saúde na Vila dos Sargentos, em Porto Alegre, tem abertura adiada para 2019

Previsão era de inauguração ainda em 2018. Unidade antiga foi fechada em julho de 2017 devido à violência entre facções 

Posto de saúde na Vila dos Sargentos, em Porto Alegre, tem abertura adiada para 2019 Luciano Lanes/PMPA
Unidade móvel da prefeitura atende comunidade no local onde deverá funcionar o novo posto Foto: Luciano Lanes / PMPA

A população da Vila dos Sargentos, no bairro Serraria, zona sul da Capital, terá de esperar, pelo menos, até agosto do ano que vem para voltar a ter uma unidade de saúde funcionando a pleno no local. A promessa anterior da Secretaria Municipal da Saúde, de que o novo posto estaria pronto no segundo semestre de 2018, não será cumprida.

Segundo o secretário de Saúde, Erno Harzheim, o projeto do posto está pronto, mas o processo de licitação atrasou.

– O processo de licitação da obra acontece em conjunto com a Secretaria da Fazenda. Tivemos atrasos na burocracia. O edital deve estar saindo nas próximas semanas. Após a definição do vencedor, prazo de recursos e homologação, poderemos assinar a ordem de serviços. A previsão para isso é janeiro de 2019 – diz o secretário.

Leia mais
Abertura da UTI faz Hospital da Restinga funcionar a pleno
Pronto desde 2015, Hospital de Guaíba não tem data para abrir

A obra, ainda conforme o órgão, deve durar oito meses. Então, a nova data prevista para que a população volte a ter um posto funcionando na localidade é entre agosto e setembro de 2019.

A unidade de saúde Morro dos Sargentos foi fechada definitivamente em julho de 2017 em função da guerra entre facções rivais. No dia 23 de junho do ano passado, um tiroteio fez os funcionários deixarem o local escoltados pela Brigada Militar.

O terreno onde o posto será construído fica na Rua Argemiro Ogando Corrêa, esquina com a Rua Geralda dos Santos Moreira, e pertencia ao Exército. Para ter o espaço, em contrapartida, a prefeitura ergueu um muro de 110 metros junto ao terreno. O novo local fica próximo às duas escolas da vila e em frente a uma parada de ônibus.  O novo posto vai custar R$ 1,4 milhão.

– O recurso para a construção está reservado. A unidade será de alta qualidade, com toda a estrutura que precisa ter. Nosso desejo é que o processo seja o mais eficiente possível – afirma o secretário.

Desde o fechamento, para serem atendidos pelo SUS, os moradores da Vila dos Sargentos precisam percorrer até seis quilômetros rumo a unidade básica Guarujá, onde os cerca de 15 funcionários da unidade fechada foram realocados. É o caso de um aposentado, morador da comunidade. Ele passou por uma cirurgia em agosto e, durante todo o mês de setembro, precisou de atendimento para cuidar dos pontos e fazer revisões. 

– Com o posto aqui perto era mais fácil. Tenho que pegar um ônibus, ir até o Guarujá, ser atendido e voltar. Muitas vezes, perdemos mais tempo no transporte do que no médico. Se tem outro compromisso no dia, já fica difícil. Se for um caso de emergência também é contramão – conta.

Por ser idoso, o aposentado não precisa pagar as passagens do ônibus:

– Se precisasse pagar, ficaria ainda mais difícil, ia pesar no bolso. Provavelmente, eu teria que pelo menos ir ou voltar a pé, o que daria mais de meia hora de caminhada. Depois de fazer uma cirurgia ia ser ruim.

Unidade móvel atende aos moradores

Desde a semana passada, uma Unidade Móvel de Saúde (UMS) da Secretaria Municipal de Saúde circula pela cidade para atender regiões de difícil acesso ou onde não há postos. Uma delas é a Vila dos Sargentos. O caminhão oferece, em média, 40 atendimentos por dia, entre consultas médicas, consultas com enfermeiros, vacinas e outros serviços. 

– Os moradores não ficaram sem atendimento, apenas tiveram de se deslocar. Como o atraso é responsabilidade nossa e ganhamos esta unidade móvel, o atendimento é oferecido no mesmo local onde o posto será construído. Lá, a gente privilegia quem tem dificuldade de deslocamento, como crianças, grávidas e idosos, mas todo mundo pode ser atendido – afirma o secretário Erno Harzheim.

Por enquanto, o caminhão fica na localidade uma vez por semana, mas, como o serviço é novo, as necessidades e demandas ainda estão sendo avaliadas, segundo a secretaria.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros