Vila Minuano sofre a cada chuva e pede socorro, em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 

Seu Problema é Nosso08/10/2018 | 11h29Atualizada em 08/10/2018 | 11h29

Vila Minuano sofre a cada chuva e pede socorro, em Porto Alegre

O problema atinge as duas principais vias, as ruas 8 de Outubro e 25 de Dezembro, pois não há estrutura para o esgoto pluvial

Morares da Vila Minuano, no bairro Sarandi, zona norte de Porto Alegre, ficaram ilhados em suas casas entre segunda e quinta-feira passadas. No dia 1 º, o volume de chuva na Capital correspondeu a 21% do previsto para todo o mês de outubro. 

 Leia mais
Cadeirante busca doações para comprar triciclo elétrico e poder ir à faculdade, em Porto Alegre
Postes com risco de queda assustam moradores em bairros da Capital
Esgoto entupido gera mau cheiro para moradores da Zona Norte 

Moradora do local, a dona de casa Odete Nascimento, 47 anos, conta que a vila existe há cerca de 30 anos e que o problema nunca foi solucionado pela prefeitura, apesar de inúmeros pedidos: 

— É frustrante.  A gente pede ajuda, faz protocolo, espera que te tratem com respeito, mas ninguém olha para as vilas. 

Segundo Odete, o problema atinge as duas principais vias, as ruas 8 de Outubro e 25 de Dezembro, pois não há estrutura para o esgoto pluvial — somente cloacal. Sem o escoamento da água da chuva, ela foi parar dentro dos pátios e das casas. 

— Os carros passam e se formam ondas, que levam aquela água cheia de dejetos e urina para dentro dos nossos lares — ressalta Odete, na quinta-feira. 

Sem água 

Como a água da chuva atingiu as caixas de esgoto cloacal dos moradores, se tornou impossível lavar roupas e louças, tomar banho e até mesmo usar o vaso sanitário. 

Odete afirma que a sujeira subia pelos ralos quando a descarga era acionada. Na casa, residem três crianças e quatro adultos. 

— Os pequenos ficaram trancados em casa porque tínhamos medo de que pegassem doenças. Nem banho tínhamos como dar neles — afirma. 

Na manhã de quinta-feira, Odete viu uma caminhonete do Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE) perto das ruas com a situação mais crítica. 

Ela conta que pediu ajuda para os funcionários. Eles afirmaram que não havia nenhum serviço a ser feito na vila. Porém, nesta semana, a dona de casa registrou dois protocolos. Após contato da reportagem com o DMAE, uma limpeza emergencial de bueiro foi feita na manhã de sexta- feira, segundo Odete, e a água cedeu na rua onde mora. 

— Precisamos ser tratados com respeito, precisamos ser vistos — protesta, em função da demora na solução do caso. 

Promessa: obras ocorrerão em novembro

A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb) afirmou, por meio da Divisão de Manutenção de Águas Pluviais (DMAP), que há uma residência construída de forma irregular sobre as redes pluviais, causando obstrução e prejudicando a vazão das águas da chuva na localidade. 

Para minimizar os impactos desta irregularidade, já estava programada a substituição da rede, através de intervenções do contrato de pequenas obras da SMSUrb, com previsão de início dos trabalhos para a primeira quinzena de novembro. 

Produção: Eduarda Endler

 Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros