A dura rotina sob o calorão nos ônibus sem ar-condicionado em Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Sofrência 29/01/2019 | 19h46Atualizada em 29/01/2019 | 19h55

A dura rotina sob o calorão nos ônibus sem ar-condicionado em Porto Alegre

Apenas 37% dos coletivos da Capital têm o equipamento; dentro dos veículos, temperatura é um pouco mais alta do que na rua

A dura rotina sob o calorão nos ônibus sem ar-condicionado em Porto Alegre Carlos Macedo/Agencia RBS
Dentro dos veículos, temperatura estava cerca de 2°C a mais do que na rua Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS
Jéssica Rebeca Weber
Jéssica Rebeca Weber

jessica.weber@zerohora.com.br

Depois de um dia de calorão e de esperar pelo ônibus espremido na sombra de uma parada de zinco, tudo o que o trabalhador quer é passar pela catraca do coletivo e desfrutar de uma viagem para casa com temperatura agradável. Em Porto Alegre, a probabilidade de se concretizar essa ideia de "paraíso" — definição do metalúrgico aposentado Joacir Freitas Teixeira, 56 anos — não passa de 37%.

A frota total da Capital é de 1.620 ônibus urbanos. Apenas a Carris, única estatal entre as cinco empresas de ônibus que operam na Capital, tem mais da metade da frota com ar-condicionado. O Consórcio Via Leste tem apenas um quarto dos coletivos com climatização — são 47 de 186. 

Com passagem a R$ 4,30 e perspectiva de aumento em breve (empresários querem R$ 4,78), usuários reclamam de falta de conforto, sofrendo até mais dentro do coletivo do que na rua. GaúchaZH levou um termômetro para dentro dos ônibus nesta segunda-feira (29), constatando que a diferença é de aproximadamente 2°C para mais. Chegamos a registrar temperatura de 37,8°C dentro de um 195 - TV a caminho do Centro Histórico e 38,2°C em um 250 - 1 de maio, no meio da tarde, a caminho do bairro Azenha

Leia mais
Primeiro dia com redução de horários gera indignação em passageiros da Vicasa
Estudantes se posicionam contra projeto que restringe  meia passagem 
Os projetos que mudam a vida de quem anda de ônibus em Porto Alegre 

Marlene de Oliveira, 69 anos, relata que, se entra num ônibus quente (o que "geralmente acontece"), ela se sente mal por causa da asma e de sua falta de ar. Dora dos Santos sempre leva água gelada dentro de uma garrafa térmica e um leque para se abanar. Mas a costureira aposentada, de 80 anos, preocupa-se com os funcionários das empresas de transporte público ainda mais do que com os passageiros: 

— Sinto pelo cobrador e pelo motorista. Imagina passar o dia inteiro assim. 

O estudante Mikael Barth, 17 anos, reparou que a Prado costuma ter mais coletivos com ar-condicionado e organiza seu retorno para pegar essa linha. Mas nem todos podem fazer a seleção. Lucas Schenk, 32 anos, já chega no trabalho, na Avenida Bento Gonçalves, suado e cansado. A bordo de um 344 - Santa Maria, o técnico em informática não esconde a indignação: 

— É horrível. Andar nesse calor em ônibus sem ar, pelo preço que se paga de passagem, é absurdo. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 28-01-2019: Porto Alegre ou Forno Alegre? Calor intenso na capital. (CARLOS MACEDO/ AGÊNCIA RBS)
Alta temperatura das paradas se repete dentro dos coletivos; muitas vezes, é agravadaFoto: Carlos Macedo / Agencia RBS

O caixa aposentado Derli Lima Guterres, 69 anos, vivia uma desagradável ironia nesta segunda: foi até o Centro para tentar consertar seu único ventilador. Além de não conseguir resolver o problema na assistência técnica, foi e voltou em ônibus sem ar-condicionado, com o suor escorrendo pela testa e peito — a camisa estava encharcada.

— A gente se sente prejudicado — queixa-se. 

Também há relatos de que, quando há ar-condicionado, algumas vezes está quebrado ou não é utilizado. A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) afirma que, somente em janeiro deste ano, ocorreram 22 autuações por ar-condicionado inoperante nos ônibus da Capital. As empresas são notificadas e os veículos encaminhados para regularização — só voltam a operar após os reparos necessários, de acordo com o órgão.

De acordo com um decreto de 2017, os ônibus que possuem ar-condicionado deverão ligar o equipamento sempre que a temperatura ambiente interna passar dos 24ºC. O usuário pode denunciar pelo número 118 o nome da linha, o prefixo e a data.

Em dois anos, poucos ônibus novos 

Em 2016, com o lançamento do "Novo Sistema de Transporte de Porto Alegre" — resultado da primeira licitação do transporte público da Capital —, foi divulgado que, em 10 anos, todos os ônibus deveriam ter ar-condicionado.  Essa evolução ocorreria gradativamente em razão da renovação da frota.  

Mas em 2017 não houve compra de ônibus e, em 2018, apenas a Mob colocou veículos novos para rodar. 

Segundo Gustavo Simionovschi, diretor-executivo da Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP), lei de 2018 determina que  8,3% da frota seja renovada todos os anos. Mas ressalta o prejuízo que as empresas têm enfrentado. 

— Estou com um contrato desequilibrado. O edital (do novo sistema, de 2016) estabelecia 17,8 milhões de passageiros pagantes por mês.  Ano passado, tivemos 14,1 milhões. A gente tem prejuízo acumulado, desde a licitação fevereiro de 2016, de R$ 137 milhões. 

Gustavo afirma que as empresas são favoráveis à qualificação do sistema de transporte coletivo e concorda que o ar-condicionado é importante, mas ressalta que a qualidade implica em custo. Segundo ele, se tivesse ocorrido a renovação de 8,3% da frota com veículos com ar-condicionado isso representaria R$ 0,08 a mais na tarifa. Se as empresas instalassem o equipamento em toda a frota já utilizada, custaria R$ 0,50 a mais. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 28-01-2019: Porto Alegre ou Forno Alegre? Calor intenso na capital. (CARLOS MACEDO/ AGÊNCIA RBS)
Sem ar-condicionado nos veículos, leques atenuam sensação de abafamentoFoto: Carlos Macedo / Agencia RBS

— Tem que ir dosando, de uma forma gradual, não dá para jogar R$ 0,50 numa tarifa, além dos custos que já sobem, como o salário dos funcionários — diz, lembrando também que as empresas têm investido em câmeras de monitoramento e sistema de reconhecimento facial.

Para Gustavo, o resgate de usuários e a qualificação do transporte público passam por três pilares: encontrar outras fontes de custeio para pagar pelos passageiros isentos, tirar o ônibus do congestionamento (com corredores exclusivos, por exemplo) e desonerar o setor de transporte público. 


Porcentagem da frota com ar-condicionado: 

  • Consórcio Mob: 157 ônibus com ar-condicionado (36,01% da frota) 
  • Consórcio Viva Sul: 146 ônibus com ar-condicionado (31,40% da frota) 
  • Consórcio Via Leste: 47 ônibus com ar-condicionado (25,27% da frota) 
  • Consórcio Mais: 50 ônibus com ar-condicionado (26,74% da frota) 
  • Carris: 189 ônibus com ar-condicionado (60% da frota) 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros