Prefeitura cobra plano de adequação à Vicasa e Metroplan - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Transporte em Canoas08/02/2019 | 17h31Atualizada em 08/02/2019 | 17h31

Prefeitura cobra plano de adequação à Vicasa e Metroplan

Empresa e agência reguladora têm até segunda-feira, 11, para apresentar soluções para reclamações de passageiros

Prefeitura cobra plano de adequação à Vicasa e Metroplan Lauro Alves/Agencia RBS
Vicasa reduziu horários nos finais de semana Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Desde fim de janeiro, moradores de Canoas que dependem do transporte coletivo metropolitano vivem um tormento com a escassez de ônibus. A redução de horários adotada pela Vicasa, responsável pelo transporte, impactou diretamente na vida de milhares de passageiros que utilizam os ônibus de segunda a sexta, mas, principalmente, nos fins de semana.

Os itinerários de sábado foram reduzidos e os de domingo cancelados (menos a linha do Mathias Velho). A empresa explica que a mudança vem em decorrência da queda de passageiros, que teria diminuído 7% em 2018. Para suprir a demanda, em acordo com a Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan), que regula o serviço, a Sogal, que faz o transporte coletivo urbano, foi acionada para fazer as integrações dos bairros ao metrô. A estratégia, no entanto, não tem atendido à demanda dos usuários.

Leia mais
Redução de horários entre Canoas e a Capital deixa passageiros da Vicasa indignados
Primeiro dia com redução de horários gera indignação em passageiros da Vicasa
Passageiros dos ônibus executivos da Vicasa reclamam da falta de horários

Apesar do serviço ser fiscalizado pelo Estado, o prefeito de Canoas, Luiz Carlos Busato, pediu, na sexta-feira, que os responsáveis pela operação do sistema encontrem uma solução. Na segunda-feira, a Vicasa e a Metroplan deverão apresentar um plano de adequações e prazos ao secretário municipal de Transportes e Mobilidade, Ademir Zanetti.

O chefe do setor operacional da Metroplan, Fábio Castillo, confirmou que haverá mudanças e novos alinhamentos. 

— Vamos flexibilizar um pouco o que foi feito até agora. Mas sabemos que a empresa enfrenta dificuldades e não tem fôlego para manter a circulação como estava. Implantamos este plano emergencial e provisório tentando que a Vicasa trabalhe com um custo menor e ganhe receita para poder cumprir os padrões esperados das viagens — explicou.

Na quinta-feira, vereadores de Canoas também estiveram reunidos com a Metroplan e a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do RS (Agergs), cobrando explicações. De acordo com a assessoria de imprensa da Câmara de Vereadores, a Metroplan sugeriu a criação de uma comissão de vereadores para acompanhar o tema. 

A prefeitura informou que entrará em operação um aplicativo para que o usuário possa controlar em tempo real os itinerários e horários dos ônibus. A novidade, porém, não tem data para iniciar. 

Passageiros indignados

Na tentativa de serem ouvidos, passageiros organizam um abaixo-assinado e seguem registrando reclamações na ouvidoria da Metroplan. Até que a situação melhore, procuram se virar como podem. O vigilante Geraldo Sami Oliveira da Cunha, 52 anos, morador da Guilherme Schell, no bairro Rio Branco, diz que o último ônibus Porto Alegre-bairro Harmonia, no sábado, sai da estação às 14h25min. Ele, que trabalha até as 19h, não tem como voltar para casa.

— Nas duas últimas semanas, eu tive que gastar R$ 20 com aplicativo, porque não tinha outra forma de vir. Encontrei alguns fiscais da Metroplan e fui conversar com eles. Me disseram que a Vicasa teria provado que, aos fins de semana, os ônibus vêm com poucos passageiros. Bom, mas a minha empresa paga apenas uma passagem de R$ 5,35 por dia, como eu faço? — questiona.

Geraldo faz esse percurso há sete anos e diz que, durante a semana, as linhas transitam lotadas.

— Os ônibus estão cheios, velhos e, em alguns, ainda tiraram o cobrador. O motorista tem que dirigir e pegar o dinheiro, tudo ao mesmo tempo — lamenta.

Para piorar o transtorno, a esposa Elis Regina Gomes, 52, que trabalha como cozinheira na Capital, também precisa se deslocar aos domingos. Com horários diferentes, o casal acaba gastando duas vezes com aplicativo.

— São R$ 40 que gastamos todos os fins de semana. Se estivesse tudo como antes, não gastaríamos nem metade disso — reforça Elis.

Leia mais notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros