Ruas sem luz causam medo em moradores de Porto Alegre  - Notícias

Vers?o mobile

 

Seu Problema é Nosso11/02/2019 | 09h10Atualizada em 11/02/2019 | 09h10

Ruas sem luz causam medo em moradores de Porto Alegre 

Para não ficarem sozinhos nos pontos em que o breu predomina, saída para pedestres tem sido andar em grupo

Ruas sem luz causam medo em moradores de Porto Alegre  Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Breu debaixo do viaduto Dona Leopoldina Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Todos os dias, às 5h45min, Raquel da Silveira, 40 anos, e dois amigos andam juntos até a parada da Avenida José Bonifácio, perto do Parque da Redenção, na Capital. Trabalhadores de um hospital na Zona Sul, o trio adotou a medida para enfrentar os poucos — mas temíveis — minutos até a chegada da linha T5. A insegurança de esperar o transporte naquele ponto se tornou maior recentemente, depois que os postes do entorno deixaram de iluminar a área. 

Leia mais
Poste é retirado de trecho de avenida, em Viamão, após de reportagem do Diário
Avenida inacabada complica acesso à praia, em Balneário Pinhal
Esgoto invade pátio de moradora da Vila Nova, em Porto Alegre  

— A gente tem até mais medo porque tem luz na parada, mas, ao redor, não. Dá para saber quem está aqui, mas nós não sabemos quem está vindo — conta Raquel. 

O problema é registrado em quase toda a extensão da José Bonifácio, entre as avenidas Osvaldo Aranha e João Pessoa. Moradora da região, a engenheira Juciele Zílio, 35 anos, afirma que o local está sem energia desde janeiro. Ela diz já ter ligado para a prefeitura, mas o problema continua. 

— Não sei o motivo de estar assim. Vizinhos já procuraram a prefeitura, e ninguém fez nada. Dá medo andar aqui — relata. 

Antes de amanhecer, a região é habitada principalmente por quem vive nas ruas. Pedestres evitam a área próxima ao parque e recorrem a avenidas mais iluminadas, como a Venâncio Aires. 

— No inverno, vai ficar pior. Tenho medo — conta a auxiliar de enfermagem Elisiane Correa, 47 anos. 

Escuridão que assusta também os alunos do Colégio Militar, bem no meio da quadra sem luz. 

— É bastante complicado, já que venho cedo trazer meu filho no Colégio Militar — conta o comerciante Anilton Cruz, 52 anos. 

Problema deve persistir até esta semana 

A prefeitura admite que houve um problema na rede de média tensão no quadrilátero próximo ao Auditório Araújo Vianna, afetando a região. Ainda segundo o Executivo, uma empresa especializada em consertos de alta complexidade já foi contratada e deve iniciar os reparos nesta semana. 

No outro extremo da Redenção, próximo à Faculdade de Direito da UFRGS, as faixas da Avenida Loureiro da Silva são iluminadas pelos sinais dos semáforos ou pelos faróis dos veículos. 

Sobre o contorno, uma sequência lateral de postes do viaduto Dona Leopoldina também vive do breu. O mesmo acontece na Mariante, sobre a Protásio Alves, no sentido ao Parcão. 

Nas rodovias, furtos de cabos e fios 

A falta de luz não atinge apenas a área Central, mas também rodovias federais na Capital. A BR-290, em ao menos dois trechos da freeway, também está às escuras, próximo à Arena do Grêmio e na alça de acesso à Ponte do Guaíba. Na BR- 448, o cenário se repete. 

 PORTO ALEGRE,RS,BRASIL.2019-02-07.Porto Alegre,as escuras,motivado por roubos de cabos elétricos, da rede publica de iluminação.Na foto.Free Way próximo a Arena do Grêmio.(RONALDO BERNARDI/AGENCIA RBS).
Perto da Arena, escuridão contrasta com iluminação do estádio e de via paralelasFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Diferentemente do registrado dentro da cidade, o problema nas estradas é recorrente: furto de cabos. Substituto da Delegacia de Repressão aos Crimes contra Concessionários e Delegatarios de Serviços Públicos do Deic, o delegado Marcus Vinicius Viafore afirma que há operações específicas para combater as ações criminosas. Até hoje, 39 pessoas foram presas em 262 locais que revendiam os materiais furtados. O delegado estima que cada quilo de fio de cobre furtado seja vendido por R$ 17. 

Procurada, a Secretaria de Serviços Urbanos afirmou que os demais casos relatados serão analisados pelos técnicos da Coordenadoria de Iluminação Pública para determinar se são de atribuição do município.

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros