Estudante gaúcho surdo batalha para ter um intérprete nas aulas da Universidade Federal de Santa Catarina  - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Luta por inclusão26/04/2019 | 07h52Atualizada em 26/04/2019 | 09h11

Estudante gaúcho surdo batalha para ter um intérprete nas aulas da Universidade Federal de Santa Catarina 

 Aluno já recorreu à ouvidoria da instituição e ao Ministério Público Federal, mas o problema ainda não foi solucionado

Estudante gaúcho surdo batalha para ter um intérprete nas aulas da Universidade Federal de Santa Catarina  Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Guilherme depende de um profissional para auxiliá-lo a entender os conteúdos expostos pelos professores Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Aos 20 anos, Guilherme Rodrigues Andariola está realizando um sonho – mas pela metade. Aprovado para Ciências da Computação na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o estudante, natural de Giruá, no Rio Grande do Sul, é surdo profundo de nascença e, desde o início do semestre, não conta com um tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras) em sala de aula. Como não usa aparelho auditivo nem sabe fazer leitura labial, Guilherme depende de um profissional para auxiliá-lo a entender os conteúdos expostos pelos professores, direito garantido por lei. O aluno já recorreu à ouvidoria da universidade e ao Ministério Público Federal, mas o problema ainda não foi solucionado. 

Já são quase dois meses em que o graduando, único surdo em uma turma de ouvintes, tenta driblar a deficiência para não ficar para trás nas disciplinas em que está matriculado – do total de cinco, ele relata não estar conseguindo acompanhar três. Como não entende o que os docentes ou os colegas falam, recorre a livros e a vídeos no YouTube. Nas outras duas cadeiras, que são práticas, vem se saindo melhor. Guilherme conversou com GaúchaZH via WhatsApp, por escrito – a língua portuguesa é como se fosse seu segundo idioma, além de Libras. O jovem enfrenta dificuldades para se expressar em alguns momentos, mas seu discurso é compreensível.  

— Se eu tenho dúvida sobre os exercícios, chamo um professor, e aí ele escreve para mim — conta o estudante, que está morando com parentes em Florianópolis. — Só estou preocupado nas provas. Um professor vai refazer uma prova para mim. Só está esperando ter intérprete. 

Leia mais:
De 257 escolas, 236 têm fila de espera para Educação Infantil em Porto Alegre
Com risco de ruir, muro de colégio gera preocupação em Canoas
Lutador de caratê busca patrocínio para participar de campeonatos  

Em Giruá, onde Guilherme vivia até se mudar para o Estado vizinho, a família está preocupada – especialmente a mãe, Seniria de Fatima Rodrigues Andariola, 47 anos, que chora muito, imaginando as dificuldades do segundo de seus três filhos. No Ensino Fundamental, o garoto frequentou uma escola para surdos e, no Ensino Médio, contava com tradutor/intérprete em uma instituição regular. Ele poderia ter tentado o curso superior que desejava no campus de Santa Rosa do Instituto Federal Farroupilha (IFF), mas seu desejo era a UFSC, onde ingressou por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). 

— A gente ficou feliz e triste porque era longe, mas era o que ele queria — afirma Seniria, que mantém uma microempresa de refrigeração com o marido. 

Na matrícula, conforme requerimento da universidade, a irmã mais velha de Guilherme, a bacharel em Direito Bruna Andariola, 24 anos, apresentou atestado e laudo assinados por especialistas, confirmando o quadro de saúde do novo ingressante – as consultas, ao custo de cerca de R$ 300, foram realizadas na rede privada, para que os prazos fossem cumpridos a tempo, e obrigaram a família a despender uma fatia importante do orçamento doméstico. Quando as dificuldades se apresentaram, já com as aulas em andamento, Seniria procurou a coordenação da faculdade e até o reitor. 

— Meu Deus. Quase perdi o chão. Estou me sentindo péssima, impotente. Tudo o que ele quis ele sempre conseguiu, mas agora é uma barreira muito grande — desabafa a mãe. 

No feriadão de Páscoa, Guilherme viajou a Giruá. Seniria acreditava que o filho desistiria da empreitada até aqui não muito bem-sucedida e permaneceria na cidade natal.

— Não posso desistir do meu sonho. Faço isso também pela comunidade surda — justifica o universitário. — É absurdo e irresponsável que não tenham intérprete. 

De acordo com a família Andariola, a UFSC alegou que Guilherme é o primeiro aluno surdo de Ciências da Computação, e que não há um profissional versado no vocabulário específico da área que possa ampará-lo. Quanto à reclamação encaminhada à ouvidoria da UFSC, a instituição respondeu, em 9 de abril, que "considerando as demandas de tradução e interpretação de Libras/Português desta universidade, reafirmamos a impossibilidade de atendimento a essa disciplina e reiteramos a solicitação de contratação de mais profissionais tradutores e intérpretes como uma solução para essa questão". 

Inconformado, Guilherme procurou o Ministério Público Federal (MPF) no dia 12 deste mês. A solicitação do estudante chegou às mãos do procurador da República em Santa Catarina, Marcelo da Mota. Quatro dias depois, o procurador oficiou o reitor da UFSC, Ubaldo Cesar Balthazar, a responder até 2 de maio sobre a disponibilidade de um tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras) em sala de aula. Em caso de não cumprimento do prazo, o MPF pode, entre outras ações, ingressar com uma ação civil pública contra a universidade.

"É uma situação totalmente incomum", diz universidade

Procurada por GaúchaZH, a UFSC respondeu, por meio do chefe de gabinete do reitor, Aureo de Moraes, que reconhece a situação e está tentando resolvê-la. Segundo Moraes, a universidade tem apenas 12 tradutores e intérpretes contratados que precisam atender as turmas do curso de Letras/Libras, as formaturas e outras situações particulares dentro da instituição, como acompanhar um estudante surdo numa consulta médica. Para atender a nova demanda, a UFSC abriu uma licitação no final do ano passado que pretende contratar uma empresa prestadora deste tipo de serviço. A licitação está em andamento e tem previsão de ser finalizada ainda neste semestre. 

— Não estamos ignorando o direito do aluno, mas é uma situação totalmente incomum. Não tínhamos profissionais disponíveis em outros cursos porque não existia esta demanda por eles — justifica o chefe de gabinete. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros