Alagamentos geram prejuízos a moradores do bairro Rubem Berta, na Capital - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso16/05/2019 | 09h40Atualizada em 21/05/2019 | 19h26

Alagamentos geram prejuízos a moradores do bairro Rubem Berta, na Capital

Há três anos, a família do técnico em enfermagem Gabriel da Silva, 42 anos, convive com a água acumulada no pátio quando chove. A SMSUrb atribui o problema ao Arroio Feijó, que está obstruído

Alagamentos geram prejuízos a moradores do bairro Rubem Berta, na Capital arquivo pessoal/arquivo pessoal
Pátio fica cheio a cada chuva Foto: arquivo pessoal / arquivo pessoal

Há três anos, a rotina na casa da família do técnico em enfermagem Gabriel da Silva, 42 anos, mudou. Foi quando a residência, na Rua Ovídio de Moraes Leal, bairro Rubem Berta, em Porto Alegre, começou a sofrer com alagamentos no terreno. O problema acontece em dias de chuva e tem relação com a caixa de esgoto, localizada nos fundos do pátio, que enche e transborda, provocando acúmulo de água residual. 

Leia mais
Buracos e mato alto causam incômodo no bairro Salgado Filho, em Gravataí
Moradores da zona norte de Porto Alegre adotam praça
Escola de Sapucaia do Sul pede apoio para construir um galpão 

Em fevereiro de 2016, Gabriel contratou uma empresa particular para verificar a situação. Segundo ele, os profissionais constataram que o problema não estava relacionado ao seu esgoto residencial, mas à boca de lobo da Rua Procópio Ferreira, esquina de seu endereço, que liga as redes particulares de todo o quadrante. Ao custo de R$ 700, pagos pelo morador, a desentupidora contratada realizou o hidrojateamento na boca de lobo da rua vizinha, procedimento que visa desobstruir as tubulações por meio de um jato de água. Entretanto, o acúmulo voltou a acontecer depois de algum tempo. 

— Toda vez que chove, acontece isso. Chove um pouquinho, o pátio já alaga até o meio. Da última chuva, a água do esgoto ainda está parada aqui. Como está entupido, não escoa e fica por dias — relata. 

Investigação 

Foi aí que a família decidiu recorrer à prefeitura para resolver a questão. Com protocolos registrados no Fala Porto Alegre desde 2017, alguns serviços chegaram a ser realizados, mas a solução nunca foi definitiva: 

— Quando eles limpam lá na Procópio Ferreira, a água baixa aqui em casa. Só que passa uma hora e volta tudo de novo. 

O morador acredita que isso aconteça porque o foco do problema está em algum ponto específico da rede de tubulações, que cruza a quadra passando por baixo dos terrenos, e não na boca de lobo. 

Deste modo, julga necessária uma investigação mais aprofundada, a fim de identificar a origem dos alagamentos. Entretanto, afirma que ela ainda não foi feita pela prefeitura: 

— Já questionei as equipes que vêm aqui, mas afirmam que não podem mexer nas tubulações que passam por residências. Aí, a questão continua. 

Família chateada

Gabriel vive desde que nasceu na casa do bairro Rubem Berta. O técnico em enfermagem mora com os pais, Dejama da Silva, 85 anos, e Terezina da Silva, 82. Hoje, a família se sente desgostosa com a situação do lugar em que vive há tanto tempo. 

— A gente paga IPTU e não vê retorno disso, estamos há três anos tentando resolver a mesma questão. Meus pais são idosos. Tenho medo de que um dia caiam e se machuquem, porque o pátio fica embarrado e oferece risco — desabafa, afirmando que a rotina de alagamentos tem causado prejuízos. 

As paredes estão descascando por conta da umidade, e o pátio se tornou local atrativo para mosquitos e demais insetos, além do mau cheiro, conta o morador. Segundo ele, outros vizinhos também são afetados. Gabriel relata, ainda, que até o surgimento do problema, em 2016, nenhum incômodo semelhante havia acontecido no local. 

Solução passa pelo Arroio Feijó 

A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb) informou que foram realizados diversos serviços de limpeza nas bocas de lobo e redes pluviais. Entretanto, a pasta alega que “as águas das chuvas são encaminhadas ao Arroio Feijó, que está assoreado (obstruído)”, atribuindo a persistência dos alagamentos a esta situação. Segundo a SMSUrb, a responsabilidade sobre a dragagem do arroio, que fica no limite entre Porto Alegre, Viamão e Alvorada, é do Estado. 

A Secretaria Estadual de Obras e Habitação (SOP) afirmou que empresta, desde 2015, uma escavadeira hidráulica a Alvorada para limpeza. A pasta acrescenta que os municípios que desejarem solicitar o maquinário precisam protocolar junto à SOP. Contudo, não foi citada nenhuma ação relativa ao córrego na Capital. 

A SOP destaca, ainda, que a Metroplan está realizando levantamentos relativos ao Plano de Prevenção Contra Cheias, que nortearão o Estado sobre as ações a serem tomadas. 

Produção: Camila Bengo

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros