"É a realização de um sonho", diz 1ª Prenda do Estado sobre a conquista da faixa - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Piquetchê do DG27/05/2019 | 07h00Atualizada em 28/05/2019 | 14h32

"É a realização de um sonho", diz 1ª Prenda do Estado sobre a conquista da faixa

Gabriela Sarturi Rigão levou a faixa na Ciranda de Prendas, realizada em Lajeado entre os dias 17 e 19 de maio

"É a realização de um sonho", diz 1ª Prenda do Estado sobre a conquista da faixa Isadora Neumann/Agencia RBS
Gabriela é de Santa Maria Foto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Representar todos os gaúchos e fazer um trabalho com significado para ela e para outras pessoas: este é o objetivo de Gabriela Sarturi Rigão, 24 anos completados ontem, para o seu período com 1ª Prenda do Estado na categoria adulta. Ela foi escolhida na Ciranda Cultural de Prendas, realizada em Lajeado, entre os dias 17 e 19 de maio, quando representou o DTG Noel Guarany, ligado à Universidade Federal de Santa Maria. 

Atualmente, Gabriela cursa o nono semestre de Psicologia. A relação com o tradicionalismo vem desde a infância.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

– Nasci em família campeira, morávamos na zona rural. Quando passamos a viver na cidade, comecei a frequentar CTGs. Meu primeiro contato foi no CPF Piá do Sul, onde minha irmã e primas dançavam, mas eu, ainda pequena, só assistia – conta.

Com 12 anos, Gabriela começou a participar de cavalgadas. Aos 14, foi convidada para ser prenda juvenil da entidade:

– Nesta época, minha irmã (Fernanda) era prenda adulta do Piá do Sul. Descobri o amor pelo Departamento Cultural e, desde então, sigo nesta área, em várias funções.

Maratona

A primeira experiência na Ciranda de Prendas foi em 2012, na categoria juvenil, quando Gabriela ficou em 6º lugar. Em 2014, passou a frequentar o Noel Guarany. Em 2017, veio o convite para participar do concurso mais uma vez, já na categoria adulta. O primeiro passo foi a etapa regional. Depois, veio a preparação intensa para a estadual.

– A vida de prenda exige muito tempo, muito estudo, principalmente perto dos concursos. É preciso encarar com seriedade. Além disso, faço faculdade, estou fazendo o trabalho de conclusão de curso, estágio. Ainda tem família, amigos, namorado. É inegável que foi cansativo, mas deu certo – diz ela, que encara o lado positivo de tanta correria:

– Organizar tudo e conciliar horários exige disciplina, mas também é um aprendizado. É algo que levo comigo dentro e fora do CTG. 

Leia também
Conheça o estudante escolhido como Peão Farroupilha do RS
Bagual Chefe: CTG de Venâncio Aires promove concurso de culinária
Família de Gildo de Freitas quer ajuda dos fãs para celebrar centenário do artista

Entre as exigências para participar da Ciranda está que a prenda realize atividades com a comunidade antes do evento. No concurso, ela também precisa fazer uma apresentação chamada Mostra Folclórica, sobre um tema proposto previamente, além de mostrar suas habilidades artísticas – Gabriela escolheu declamar –, de dança e da prova escrita. Em cada etapa, a nova 1ª Prenda buscou trabalhar com algo que a motivasse.

– Junto com outras prendas da 13ª Região Tradicionalista, desenvolvi um evento de valorização da mulher no tradicionalismo, por exemplo. Unimos mulheres que participam de atividades artísticas e outras que fazem parte de atividades campeiras, pois percebíamos que há este distanciamento. Concluímos que todas precisam ser fortalecidas – conta ela.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 24/05/2019: As prendas, da mais velha para a mais novaGabriela Sarturi RigãoIsabella Nunes da SilvaRafaela Prietsch dos SantosIndexador: ISADORA NEUMANN
Com Isabella e Rafaela, prendas juvenil e mirim, respectivamenteFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Gestão conjunta

Representar o tradicionalismo é uma responsabilidade que Gabriela encara com seriedade, mas sem deixar de lado a ternura que aplica em todas as áreas de sua vida.

– É a realização de um sonho, e tenho olhado com muito carinho e respeito para esta responsabilidade. Quero seguir com o meu propósito de ter empatia e de encarar a realidade em que a gente vive de forma humana, com um olhar atencioso para o outro – diz.

As gestões das prendas e dos peões, escolhidos em abril, devem trabalhar juntos ao longo do ano.

– Ainda vamos nos reunir para traçar planos concretos, mas queremos, por meio das nossas particularidades, representar a pluralidade e a diversidade do povo gaúcho.

As vencedoras

Categoria Adulta (entre 18 e 27 anos)

/// 1ª: Gabriela Sarturi Rigão (DTG Noel Guarany, Santa Maria)

/// 2ª: Alessandra Hoppen (CTG Unidos pela Tradição Rio-Grandense, Carazinho)

/// 3ª: Juliene da Silva Carvalho (PL Timbaúva, Portão)

Categoria Juvenil (entre 13 e 17 anos)

/// 1ª: Isabella Nunes da Silva (CTG Estância da Serra, Osório)

/// 2ª: Taila Bergamin Kemerich (CTG Pousada dos Carreteiros, Cotiporã)

/// 3ª: Gabriely Portela Ramos (CTG Sentinela do Pago, Marau)

Categoria Mirim (entre 10 e 12 anos)

/// 1ª: Rafaela Prietsch dos Santos (CTG Mate Amargo, Rio Grande)

/// 2ª: Amanda Bissani Tonial (Rincão da Roça Reúna, Cotiporã)

/// 3ª: Yasmim dos Santos Ribas (CTG Mata Nativa, Canoas)

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros