Ação chamada de limpeza por secretário, corte de árvores gera polêmica em Guaíba - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Meio ambiente10/08/2019 | 05h01Atualizada em 11/08/2019 | 16h22

Ação chamada de limpeza por secretário, corte de árvores gera polêmica em Guaíba

Moradores e especialistas contestam a retirada de plantas antigas para o plantio de mudas, enquanto prefeitura diz que tudo é feio com licença ambiental

Ação chamada de limpeza por secretário, corte de árvores gera polêmica em Guaíba Mateus Bruxel/Agencia RBS
À beira do canal, na Avenida Perimetral, plantas foram retiradas com a justificativa de limpeza Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

O corte de árvores em áreas públicas de Guaíba tem gerado controvérsia entre ambientalistas, moradores e a prefeitura. À frente da secretaria de Agricultura e Meio Ambiente desde 2017, Selito Carboni tem coordenado alterações na arborização da cidade, uma ação classificada pelo próprio como “limpeza urbana”. A iniciativa consiste em substituir árvores antigas, que apresentam problemas, por novas mudas. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Porém, a forma como vem sendo executada a supressão das plantas tem sido contestada pela Associação Amigos do Meio Ambiente (Ama) e por integrantes do Conselho Municipal de Meio Ambiente. As duas entidades, formadas por técnicos e especialistas da área, reclamam da falta de critérios e acusam a prefeitura de fazer um corte desordenado da área verde.

Na Avenida Perimetral, no bairro Engenho, onde fica o conduto da Celupa – um canal que levava água para as caldeiras da antiga fábrica de papel a Celupa –, o cenário mudou há cerca de um mês. A prefeitura retirou diversas árvores em toda extensão da via e replantou mudas.Segundo o engenheiro agrônomo e integrante da direção da Ama, Bolívar Leão, foram suprimidas do local árvores sadias, nativas e que cumpriam um papel ecológico. A extração vai gerar consequências na fauna local e na erosão do solo:

– Eram diferentes espécies que faziam parte de toda uma cadeia que estava equilibrada e, agora, está alterada. Queremos saber os critérios dessa intervenção. As árvores que foram introduzidas atendem aos critérios do bioma da cidade? Não há um regramento técnico. Estamos vendo uma intervenção arrasa-quarteirão. 

GUAÍBA, RS, BRASIL, 04-08-2019: Integrantes da AMA Solange Klein e Simone Steigleder (de pé) e Aline Stolz e Flavio Klein (agachados) ao lado do canal Celupa, onde diversas árvores foram cortadas. Integrantes da Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) e moradores de Guaíba reclamam do excessivo corte de árvores na cidade promovido pela secretaria municipal de Meio Ambiente. Nas ações do poder público, que ocorreriam sem consultoria técnica, segundo a entidade, foram derrubadas até mesmo árvores antigas, com justificativa de limpeza urbana. Em compensação, a prefeitura planta gerivás e ipês. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Integrantes do Conselho de Meio Ambiente questionam açõesFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Sem embasamento

Moradora da Avenida Perimetral há 25 anos, a comerciante Ceni Webber, 61 anos, se decepcionou com a mudança e chegou a questionar a prefeitura no momento do corte:

– Minha rua era linda, um verde maravilhoso. Para que cortar se vão plantar de novo? Não faz sentido. Até os pássaros foram embora porque não têm mais onde pousar. Antes, eu ia trabalhar andando pela sombra, agora, não tem. Dá uma tristeza ver isso.

Até os pássaros foram embora porque não têm mais onde pousar. Antes, eu ia trabalhar andando pela sombra, agora, não tem. Dá uma tristeza ver isso.

CENI WEBBER

Moradora da Avenida Perimetral

O secretário afirma que a intervenção nesse ponto foi feita com licença ambiental. Ele reforça que o objetivo era limpar o canal. Também argumenta que outras 160 árvores foram replantadas no local. Ao todo, foram compradas 1,5 mil mudas de um viveiro de Pareci Novo por meio de compensação ambiental. A reportagem esteve no local no domingo passado e constatou que o canal segue sujo. O secretário argumenta que a limpeza não terminou.

Bióloga, coordenadora administrativa do Ama e também integrante do Conselho Municipal de Meio Ambiente, Solange Klein, 60 anos, cobra um plano de manejo para os cortes:

GUAÍBA, RS, BRASIL, 04-08-2019: Ceni Webber, 61 anos, lamenta corte de árvores no canal Celupa. Integrantes da Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) e moradores de Guaíba reclamam do excessivo corte de árvores na cidade promovido pela secretaria municipal de Meio Ambiente. Nas ações do poder público, que ocorreriam sem consultoria técnica, segundo a entidade, foram derrubadas até mesmo árvores antigas, com justificativa de limpeza urbana. Em compensação, a prefeitura planta gerivás e ipês. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Dona Ceni lamenta a mudança em sua ruaFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

– Estão substituindo a vegetação nativa que existia por uma monocultura de jerivá. A identidade visual da natureza está sendo alterada sem respeitar a diversidade. 

O engenheiro agrônomo e assistente técnico da Secretaria Estadual de Meio Ambiente Tulio Carvalho, também morador de Guaíba, acredita que há necessidade de manejo na arborização, mas defende que as ações devem ser feitas com justificativas técnicas. 

– O próprio órgão licenciador descumpre a legislação ambiental. Guaíba não tem gestão ambiental.

Terreno ao lado da secretaria ficou “pelado” 

Os moradores também foram surpreendidos com o corte de árvores em um terreno ao lado do prédio onde fica a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, na Rua Santa Catarina. A área abrigava a antiga usina de asfalto e, segundo o secretário, é de um proprietário privado. No local, será erguido um prédio comercial. Selito afirma que a licença para o corte destas árvores foi aprovada na gestão anterior mas que, se necessário, ele também teria aprovado. 

Leia também
Três obras paradas deixam mais de 500 crianças sem creche na Capital e em Guaíba
Em bairro de Guaíba, moradores dividem espaço com jacarés
"Nada é feito na mão grande", diz secretário de Meio Ambiente de Guaíba

A vizinhança discorda da posição de Selito. Militar da reserva e morador da local há 30 anos, Luiz Carlos da Silva, 66 anos, não entende por que o corte das árvores foi tão radical. A área, que era fechada pelo verde, hoje está completamente vazia:

– Retiraram árvores que já estavam aqui quando cheguei: goiabeira, ameixeira, Ipê, Angico... Era uma pequena mata que tínhamos na frente de casa, uma sombra maravilhosa. Um minipulmão da cidade. Tudo aconteceu sem nenhum órgão de fiscalização se manifestar, ninguém viu. Não nos deram nenhuma explicação, simplesmente sumiram com as árvores – afirma. 

GUAÍBA, RS, BRASIL, 04-08-2019: Integrantes da Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) e moradores de Guaíba reclamam do excessivo corte de árvores na cidade promovido pela secretaria municipal de Meio Ambiente. Nas ações do poder público, que ocorreriam sem consultoria técnica, segundo a entidade, foram derrubadas até mesmo árvores antigas, com justificativa de limpeza urbana. Em compensação, a prefeitura planta gerivás e ipês. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Situação em terreno que fica perto da Secretaria de Meio AmbienteFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

A doméstica Eunice Ferreira Gonçalves, 63 anos, conta que se entristeceu ao ver a paisagem na frente de casa ser transformada:

– Simplesmente acordei em um domingo e tinha uma motosserra derrubando as árvores. Cheguei a chorar quando vi todas caídas no chão. Foi muito triste. 

Frutíferas

O empresário Pedro Narciso, 58 anos, gravou um vídeo que viralizou nas redes sociais e em grupos de aplicativo de conversa onde ele reclama que a prefeitura cortou as mais de 20 árvores frutíferas plantadas por ele e outros vizinhos no canteiro da Rua Ivo Lessa da Silveira, no Bairro Chácara das Paineiras. Na segunda-feira, ele levou a reclamação ao secretário:

GUAÍBA, RS, BRASIL, 04-08-2019: Luiz Carlos da Silva (E), 66 anos, e a esposa Ana Maria Souza de Abreu, 40, em frente de casa, onde diversas árvores foram derrubadas. Integrantes da Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) e moradores de Guaíba reclamam do excessivo corte de árvores na cidade promovido pela secretaria municipal de Meio Ambiente. Nas ações do poder público, que ocorreriam sem consultoria técnica, segundo a entidade, foram derrubadas até mesmo árvores antigas, com justificativa de limpeza urbana. Em compensação, a prefeitura planta gerivás e ipês. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Onde antes havia sombra, agora há apenas troncos, reclamam moradoresFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

– Plantamos árvores que não iriam crescer a ponto de atingir a rede elétrica. Esse corte foi pura ignorância. Tu trabalhas para a comunidade, para deixar tudo bonito. Quem passava na minha rua elogiava. Aí, a prefeitura chega aqui e corta, sem estudo, sem autorização. Vimos uma máquina passando por cima de todo nosso trabalho. 

Prefeito fala em limpeza na arborização

Em um vídeo publicado no Facebook da prefeitura de Guaíba em 10 de julho, o prefeito José Sperotto justifica a retirada de árvores e afirma que está fazendo uma limpeza na arborização: 

“A limpeza que viemos fazendo na nossa cidade não é só na questão do lixo, mas também na arborização, que envelheceu, que está ‘enfeiando’ nossa cidade. Por isso que vamos fazer uma retomada de arborização.”

Para Selito, que é pecuarista e agricultor e ocupa cargo público pela primeira vez, é normal que haja resistência da população diante de mudanças:

– Guaíba ficou atirada por muito tempo, tinha lixo por tudo. Hoje, a cidade é limpa. Primeiro tiramos o lixo da cidade e agora estamos numa segunda etapa, que é padronizando as árvores avenida por avenida. Plantar um tipo de árvore só por avenida – explica ele.

Desrespeito a norma de bens tombados  

O corte de um eucalipto-cheiroso localizado na praça da Igreja Nossa Senhora do Livramento desrespeitou uma portaria da Secretaria Estadual da Cultura. 

A árvore estava dentro do perímetro urbano da Casa de Gomes Jardim – imóvel tombado pelo Estado. Segundo a norma, a intervenção em bens naturais no entorno de imóveis tombados deve ter aprovação prévia do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae) e do órgão de proteção ambiental competente.

GUAÍBA, RS, BRASIL, 04-08-2019: O que sobrou de eucalipto antigo derrubado pela secretaria de Meio Ambiente. Integrantes da Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA) e moradores de Guaíba reclamam do excessivo corte de árvores na cidade promovido pela secretaria municipal de Meio Ambiente. Nas ações do poder público, que ocorreriam sem consultoria técnica, segundo a entidade, foram derrubadas até mesmo árvores antigas, com justificativa de limpeza urbana. Em compensação, a prefeitura planta gerivás e ipês. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)
Prefeitura avisou Iphae só depois de cortar eucalipto Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Um documento emitido pelo Iphae informa que a prefeitura não cumpriu a determinação, só informando a supressão depois que ela ocorreu. O órgão solicitou à prefeitura que faça levantamento histórico da planta e a encaminhe ao Iphae.

Técnicos da Ama ouvidos pela reportagem afirmam que a comunidade tinha vínculos culturais e históricos com a árvore. O secretário, por sua vez, afirma que a supressão ocorreu devido a reclamações de moradores por risco de queda de galhos. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros