Escola estadual de Viamão está há três meses sem professor - Notícias

Versão mobile

 
 

Ensino médio21/08/2019 | 05h02Atualizada em 21/08/2019 | 05h02

Escola estadual de Viamão está há três meses sem professor

Estudantes do 3° ano do Ensino Médio de escola estadual Professor Tolentino Maia, de Viamão, estão há três meses sem aulas de português. Uma turma também não tem aulas de química

Escola estadual de Viamão está há três meses sem professor Omar Freitas / Agência RBS/Agência RBS
Pelo menos duas vezes por semana, estudantes das turmas 301 e 302 são liberados mais cedo Foto: Omar Freitas / Agência RBS / Agência RBS

Alunos do 3° ano da Escola Estadual de Ensino Médio Professor Tolentino Maia, de Viamão, que se preparam para fazer vestibular e as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), não têm aulas de uma das uma disciplinas mais importantes do currículo: há três meses, estão sem professor de português. Em maio, a docente torceu o pé na escola. Desde então, está de licença saúde e sua vaga não foi preenchida.

Leia mais
Falta de professor de matemática prejudica cerca de 500 alunos em escola da Capital
Obras dos Centros da Juventude estão atrasadas
Alunos aprendem sobre meio ambiente e sustentabilidade por meio do trabalho em hortas 

Pelo menos duas vezes por semana, estudantes das turmas 301 e 302 são liberados mais cedo. No caso da 301, que também tem falta de professores de química — os alunos contam que só tiveram duas aulas da disciplina este ano — saem antes do horário na segunda, quarta e quinta. 

Para o diretor Glênio Andrade, é uma frustração não ter como oferecer aulas de português para alunos que não terão a chance de recuperar esse conteúdo no ano seguinte. A formatura das turmas está marcada para a metade de dezembro:

— A pergunta que eu me faço é como vamos recuperar isso. Me preocupo com o futuro desses jovens, que vão se formar sem uma disciplina que é muito importante. A exigência que eles terão daqui para frente só vai aumentar, e o português, nesse contexto, é muito importante.

Prejudicados

Quatro jovens ouvidos pela reportagem dizem que se sentem prejudicados por estarem sem docente justo nesse momento. O estudante Eduardo de Oliveira, 18 anos, conta que a deficiência na disciplina não é de hoje. No 1° ano do Ensino Médio, também houve falta de professor da disciplina por vários meses.  

— Português ajuda na interpretação de problemas de matemática, na interpretação de provas. É difícil se preparar para o Enem sem isso. A gente precisa saber o básico para interpretar uma questão — avalia Eduardo.

Sem português na escola, Fernanda Freitas, 18 anos, se prepara para a prova assistindo aulas no Youtube e fazendo provas antigas do Enem, mas já admite que este ano fará a prova apenas para "teste", pois estará mal preparada:

— O Enem está aí, e é 100% leitura e interpretação de texto, além da redação. Com que condições vamos fazer essa prova? A escola está nos tirando um direito nosso. O Estado não manda professor para aprendermos o básico. 

Tulio (E), Thaynná, Fernanda e Eduardo são alguns dos alunos prejudicadosFoto: Omar Freitas / Agência RBS

Fernanda acredita que, para concretizar seu desejo de estudar Direito ou Psicologia, terá que fazer um cursinho ao longo do próximo ano.

Tulio Borba Aguir, 18 anos, diz que a falta de preparo faz com que ele também não leve o Enem deste ano a sério.  Assim como os demais colegas, ele planeja arrumar um emprego para pagar um cursinho e investir na preparação Enem do ano que vem:

— Eu tenho dificuldade na redação, meu texto precisa de muita correção. Alguns erros que, na hora em que eu escrevo, não me dou conta. Preciso de um professor para me ajudar.

"Sozinho, fica difícil"

Se na escola não aprende sequer o que está no currículo, Eduardo de Oliveira, 18 anos, que estuda e trabalha como cartorista, admite que não tem ânimo para estudar para o Enem. O jovem pretende cursar Economia:

— Tento me manter informado das notícias para ir bem na redação, ter argumentação. Mas, ainda assim, é preciso de um professor para nos ajudar a organizar nossas ideias. Sozinho é difícil de fazer.

Com desejo de cursar Marketing, Thaynná Schiratski, 18 anos, afirma que se sente vulnerável e em desvantagem em relação a outros estudantes. Para ela, português é fundamental, inclusive, para que eles possam se comunicar bem em uma entrevista de emprego. 

— Se eu for para o Enem só com o preparo que tenho da escola, não vou tirar uma nota boa. Também tenho dificuldade em redação — diz.

Fernanda resume um pouco da frustração de todo grupo:

— A gente começa o 3° ano cheio de expectativas, pensando no futuro, e não temos nem professor de português. É um desleixo com a gente. 

Problema deve ser solucionado em breve

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) informa que a escola solicitou à 28ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) apenas o preenchimento de aulas de português para o turno da tarde. Situação que, segundo a Seduc, já foi atendida. Ontem, ao ser informada pela reportagem, a Seduc indicou quatro docentes à escola para suprir as 20 horas restantes do turno da manhã. De acordo com a secretaria, está aguardando a aprovação da diretoria para enviar o profissional. 

Já a direção da escola afirma que pediu professor de português para suprir as aulas da manhã e da tarde na mesma solicitação. Também informa que a professora de português indicada para dar aulas à tarde não apareceu na escola no mês de agosto. Quanto à disciplina de química, a Seduc informa que a educadora responsável pediu dispensa da contratação no dia 12 de agosto. Já foi encaminhado um novo contrato temporário, e a previsão para a chegada do profissional à sala de aula é de até 20 dias.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros