Paciente em hemodiálise pede apoio de transporte municipal até o hospital  - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso28/08/2019 | 09h36

Paciente em hemodiálise pede apoio de transporte municipal até o hospital 

Morador do interior de Viamão, com cateter no pescoço, tem se deslocado até a Santa Casa, em Porto Alegre, por meio de transporte público

Paciente em hemodiálise pede apoio de transporte municipal até o hospital  Tadeu Vilani/Agencia RBS
Edson se desloca de ônibus até a Santa Casa para hemodiálise Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Morador do interior de Viamão, o servente de obras desempregado Edson Abreu da Silva, 42 anos, enfrenta dificuldades todas as vezes que necessita ir para hemodiálise — procedimento em que uma máquina limpa e filtra o sangue, isto é, faz o trabalho que o rim debilitado não consegue fazer. 

LEIA MAIS
Após um ano e meio de espera por cirurgia, Helena recupera a visão
Do Porto Seco para o México: judoca precisa de ajuda para participar de campeonato
Arroio de Cachoeirinha recebe limpeza, mas resíduos são deixados às margens 

Segundo Edson, a insuficiência renal que o levou à hemodiálise foi causada pelo agravamento de um quadro de pedra nos rins. Atualmente, ele está na lista de espera para transplante renal. 

Viagem longa 

Desde o dia 24 de julho, depois de passar mal, Edson tem feito hemodiálise três vezes por semana na Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre. Contudo, o deslocamento de cerca de 70 quilômetros é por meio de ônibus intermunicipais, que passam pela RS-040, próximo à Parada 110, na localidade de Boa Vista. A viagem leva quase duas horas. Ele afirma que, se tivesse o apoio do município, com um carro para conduzi-lo, o trajeto não seria tão penoso. 

A prefeitura paga pelas passagens, fazendo depósito no cartão TEU. Entretanto, Edson teria que pegar dois ônibus: um até o centro de Viamão e outro para a Capital. Ele, porém, prefere pegar um direto para Porto Alegre, que sai de Palmares do Sul e que não é coberto pelo uso do TEU. 

— Fiz a documentação solicitando transporte da prefeitura, com o laudo médico pedindo urgência, mas faz quase um mês e ainda não conseguiram um veículo para me levar até o hospital. Dizem (a prefeitura) que é porque moro muito longe — explica Edson. 

Há cinco anos, ele faz tratamento na Santa Casa em função o problema nos rins. Antes, quando morava em outro endereço, tinha o transporte municipal. Agora, em uma situação mais grave, não tem podido contar com o serviço. 

Outros obstáculos

Para a realização da hemodiálise, foi colocado um cateter, que é um tubo, em uma veia no pescoço — uma opção temporária antes da colocação da fístula arteriovenosa, que dá acesso permanente para hemodiálise. Tal fator agrava a situação de quem tem que se deslocar de transporte público. 

Seu Problema é Nosso , spn , Viamão , Edson Abreu Silva , 42 anos, hemodiálise, pedra nos rins, Santa Casa, transporte
Cateter no pescoço atrapalha a rotinaFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

— O cateter no pescoço incomoda bastante. É uma agulha com tubos. Atrapalha na rotina e também quando vou dormir — conta Edson. 

Entre tantos obstáculos, Edson ainda relata que não consegue trabalhar. Falta de ar, cansaço e anemia são alguns dos sintomas que o impedem de obter uma renda. Ele aguarda a perícia do INSS para receber auxílio-doença. 

— Tenho vivido com a ajuda da minha esposa e de amigos, que me emprestam dinheiro. Tenho gastos com a passagem, que custa de R$ 13,45 cada viagem, e com almoço. Nesse tempo, cerca de um mês, já gastei mais de R$ 1 mil. Está muito difícil — lamenta Edson. 

Edson está na fila de espera

A prefeitura de Viamão afirma que a solicitação de transporte de Edson já foi analisada e, no momento, ele está na fila de espera. 

Em relação à demora para obter a assistência de um carro da prefeitura, o órgão justifica que é devido à demanda reprimida: “são cerca de 20 pacientes que solicitaram o serviço e estão esperando uma vaga”. Além disso, a gestão de Viamão informa que o “serviço de Transporte Social possui quatro vans com capacidade diária para atender a cerca de 50 pacientes que fazem hemodiálise três vezes por semana”. 

A previsão para que o serviço seja disponibilizado a Edson é de 30 dias. A prefeitura confirma que, enquanto ele aguarda, recebe passagens de ônibus para não faltar ao tratamento e garante que está buscando alternativas para solucionar o caso. 

Produção: Caroline Tidra 

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros