Após um ano e meio de espera por cirurgia, Helena recupera a visão - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso27/08/2019 | 10h21Atualizada em 27/08/2019 | 10h21

Após um ano e meio de espera por cirurgia, Helena recupera a visão

Agora, com o procedimento de catarata feito, ela consegue exercitar a leitura

Após um ano e meio de espera por cirurgia, Helena recupera a visão LeitorDG / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Helena: "Estou enxergando super bem" Foto: LeitorDG / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

— É uma sensação indescritível, é maravilhoso. Quando olhei para a televisão e vi o colorido, foi fantástico. Eu já não conseguia mais enxergar a fisionomia das pessoas, nem mesmo do meu marido. Agora, estou enxergando super bem. 

LEIA MAIS
Do Porto Seco para o México: judoca precisa de ajuda para participar de campeonato
Arroio de Cachoeirinha recebe limpeza, mas resíduos são deixados às margens
Após corte de mamoeiro que crescia dentro de buraco, moradores esperam finalização do conserto da calçada 

Assim se sentiu a dona de casa Helena Castro Alano, 71 anos, moradora do bairro Nonoai, em Porto Alegre, quando voltou a enxergar. Em 7 de março, o DG mostrou o drama da idosa, que, já sem visão no olho esquerdo, devido a um problema óptico de nascença, também desenvolveu catarata no olho direito e aguardou mais de um ano por uma cirurgia para corrigir o problema, sem conseguir enxergar nada. A espera de Helena teve fim no dia 27 de abril deste ano, quando foi finalmente operada e pôde voltar a ver a vida de forma nítida e colorida. 

Histórico 

Em 27 de fevereiro de 2018, quando foi encaminhada para a cirurgia por um especialista da Unidade Básica de Saúde do IAPI, Helena já não conseguia reconhecer nem os objetos próximos. Desde então, conviveu com as dificuldades da falta de visão e a espera pelo procedimento, que deveria acontecer no Hospital Banco de Olhos (HBO), na Capital. Quando o DG contou sua história pela primeira vez, o HBO informou que Helena estava na fila para realizar a facectomia — popularmente conhecida como cirurgia da catarata — e que deveria ser submetida ao procedimento em até três meses. 

— Por conta do meu problema no olho esquerdo, eu não podia estragar o direito de jeito nenhum, porque é o único com o qual enxergo. Com a catarata, não estava enxergando mais nada. Era uma dificuldade para andar de ônibus, ler e fazer as coisas de casa. Não podia sair sozinha e precisava estar sempre acompanhada do meu marido — relembra. 

Vida nova 

Agora, com a cirurgia feita, a idosa só quer saber de aproveitar a vida. Segundo ela, a operação correu muito bem, e a recuperação está sendo satisfatória. Contudo, Helena ainda precisará fazer uma limpeza pós-cirúrgica, utilizando laser. O procedimento está marcado para o dia 13 de dezembro. 

— A demora foi muito grande. Por isso, mesmo com a cirurgia, ainda ficou um resquício do problema, que vai precisar ser tratado para ficar 100%. Se não tivesse demorado tanto, provavelmente não precisaria. Mas, graças a Deus, está tudo bem — conta a dona de casa. 

Paixão pela leitura pode ser retomada 

Praticante do Espiritismo, Helena tinha o hábito de diariamente ler livros sobre os ensinamentos de sua religião. Quando seu problema de saúde se agravou, e ela não conseguiu mais enxergar, contava com a solidariedade das companheiras do Centro Espírita que frequenta para manter em dia suas leituras. 

— Minhas colegas liam para mim, para me ajudar, mas o que eu mais queria era poder voltar a ler sozinha — relembra. 

Agora, a idosa está aproveitando para recuperar o tempo em que não pôde exercitar seu hobby preferido: 

— Depois que fi z a cirurgia, está tudo uma maravilha, pois pude voltar a ler, que era do que eu mais sentia falta. Agora, está sendo maravilhoso, e tenho certeza que o jornal me ajudou muito a conseguir isto. 

Demora por sobrecarga de agendas

De acordo com o HBO, a demora pode ser atribuída a “mudanças estruturais no atendimento prestado pelo Banco de Olhos no posto do IAPI”, que fizeram com que todas as agendas migrassem para a sede do hospital, gerando uma sobrecarga. 

Segundo a assessoria de imprensa, o contrato do hospital com o SUS prevê a execução de 200 cirurgias de catarata ao mês, “meta regularmente cumprida pela instituição”. O hospital destaca, ainda, que, do ponto de vista médico, as cirurgias de catarata são, em sua maioria, procedimentos eletivos, ou seja, sem urgência. 

Produção: Camila Bengo

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros