Prefeitura estende funcionamento de restaurante no Tesourinha por mais dois meses - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Refeições populares14/08/2019 | 05h00Atualizada em 14/08/2019 | 05h00

Prefeitura estende funcionamento de restaurante no Tesourinha por mais dois meses

Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) já está servindo refeições para pessoas em situação de rua e vulnerabilidade social há três meses

Prefeitura estende funcionamento de restaurante no Tesourinha por mais dois meses Mateus Bruxel / Agência RBS/Agência RBS
Carreta da entidade já está no local há três meses Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS / Agência RBS

O atendimento da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) no Ginásio Tesourinha, no bairro Menino Deus, em Porto Alegre, completou três meses nesta terça-feira (13). Esse era o prazo dado pela prefeitura para que a carreta da entidade permanecesse no local. Entretanto, como os novos restaurantes populares só devem entrar em funcionamento no mês que vem, a prefeitura estendeu a parceria por mais dois meses. Um contrato foi firmado entre as partes.

Leia mais
Três restaurantes populares devem abrir na Capital, edital previa seis estabelecimentos
Entidade que assumiu restaurante provisório no Tesourinha não foi aprovada para gerir novos locais
Como vão funcionar os novos restaurantes populares de Porto Alegre

Houve uma mudança na relação. Nos primeiros três meses, a prefeitura entrou apenas com a aquisição dos alimentos, enquanto a ADRA custeou o preparo das refeições e a manutenção da carreta equipada com cozinha. Agora, a prefeitura será responsável por toda o fornecimento destes recursos, enquanto a entidade adventista fornecerá os voluntários que auxiliam no trabalho. 

O diretor da ADRA no Rio Grande do Sul e no Paraná, Landerson Serpa Santana, explica que, por trabalhar em situações emergenciais, o tempo de permanência em Porto Alegre já ultrapassou o que a entidade seria capaz de custear.

— Se seguisse como estava, teríamos até uma impossibilidade de continuar neste serviço. Por isso, ajustamos o contrato — explica Landerson. 

Segundo a secretária de Desenvolvimento Social e Esporte (Smdse) da Capital, Nádia Gerhard, o atendimento foi estendido para garantir que os frequentadores não fiquem ser o serviço "um dia sequer". 

A titular da Smdse espera que os três novos estabelecimentos abram antes do fim do vínculo atual com a ADRA. E caso isso aconteça, a carreta ainda continuará no local até o fim do contrato firmado nesta semana.  A ADRA, aliás, tentou participar do chamamento público para escolha dos novos gestores dos restaurantes populares, mas não foi aprovada.  

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros