Restaurante Popular de Canoas está fechado desde janeiro - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Comida a R$ 109/08/2019 | 07h56Atualizada em 09/08/2019 | 07h56

Restaurante Popular de Canoas está fechado desde janeiro

Mudanças no processo de liberação do dinheiro fizeram entidade responsável desistir da operação. População é prejudicada e sente falta do serviço


 CANOAS,  RS, BRASIL, 31/07/2019- Restaurante Popular Canoas. (FOTOGRAFO: TADEU VILANI / AGENCIA RBS)
Cerca de 200 pessoas almoçavam no local diariamenteFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Desde janeiro, o Restaurante Popular de Canoas, que oferecia refeições a R$ 1, está fechado e sem previsão de retomada no atendimento. Segundo a prefeitura, o local era mantido com recursos da Lei da Solidariedade RS, que permite que empresas financiem projetos em troca de incentivo fiscal do Estado. Mas questões burocráticas impediram a continuidade do serviço, que costumava atender cerca de 200 pessoas por dia.

Por 13 anos, quem executava o trabalho do Restaurante Popular era a Associação Canoense de Deficientes Físicos (Acadef), com o dinheiro liberado pelo Estado. A prefeitura era responsável pelo aluguel do prédio, localizado na Avenida Boqueirão, no bairro Estância Velha. 

Para funcionar, o projeto precisava ser renovado anualmente, o que foi feito pela última vez em outubro de 2018, segundo a associação. Com a aprovação do Conselho Estadual de Assistência Social (CEAS), houve o encaminhamento para a Secretaria da Fazenda, responsável pela emissão da carta de crédito que libera o aporte financeiro. Segundo o gestor de comunicação da associação, Ricardo Cardoso, porém, em abril, a Acadef foi informada de que a liberação de recursos, oriundo da renúncia fiscal de ICMS, duraria o prazo máximo de cinco meses, e não 12 como era de praxe.

— Isso impossibilitaria a continuidade do projeto, pois comprometeria os compromissos com fornecedores, funcionários e principalmente aos usuários, os quais corriam o risco de o serviço ser interrompido novamente — explica Ricardo.

Leia mais
Moedas depositadas em fonte de área comercial estão espalhando solidariedade por Canoas
Desde 2015, Vicasa foi multada 838 vezes pela Metroplan
Mais de 12 mil crianças aguardam vagas em creches na Região Metropolitana

Burocracia

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Secretaria Estadual de Trabalho e Assistência Social (STAS) confirma que os incentivos fiscais foram prorrogados até o dia 30 de setembro de 2019, por definição do Conselho Nacional Fazendário (Confaz). O órgão explicou, ainda, que a proposta de projeto do restaurante, que permitiria a continuidade das ações em 2019, foi aprovada em janeiro.

"Todos os incentivos fiscais do Estado estavam prorrogados até o dia 30 de setembro de 2019, sem a certeza de continuidade do financiamento público após esta data, o que foi informado aos proponentes, cabendo a eles manifestar interesse e firmar o Termo de Compromisso entre as partes", diz a nota.

A Acadef disse que já manifestou que não dará seguimento ao serviço nas condições apresentadas. A solução, então, passaria por um convênio com outro órgão, que seria o responsável pelo funcionamento do restaurante, uma ação que dependeria da prefeitura. A administração de Canoas afirma que está estudando alternativas para atender a comunidade, mas que o município, hoje, não tem condições financeiras de custear sozinho a manutenção do local.

Sem almoço barato, usuários são prejudicados

Quem mais sofre com a situação é a população. O local era ponto fixo de muitos desempregados e trabalhadores de baixa renda. A prefeitura, inclusive, disse que vinha fazendo o recadastramento dos usuários do restaurante, pois muitas pessoas fora do perfil  vinham utilizando o serviço. O desempregado Jackson de Azevedo, de 38 anos, era frequentador assíduo e conta que o local foi fechado do dia para noite, sem qualquer aviso prévio aos usuários. 

— Simplesmente fechou, ninguém disse nada. Muitas pessoas não têm condições de comer em outro lugar. Um real é pouco, mas faz diferença para gente, já ajuda a comprar o pão ou alguma outra coisa — disse.

A auxiliar de depósito Tairine Lucas, de 25 anos, chegou a trabalhar em uma vaga temporária no restaurante e lembra que o espaço era usado por moradores de diversos bairros como Guajuviras, Estância Velha, Boqueirão. 

— Vinha gente de longe para comer, quando abria às 11h a fila já era longa, quase na esquina — conta Tairine, que além de ter trabalhado, também era consumidora.  

CANOAS,  RS, BRASIL, 31/07/2019- Restaurante Popular Canoas. Na foto-  Tairine Lucas. (FOTOGRAFO: TADEU VILANI / AGENCIA RBS)
Jackson e Tairine era frequentadores do restauranteFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Márcio Augusto Soares, de 52 anos, também sente a falta do serviço.

— Se antes gastava um real, hoje gasto R$ 10, R$ 15 para comer. O restaurante faz falta.

O ambulante Edenir Scherer não utilizava o local, mas lembra da movimentação intensa na rua de segunda a sexta-feira. 

— Tinha gente que 9h já estava na fila esperando abrir. Era muita gente que vinha. Há um mês, um mês e meio ainda tinha gente procurando pelo restaurante — conta o vendedor que trabalha em frente à Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), localizada na mesma rua.

Leia outras notícias no Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros