Limpeza, infraestrutura e acessibilidade: como estão os terminais de ônibus de Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Transporte público21/09/2019 | 05h00Atualizada em 25/09/2019 | 14h31

Limpeza, infraestrutura e acessibilidade: como estão os terminais de ônibus de Porto Alegre

Reportagem circulou por oito locais espalhados por diversos bairros da Capital

Limpeza, infraestrutura e acessibilidade: como estão os terminais de ônibus de Porto Alegre Alberi Neto/Agência RBS
Terminal Triângulo está em obras Foto: Alberi Neto / Agência RBS

A sorte da reportagem era não ter horário marcado para pegar ônibus no Terminal Triângulo, na zona norte de Porto Alegre. No início da tarde de terça-feira (17), ao testar um dos elevadores do local, o equipamento apresentou defeito e deixou de funcionar por quase uma hora. Durante este tempo, além do desconforto de estar preso num elevador, outro fato que chamou atenção foi o forte cheiro de urina do espaço, que também se espalha pela galeria que conecta as plataformas de embarque do Triângulo.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Assim começou a jornada do Diário Gaúcho por oito dos principais terminais de ônibus da Capital. A situação vivenciada no Triângulo é uma pequena amostra do que passam os usuários do transporte público diariamente. Em setembro do ano passado, o DG visitou estes locais e constatou a situação precárias dos pontos de ônibus. Na época, a prefeitura apresentou suas intenções para os espaços, que incluíam parcerias com entidades privadas, licitação para consertos pontuais e reforço nos serviços de rotina. Um ano depois, é hora de conferir aquilo que prosperou e o que ainda está no papel. 

Em se tratando do principal terminal da Zona Norte, o cenário mudou. Uma reclamação que já era praticamente folclórica — a falta de cobertura no Triângulo, arrancada parcialmente durante um temporal em dezembro de 2014 — está sendo resolvida. Por meio de uma parceria, o local está passando por uma reforma completa, que inclui a reconstrução do telhado. 

Segundo a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Smim), das 15 etapas de trabalho previstas, quatro estão concluídas e quatro estão em andamento. E na próxima semana serão iniciadas ainda mais duas. Começadas em junho, as reformas devem ser concluídas em novembro.

Leia também
Porto Alegre terá mais 22 quilômetros de faixas exclusivas para ônibus; Independência, Mostardeiro e Goethe serão as primeiras
Como estão os terminais de transporte público em bairros de Porto Alegre
Passageiros reclamam de rotina de atrasos em linhas de ônibus da Restinga

Enquanto os trabalhos seguem, circular pelo Triângulo e achar o ônibus certo exige o dobro de atenção. Moradora do bairro Parque Santa Fé, a professora aposentada Marli Cunha, 68 anos, não conseguiu achar o local certo para embarcar num ônibus que a levasse até Gravataí, na Região Metropolitana. 

— Desembarquei do meu ônibus e estou tentando achar a parada. Está difícil, não achei placas de indicação — conta ela.

Centro

Embarcando na Zona Norte e partindo em direção à área mais central de Porto Alegre, o Diário passou pelos terminais Parobé e Praça Rui Barbosa — junto ao Pop Center —, no Centro Histórico. Nestes pontos, chama atenção o número de pessoas em situação de rua ocupando as áreas. Com isso, estes pontos deixam de ser limpos. A Smim confirma que, em alguns momentos, "o serviço é prestado de forma limitada e com sensibilidade, observando-se esse problema de vulnerabilidade social". 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 2019.09.19 - Raio X dos terminais de ônibus da capital. Na foto: Terminal Praça Rui Barbosa (Foto: ANDRÉ ÁVILA/ Agência RBS)Indexador: Andre Avila
No Terminal Parobé, presença de pessoas em situação de rua chama a atençãoFoto: André Ávila / Agencia RBS

Além disso, o serviço de Abordagem Social da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) realiza atendimento sistemático nos terminais de ônibus citados. São oferecido os serviços da fundação, como albergues, abrigos e centros pop. A diarista Alessandra Cavalheiro, 40 anos, costuma utilizar linhas que passam pelo Parobé. Para ela, além das pessoas em situação de rua, a precariedade dos banheiros e a insegurança no local também preocupam. Durante a vista da reportagem, o banheiro do Parobé estava fechado para reforma. Segundo a Smim, os sanitários foram reabertos na quarta-feira após passarem por 10 dias de manutenção, que incluíram pintura e melhorias elétricas e hidrossanitárias. 

Projeto para revitalizar dois pontos

Nos terminais Antônio de Carvalho, no bairro Agronomia, e Cairu, no bairro São Geraldo, os problemas de infraestrutura se destacam. Na Zona Leste, chamam atenção a falta de acessibilidade e as goteiras. Na região central, além da acessibilidade nula, a estrutura é mínima. O Terminal Cairu nada mais é do que um amontado de abrigos de fibra, modelo antigo de paradas de rua.

raio x dos terminais de ônibus de porto alegre , transporte público , terminal de ônibus , porto alegre. Na foto: Terminal Antônio Carvalho , na zona leste de Porto Alegre
Goteiras e falta de acessibilidade são os problemas enfrentados pelos passageiros no terminal Antônio de CarvalhoFoto: Alberi Neto / Agência RBS

Conforme a Smim, os dois locais foram incluídos em projetos encaminhados pela prefeitura ao Ministério da Justiça no final de agosto. A tentativa foi para concorrer a recursos do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos. O valor total dos projetos para implantação de acessibilidade em terminais e corredores de ônibus é de R$ 1,2 milhões. Se confirmados os recursos, serão feitas intervenções para garantir o acesso universal aos principais terminais e estações de corredor de transporte de Porto Alegre, como o Cairu e o Antônio de Carvalho.

Em relação às goteiras, a prefeitura encaminhou orçamento para limpeza de calhas e manutenção de telhado e do gradil de concreto do cercamento da área.

Dilema dos elevadores e escadas rolantes

Em três dos terminais visitados, o funcionamento dos elevadores e escadas rolantes disponíveis foi testado pela reportagem. No caso do Terminal Triângulo, citado no início da reportagem, a Smim informa que a empresa responsável pela área diz que o problema pode ter sido causado por queda ou oscilação de energia em razão das fortes chuvas de terça. Dos três elevadores do Triângulo, somente um está em manutenção e sem operar — aquele que dá acesso à plataforma principal no sentido bairro/Centro da Avenida Assis Brasil.

Nos dois terminais da Terceira Perimetral, havia sinais de trabalho da empresa licitada para os serviços imediatos de recolocação em funcionamento e manutenção de rotina dos elevadores e escadas rolantes. No viaduto José Eduardo Utzig, uma escada está em fase final de manutenção, devendo ser reativada no final deste mês. A outra está com manutenção pendente em razão de um acidente de trânsito no local. Por isso, a prefeitura não possui autorização para mexer no equipamento até a decisão final da Justiça. Os dois elevadores do local estão em funcionamento.

Leia também
Em quatro meses, empresas de ônibus da Capital receberam 929 notificações por descumprimento de horários
Prefeitura aumenta vida útil de ônibus que estavam "vencidos"
Amizade que nasceu em linha de ônibus da Capital ultrapassa o trajeto do coletivo

Vandalismo

No caso do terminal no encontro das avenidas Protásio Alves e Carlos Gomes, a Smim informa que a verba prevista na licitação não foi suficiente para o conserto de todas as escadas rolantes do local. A razão é "o enorme grau de deterioração e desgaste causado, principalmente, por vandalismo". Por isso, um novo edital será feito. O prazo para conserto das escadas é até o final de 2020. Assim, algumas escadas rolantes funcionam, mas todos os elevadores estão operando.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros