Na luta rumo ao mundial de Caratê: atleta de Guaíba precisa de apoio para competir - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso08/10/2019 | 09h41Atualizada em 08/10/2019 | 12h02

Na luta rumo ao mundial de Caratê: atleta de Guaíba precisa de apoio para competir

Jovem precisa arrecadar valor para a hospedagem durante o Campeonato Mundial de Karate Kyokushin Oyama, em Tóquio

Na luta rumo ao mundial de Caratê: atleta de Guaíba precisa de apoio para competir Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Eduardo (ao centro, em frente ao painel) é faixa preta Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

— Meu orgulho. 

É assim que a auxiliar administrativa Sílvia Bastos Fanfa, 57 anos, de Guaíba, se refere ao filho Eduardo Fanfa de Oliveira, 17 anos. O jovem é faixa preta e campeão brasileiro de caratê na categoria juvenil pesado, se classificou entre os três melhores da América do Sul na mesma categoria e se vê diante de um grande desafio: arrecadar o dinheiro necessário para ir representar o Brasil na 12 ª edição do Campeonato Mundial de Karate Kyokushin Oyama. O evento ocorrerá em Tóquio nos dias 22, 23 e 24 de novembro deste ano. 

LEIA MAIS
Moradores de Alvorada reclamam de falta de médico em posto de saúde
Morador de Canoas segue aguardando por uma ressonância magnética
Após matéria no Diário Gaúcho, paciente consegue transporte para ir à hemodiálise 

De acordo com a mãe, toda a família está mobilizada e já conseguiu comprar as passagens. Entretanto, ainda precisa juntar o dinheiro para custear os três dias de estadia no exterior, em torno de US$ 500 (cerca de R$ 2 mil), que serão gastos com hospedagem e alimentação. 

Treino 

O sentimento de orgulho não é apenas da família. O sensei (ou treinador) de Eduardo, Henrique Martinicorena, 48 anos, que acompanha o jovem desde o primeiro treino, conta que fica feliz com a trajetória do atleta: 

— Ele é excelente e está se sobressaindo muito. Fico orgulhoso de ter um aluno que foi campeão em todas as categorias que competiu. 

Eduardo começou a treinar caratê aos oito anos, após praticar vários esportes diferentes. Ele se apaixonou pela modalidade e, desde então, coleciona medalhas e troféus. Além de treinar, o atleta dá aulas na mesma academia que frequenta, um dos meios encontrados por ele para conseguir o dinheiro necessário. 

Treinamento sem patrocínio 

A frase escrita pelo sensei Henrique e que é utilizada nas redes sociais para mobilizar os internautas a ajudarem Eduardo resume bem a situação: “O atleta, para ser campeão, não precisa de sorte, porque ele treina com disciplina, estratégia e comprometimento. Ele precisa de patrocínio”. 

O jovem conta que, mesmo com todas as suas vitórias, medalhas e troféus, nunca teve um patrocinador em sua carreira. Apesar dos obstáculos, o atleta não pensa em desistir e faz planos para o futuro: 

— Espero que minha carreira seja longa e que eu seja reconhecido pelo mundo todo. Quero que vejam o meu trabalho. 

Como ajudar

/// De acordo com o atleta, ainda falta pouco mais da metade do valor estipulado para a hospedagem (em torno de R$ 1 mil). 

/// Quem quiser ajudar o atleta guaibense pode entrar em contato pelo e-mail diretoria.fgkko@gmail.com ou pelo telefone (51) 99634-1593, com Silvia. 

Produção: Thayná Souza 

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros