Após uma semana, comunidade avalia nova gestão do Pronto Atendimento da Lomba do Pinheiro - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Saúde20/11/2019 | 21h20Atualizada em 20/11/2019 | 21h20

Após uma semana, comunidade avalia nova gestão do Pronto Atendimento da Lomba do Pinheiro

Usuários elogiaram agilidade da equipe, mas reclamaram da falta de médicos com a troca de comando

Após uma semana, comunidade avalia nova gestão do Pronto Atendimento da Lomba do Pinheiro Francine Silva / Agência RBS/Agência RBS
Pronto-atendimento da Lomba do Pinheiro, na zona leste da Capital, está com nova gestão desde 12 de novembro Foto: Francine Silva / Agência RBS / Agência RBS

Quem frequenta o Pronto-Atendimento (PA) da Lomba do Pinheiro, na zona leste de Porto Alegre, começou a notar mudanças após a troca da administração. Desde 12 de novembro, a unidade passou a ser gerida pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (APDM) — empresa vencedora da licitação promovida pela prefeitura da Capital. Após ter o início dos trabalhos marcado pela falta de médicos, como pediatras, a nova gestora conseguiu conquistar elogios de usuários nesta quarta-feira (20).

Leia mais
Clima tenso na Unidade de Saúde Chapéu do Sol devido à falta de médicos
Hospital Conceição proíbe a entrada de ventiladores
Após centralização, triplica número de exames realizados em postos de saúde da Capital

Para Aírton Aimi, 55 anos, e Glésia Aimi, 50, a agilidade da equipe chamou atenção.

— Foi bem rápido desta vez. Às vezes ficava três horas esperando atendimento, mas hoje (quarta) levou uns 35 minutos — conta Aírton.

Para Glésia, o movimento na recepção também está diferente.

— Parecia ter menos pessoas, talvez porque o atendimento está mais rápido — observa.

Por volta das 10h desta quarta, a sala de espera tinha cerca de 10 pessoas e algumas cadeiras vazias. A maioria que aguardava já tinha passado pela equipe de triagem, que mede pressão e temperatura. Casos mais graves eram encaminhados aos médicos. Os demais, aguardavam serem chamados. Na recepção, três atendentes garantiam o encaminhamento dos pedidos de consulta e entrega de documentos. Na porta de acesso ao corredor dos consultórios médicos, dois seguranças eram responsáveis por liberar ou não a entrada dos pacientes e familiares. O movimento só começou a se acentuar perto do meio-dia.

— Melhorou muito o atendimento aqui. Em outros lugares, já levei cerca de cinco horas para ser atendida e, por fim, avisaram que não tinha médico. Aqui, pelo contrário, estou conseguindo consultar — conta a aposentada Nilda Jacira Lopes, 56, que aguardava ser chamada pelo médico.

Mas também teve quem reclamou da falta de profissionais. Sem dar nome, uma mulher saiu indignada pelo fato do médico não ter diagnosticado o motivo da febre do filho.

— Está muito pior. O atendimento é péssimo. Meu filho tá com febre e disseram que não é nada. Agora vou procurar outro posto — reclamou.

Questionada, a coordenadora administrativa do PA da Lomba do Pinheiro, Rafaella Lomba Nabas, garantiu que o atendimento está melhorando a cada dia.

— No início, tivemos dificuldade de preencher a escala de médicos. Alguns não quiseram ficar conosco. Além disso, tivemos o feriadão, e muitos profissionais foram viajar — explica.

Segundo Rafaella, além dos médicos com carteira assinada, uma empresa foi chamada para garantir profissionais quando a escala estiver desfalcada.

— Já estamos com a equipe completa de enfermeiros e técnicos, além de termos diversos parceiros na área de limpeza, esterilização e transporte por ambulância — afirma.

Entidade assumiu também na Bom Jesus

O contrato com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (APDM) foi assinado em 22 de outubro e tem vigência de cinco anos. Além da Lomba do Pinheiro, a instituição também assumiu o comando do PA da Bom Jesus nesta terça-feira (19). A proposta da prefeitura é de que, com essa mudança, as duas unidades consigam ampliar de 13 mil para 18 mil o número de pessoas atendidas. O contrato também prevê a ampliação do número de leitos, passando de 25 para 44, além do funcionamento de farmácia e serviço social 24 horas. Confirme a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), a nova gestão tem de seis a nove meses para executar as obras de ampliação.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros