Espera de seis meses por exame causa angústia em morador de Canoas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso13/11/2019 | 09h58

Espera de seis meses por exame causa angústia em morador de Canoas

Rafael Uflacker Spagnollo precisa fazer uma ressonância para a continuidade do tratamento médico

Espera de seis meses por exame causa angústia em morador de Canoas Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Um dos exames mostrou uma mancha na cabeça Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Desmaios, convulsões e lapsos de memória são alguns dos sintomas do auxiliar de produção Rafael Uflacker Spagnollo, 41 anos. Desde maio deste ano, o morador de Canoas aguarda o agendamento de uma ressonância do crânio, sem contraste, pela rede pública de saúde do município. Ele busca obter o diagnóstico da causa de suas crises. 

LEIA MAIS
Obra parada há mais de dois anos causa transtornos a moradores do bairro Belém Novo, na Capital
Menina precisa fazer tratamento em São Paulo
Entrega de fraldas geriátricas na rede pública de saúde está normalizada 

Segundo Rafael, um eletroencefalograma solicitado por um neurologista do Hospital Nossa Senhora das Graças detectou uma mancha no cérebro e, por isso, o especialista pediu a realização da ressonância para a continuidade do diagnóstico e, posteriormente, o tratamento. Contudo, ele ainda não teve retorno da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para a marcação e aguarda com apreensão de que esteja sofrendo de uma doença grave. 

— A ressonância pode mostrar o problema que me faz ter tonturas, desmaios e esquecimentos. Em uma das quedas, bati forte a cabeça no chão. Evito caminhar muito para não passar mal na rua — relata. 

De acordo com Rafael, o primeiro requerimento médico solicitava a ressonância com urgência. Porém, foi informado a ele que, no sistema do hospital, não constava como urgente. Devido à demora, ele procurou o médico novamente. 

— Consultei em setembro, de novo, e pedi mais um encaminhamento. Mas, quando fui entregar o requerimento no hospital, me informaram que eu iria voltar para o final da fi la de espera, tendo que aguardar ainda mais. Então, não cheguei a entregar o novo pedido. Deixei como estava, com o primeiro requerimento — explica o paciente. 

Sua mãe, a auxiliar de produção aposentada Maria da Graça Uflacker, 67 anos, foi morar com Rafael há pouco mais de um ano devido à condição do filho: 

— Ando muito preocupada porque o exame está demorando. Fui fi cando na casa dele para não deixá-lo sozinho e, por isso, acabei me mudando. Ele não era assim, tão esquecido como está agora, nem repetia tanto as palavras. Tenho medo de ser algo mais grave, pois há histórico familiar. O pai dele teve um tumor na cabeça. 

Secretaria agenda procedimento 

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Canoas, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que o “tempo de espera varia de acordo com a necessidade do paciente” e que “casos mais graves são atendidos com prioridade, seguindo a orientação médica”. A pasta não informou o tempo médio de espera para pacientes que aguardam ressonâncias nem quantos exames são feitos mensalmente pela rede pública do município. 

Sobre a previsão para a ressonância de Rafael, a SMS afirmou que o procedimento dele está agendado para a próxima segunda- feira, dia 18 de novembro, às 17h20min, no Hospital Nossa Senhora das Graças. 

Produção: Caroline Tidra 

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros