Ex-morador de abrigo vira professor de escola onde aprendeu a ser barbeiro - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Superação08/11/2019 | 05h00Atualizada em 08/11/2019 | 05h00

Ex-morador de abrigo vira professor de escola onde aprendeu a ser barbeiro

Aos 19 anos, Leandro pretende ser exemplo para outros jovens

Ex-morador de abrigo vira professor de escola onde aprendeu a ser barbeiro Tadeu Vilani/Agencia RBS
Agora professor, Leandro mostra habilidade com seus instrumentos de trabalho Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Leandro de Oliveira Maximiano, 19 anos, é do tipo que abraça as oportunidades. Quando foi convidado para assumir a função de professor do curso de barbeiro, em setembro, logo após ter concluído a mesma capacitação em julho, não titubeou. Hoje, é ele quem ensina aos alunos as melhores técnicas de corte de cabelo e de barba.  

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Mas chegar até aí não foi fácil. Leandro está entre os 120 estudantes do Centro Municipal de Educação dos Trabalhadores (CMET) Paulo Freire, uma escola municipal de Educação de Jovens e Adultos (EJA) do bairro Santana, que viveram em abrigos de Porto Alegre e chegaram ao projeto Possibilitar Sonhos e Construir o Futuro. A iniciativa é fruto de uma parceria entre Senac-RS, Ministério Público do Trabalho, Ministério Público e Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Desde que foi iniciado, em 2017, o projeto já ofereceu capacitação em três modalidades: manicure, maquiagem, corte masculino e barba. Durante o curso, gratuito, o jovem recebe material e vale-transporte. Ao fim, ganha um kit com utensílios para dar continuidade à profissão. O CMET Paulo Freire ainda fornece refeição.

 PORTO ALEGRE - RS- BR - 04.11.2019Leandro de Oliveira, que morava e mabrigo e participou de um ucrso no SENAC em parceria copm o CMET Paulo Freire. Após a formatura, foi contratado como professor do local, no mesmo curso.FOTÓGRAFO: TADEU VILANI AGÊNCIA RBS Editoria DG
O rapaz passou a atender clientes a domicílio logo após finalizar o cursoFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Sonhos

Leandro viveu por um mês no Abrigo Residencial 12, no bairro Ipanema. Por um período morou na rua, trabalhou como flanelinha e como Jovem Aprendiz, mas nunca deixou de ir à escola. Para isso, saía da Zona Sul e ia até a zona norte de Porto Alegre para estudar na Escola Chico Mendes. Mais tarde, por indicação da diretora, pediu transferência para o CMET Paulo Freire, onde ficaria mais perto das atividades diárias. A esta altura, Leandro já morava sozinho e precisava encontrar meios de se sustentar. 

— Mesmo passando por muitos sufocos, eu nunca usei droga, nunca bebi. Fiquei sabendo do curso oferecido e vim para cortar o cabelo. Depois, me interessei. Fiz dois cursos na mesma área, um básico e outro avançado. Assim que terminei, comecei a atender a domicílio — conta.

Leia também
Imigrantes e refugiados recebem curso gratuito de gastronomia na Capital
Única servidora de biblioteca pública da Capital se aposenta e preocupa comunidade
Estudantes da Vila Safira, em Porto Alegre, assistem a animação brasileira inédita em sala de aula

O garoto se destacou entre os colegas e foi convidado pelo Senac, logo após a formatura, a assumir uma nova turma como professor. Hoje, Leandro divide-se entre as funções de docente, de operador de caixa em um posto de gasolina e nos atendimentos na casa dos clientes. 

— Gosto de ensinar e sei que muitos podem se espelhar em mim. Sempre digo aos alunos para terem fé, foco e força, pois hoje estou aqui, mas amanhã podem ser eles no meu lugar — completa o professor, que ainda quer cursar Direito e ter o próprio salão. 

 PORTO ALEGRE - RS- BR - 04.11.2019Leandro de Oliveira, que morava e mabrigo e participou de um ucrso no SENAC em parceria copm o CMET Paulo Freire. Após a formatura, foi contratado como professor do local, no mesmo curso.FOTÓGRAFO: TADEU VILANI AGÊNCIA RBS Editoria DG
Leandro quer inspirar outros jovensFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Novas perspectivas

Assim como Leandro, outros alunos já tiveram a mesma oportunidade por meio do projeto. A grande preocupação dos responsáveis pela iniciativa é oferecer alternativas a esses jovens que, muitas vezes, já não têm mais apoio dos familiares.

— Sabemos que, ao se aproximar dos 18 anos, quando precisam deixar o abrigo, eles começam a viver a angústia por não terem mais aquele suporte. Esses cursos geram uma possibilidade para a virada de chave na vida deles — descreve a diretora interina do Senac Centro Histórico, Liliane Netto Valls.

— Tu vês no olhar de cada aluno que essa oportunidade muda a vida deles, é a possibilidade de seguirem uma carreira. E é muito legal ver vários desses jovens saindo daqui, trabalhando e, muitos deles, fazendo ações sociais — completa o facilitador de soluções corporativas do Senac, Sanderson Karkow.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros