Falta de vagas em creches preocupa pais em Viamão - Notícias

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana18/11/2019 | 05h00Atualizada em 18/11/2019 | 05h00

Falta de vagas em creches preocupa pais em Viamão

Moradora de Viamão, Juliana Thomaz está recolhendo assinaturas com objetivo de pressionar a construção de creches. Município sofre com a carência de vagas e poucas opções de escolas, especialmente, no Interior

Falta de vagas em creches preocupa pais em Viamão Lauro Alves/Agencia RBS
Juliana Thomaz, 44 anos, encabeça movimento sozinha há algumas semanas Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

— Não quero que ninguém passe a dificuldade que eu passei.

Com essa afirmação, a produtora cultural, atriz e moradora de Viamão Juliana Thomaz, 44 anos, justifica o movimento que encabeça sozinha há algumas semanas. Juliana é mãe de Max, quatro anos, e, por mais de dois anos, batalhou por uma vaga no município de Capivari do Sul, já que, em Viamão, não existem creches municipais. 

Leia mais
Time amador de Viamão presenteia meninos da base com chuteiras novas
Após longa espera, esgoto que corria ao lado de bica d'água é resolvido
Duas iniciativas dão novas esperanças para a duplicação do Caminho do Meio

Inconformada com a falta de opções, especialmente no interior, ela começou a recolher assinaturas de moradores do distrito de Águas Claras — que inclui Estiva, Boa Vista, Morro Grande e Capão da Porteira — com o objetivo de pressionar o governo a dar respostas às milhares de famílias que não conseguem colocar os filhos em creches. 

Em Viamão, os pais devem optar por uma creche particular ou por concorrer às poucas vagas disponíveis nas conveniadas. Algumas famílias, como a de Juliana, que residem em regiões limítrofes com outras cidades, muitas vezes tentam matricular os filhos nos municípios vizinhos. Mas garantir o acesso não é fácil. 

No caso de Juliana, que mantém clientes em Capivari, a solução foi mudar o título de eleitor de local e alugar uma residência na cidade para poder concorrer à vaga. Todo os dias, ela precisa sair do distrito de Capão da Porteira e se dirigir até Capivari para levar o filho. 

— A escola lá é maravilhosa, padrão particular. Mas, conversando com os pais, ao recolher as assinaturas (para o abaixo-assinado), fiquei comovida. Muitas famílias não têm a mesma oportunidade que eu estou tendo. Pretendo chegar a mil assinaturas e protocolar na prefeitura — explica.

Apoio

 ÁGUAS CLARAS, RIO GRANDE DO SUL - BRASIL - Juliana Thomaz é atriz e mora no interior de Viamão. Ela não conseguiu vaga para o filho em Viamão e, depois de dois anos, conseguiu matricular ele numa escola de Capivari. Precisa levá-lo todo o dia até lá. Indignada, ele começou a coletar assinaturas para pressionar o governo a abrir uma creche na Região de Águas Claras/Capão da Porteira. Ela também está negociando com as creches particulares da região um preço padrão para que as famílias tenham condições de ter acesso à creche. (FOTO: LAURO ALVES)
Juliana (D) durante o recolhimento de assinaturasFoto: Lauro Alves / Agencia RBS

Viamão é a maior cidade em extensão territorial da Região Metropolitana de Porto Alegre, com 1.494 quilômetros quadrados. Só a zona rural, conforme dados do Censo de 2010, tem cerca de 14.272 habitantes. Segundo Juliana, próximo à sua casa, existem três creches particulares, com valores diferentes. Ela, então, buscou a direção das instituições a fim de combinar um preço aproximado, para que os pais pudessem escolher pela qualidade, e não pelo valor da mensalidade. 

Outra solução apontada pela mãe seria a reestruturação de cinco escolas municipais que existem na região para acolher os alunos mais novos. A produtora fez pesquisas e aponta, inclusive, no abaixo-assinado online, quais investimentos seriam necessários para a construção de novas creches.  

— As mães não conseguem trabalhar porque não têm com quem deixar os filhos. Enquanto isso, elas deixam de gerar renda ao município. Pelo que sei, a população já se prontificou a doar terrenos para construção, mas sempre surge uma desculpa. Se não é possível construir uma creche, por que não usar os espaços físicos já existentes? — questiona.

"Muitos pais não sabem", diz Juliana

Juliana esteve na Câmara Municipal para falar sobre o tema e recebeu o apoio de alguns vereadores. A sua meta é, também, falar com os pais sobre a possibilidade que eles têm de reivindicar a vaga judicialmente.

— Eu não sabia que a vaga na creche era uma obrigação do município, e assim como eu, acredito que muitos pais não saibam. Quero ajudar a divulgar essa informação, vou espalhar cartazes para dizer que isso é possível. Meu filho nem vai mais se beneficiar com isso, mas eu quero terminar o que comecei — complementa.

A educação infantil, etapa de ensino que vai de zero a cinco anos de idade, é um direito fundamental garantido pela Constituição Federal de 1988. Ou seja: toda criança brasileira tem direito a uma vaga em creche ou pré-escola custeada pelo poder público _ no caso, pelos municípios. 

Prefeitura credencia escolas

Segundo a prefeitura de Viamão, existem nove escolas que disponibilizam 200 vagas para crianças de zero a três anos no município. Para 2020, a Secretaria da Educação já está credenciando novas escolas na região rural. Em Itapuã, duas novas instituições já estão em processo de negociação. Em Águas Claras, foi realizado o credenciamento junto ao Conselho Municipal de Educação para firmar convênio para atendimento de alunos de zero até três anos.

Ainda segundo a prefeitura, as obras da Escola Municipal Infantil Krahe, que vai atender cerca de 200 alunos de zero a três anos, já foram retomadas. Na próxima quinta-feira, ocorrerá nova licitação para a continuação das obras da escola municipal infantil na região da Universal. Juntas, as duas instituições vão atender até 400 crianças.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros