Escolinha da Tia Lolô tem salas alagadas e materiais danificados após chuva em Viamão - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Revés06/12/2019 | 09h39Atualizada em 06/12/2019 | 09h39

Escolinha da Tia Lolô tem salas alagadas e materiais danificados após chuva em Viamão

Em julho, história de 25 anos da associação criada por Losângela Ferreira Soares foi contada pelo programa "Caldeirão do Huck", da TV Globo

Escolinha da Tia Lolô tem salas alagadas e materiais danificados após chuva em Viamão Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Material usado pela associação foi danificado pela chuva Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

A luta de 25 anos de Losângela Ferreira Soares, a Tia Lolô, que acolhe mais de 150 crianças na associação comunitária que leva o seu nome, no bairro Orieta, em Viamão, enfrentou uma nova batalha na tarde de quarta-feira (4).  

Uma pancada de chuva atingiu a cidade por volta das 17h, ultrapassando a capacidade da calha sob o telhado do prédio que abriga as salas de informática e de artesanato do projeto social. Parte do maquinário doado em julho pelo programa Caldeirão do Huck, da TV Globo, foi molhada.

— Foi desesperador. Perdi praticamente tudo que eu tenho aqui para o artesanato — afirmou Lolô, enquanto torcia retalhos de pano que seriam costurados nas peças de roupa.

LEIA MAIS
Após participação no Caldeirão do Huck, Tia Lolô projeta o futuro de sua associação
Luciano Huck visita sede da Associação Comunitária Tia Lolô, em Viamão
Crianças e adultos do projeto social da Tia Lolô conheceram o mar  

Na manhã desta quinta-feira (5), os móveis continuavam afastados da parede, ainda úmida. As salas coloridas tinham todo o material amontoado, com carretéis de linha encharcados e panos de prato, fechos de zíper, camisetas e caixas de papelão visivelmente deteriorados pelo alagamento.

No próximo fim de semana, Tia Lolô participará de uma feira no município, realizada pelo clube Cantegril. Com o revés, a voluntária teme não ter estoque suficiente para expor os produtos, cujas vendas são indispensáveis para custear o projeto social.

— Não tenho como colocar os panos na máquina de lavar porque eles desfiam, se desmancham. Nem sei se os equipamentos ainda estão funcionando, porque tenho medo de ligar e tomar choque — complementa.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL,05/12/2019 - Creche da tia lolo alagada. (FOTOGRAFO: RONALDO BERNARDI / AGENCIA RBS)<!-- NICAID(14348646) -->
Sala da associação foi atingida pela água após temporal, que durou cerca de 30 minutosFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

A história da associação — iniciada na carcaça de um ônibus inutilizado — foi contada no quadro “Um por todos, todos por um”, do Caldeirão do Huck. Após a visita do apresentador Luciano Huck, o espaço ganhou reforma e a construção do novo local, prédio que sofreu com o temporal.

A chuva durou menos de meia hora, segundo a educadora, que conta que, com a exposição em rede nacional, o número de crianças carentes que buscam atendimento de reforço escolar e complemento nutricional cresceu.

— Antes eu atendia pessoas de bairros próximos, agora vem gente até lá de Águas Claras — explica.

Tia Lolô vive em uma casa de alvenaria ao lado da escolinha. Segundo ela, a proximidade foi fundamental para o primeiro “combate” ao alagamento, possibilitando o desligamento do maquinário e a proteção da matéria-prima, retirada do chão e apoiada sobre as mesas.

— As vezes dá vontade de desistir, é cansativo. O pior é ouvir quem diz que eu ganhei dinheiro com o programa do Huck. Eu, uma senhora de 54 anos vendendo pano de prato no sol, tenho que ouvir isso.

Confira outras notícias do Diário Gaúcho 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros