Em São Leopoldo, terreno baldio vira lixão e incomoda vizinhança - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso15/01/2020 | 08h00Atualizada em 15/01/2020 | 09h54

Em São Leopoldo, terreno baldio vira lixão e incomoda vizinhança

O problema acontece no bairro Scharlau, onde existe um espaço disponibilizado pela prefeitura próprio para o descarte de resíduos extradomiciliares

Em São Leopoldo, terreno baldio vira lixão e incomoda vizinhança Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Moradores descartam irregularmente lixo no local Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Para quem vive nas proximidades do número 575 da Rua Catulo Cearense, no bairro Scharlau, em São Leopoldo, o repelente virou item essencial. Isso porque, devido ao acúmulo de lixo em um terreno baldio no local, o inseto passou a fazer parte da vizinhança. Para tentar pôr fim ao problema, desde maio do ano passado o industriário Henrique Stefano, 52 anos, que vive ao lado do terreno, busca uma solução junto à prefeitura. Porém, apesar da abertura de protocolo e de inúmeros contatos com a ouvidoria do município, o lote continua parecendo um verdadeiro lixão. 

LEIA MAIS
Esgoto a céu aberto incomoda moradores do bairro Índio Jari, em Viamão
Jovem lutadora de Canoas busca apoio para seguir no esporte
Diversão é ameaçada há mais de um ano em pracinha da  Zona Sul da Capital

Na paisagem do local, o mato alto é o que mais chama a atenção. Porém, o maior problema é o descarte irregular de lixo – segundo Henrique, fruto da falta de consciência por parte dos moradores do próprio bairro.

— De uns dois anos para cá, piorou. O pessoal descarta tudo aqui. Existem lugares em que as pessoas podem depositar esse tipo de lixo, mas parece mais fácil jogar tudo no terreno. Aí, entram baratas, ratos e tudo que tu possa imaginar no meu pátio — relata o morador, que mora ao lado da propriedade que, apesar de ser particular, está abandonada há cerca de 10 anos.

“Descrédito”

Essa não é a primeira vez que Henrique busca uma solução junto à prefeitura. Contudo, segundo ele, o retorno nunca demorou tanto – cerca de nove meses. Em troca de e-mails com a ouvidoria do município, em 27 de maio de 2019, a resposta obtida por ele foi de que seu pedido seria reenviado na data, com prioridade alta. Entretanto, a situação permanece:

— Caí em descrédito com eles (prefeitura), porque só passam de uma secretaria para outra. Em julho (de 2019), estive na prefeitura. Fui em três secretarias e ninguém soube me dizer quem era o responsável.

Henrique segue convivendo com os incômodos causados pelas más condições do terreno vizinho.

— Eu mesmo já cheguei a limpar o terreno, mas, agora, não faço mais. Também já pensamos em botar uma cerca ali, mas, depois, poderíamos ser acusados de estar invadindo — relata o morador.  

Proprietário foi intimado, diz prefeitura

A prefeitura explica que, por se tratar de terreno particular, o município não pode fazer a limpeza, apenas fiscalizar. Segundo o órgão, foi emitida uma intimação em 22 de julho de 2019 ao proprietário, solicitando a limpeza, construção de passeio público (com prazo de 30 dias) e cercamento do terreno (60 dias).

Além disso, a fiscalização da Secretaria Geral de Governo (SGG) esteve no local em novembro do ano passado e emitiu nova intimação. O não cumprimento tem gerado multas ao proprietário.

Quanto ao descarte irregular de lixo, a prefeitura informa que quem precisa descartar resíduos não coletados junto ao lixo domiciliar deve dirigir-se a um dos três pontos próprios para receberem esse tipo de resíduo: Avenida Leopoldo Scherer, 430 (bairro Scharlau); Avenida Feitoria, perto da Escola Visconde de São Leopoldo (bairro Feitoria) ou Rua Nereu Ramos, esquina com a Rua Porto Velho (bairro Duque de Caxias).

Produção: Camila Bengo

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros