Sem uso há três anos, leitos de UTI do Parque Belém serão reativados em outros hospitais de Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Saúde pública20/03/2020 | 21h15Atualizada em 20/03/2020 | 21h15

Sem uso há três anos, leitos de UTI do Parque Belém serão reativados em outros hospitais de Porto Alegre

Estrutura foi requisitada após assinatura de decreto pelo prefeito Nelson Marchezan, na quarta-feira, dentre as ações de combate ao coronavírus na Capital

Sem uso há três anos, leitos de UTI do Parque Belém serão reativados em outros hospitais de Porto Alegre Tadeu Vilani/Agencia RBS
Hospital não recebe pacientes desde 2017 Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Sem receber pacientes desde 2017, quando foi desativado, o Hospital Parque Belém, na zona sul de Porto Alegre, entrou nas ações de combate ao coronavírus na cidade. A partir de decreto assinado pelo prefeito Nelson Marchezan na quarta-feira (18), a estrutura disponível na instituição foi requisitada, com aproveitamento de respiradores, desfibriladores, camas, bombas de infusão, entre outros equipamentos.  

Na manhã desta sexta-feira, 20 leitos de tratamento intensivo foram removidos do local e levados ao Hospital Conceição. Posteriormente, serão distribuídos em UTIs do Grupo Hospitalar Conceição (GHC).

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Segundo a prefeitura, os equipamentos são leitos completos para atendimento e, para entrar em funcionamento, dependem ainda da disponibilidade de profissionais da saúde, de equipes e de áreas preparadas nos hospitais da Capital.

Cobertores foram acondicionados em veículos da prefeitura. Vans e sete caminhões-baú foram utilizados para transportar as máquinas. Os veículos fizeram o frete de forma gratuita, por meio de equipes cedidas por transportadoras ligadas ao Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Estado do Rio Grande do Sul (Setcergs). Trabalhadores da Cootravipa, prestadora de serviço ao Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) ajudaram na operação, coordenada por técnicos da Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

De acordo com o médico Luiz Augusto Pereira, presidente da associação mantenedora do Hospital Parque Belém, o local recebia manutenção e os leitos não foram danificados. Ao chegarem ao destino, todos serão testados e encaminhamos às instituições.

— Nosso hospital está à disposição. Ofereci inclusive a estrutura, que precisa basicamente de uma grande higienização e estruturação — explicou.

Leia também
É falso que aposentados podem ter o benefício suspenso se circularem nas ruas
Ministério da Saúde afirma que Porto Alegre tem transmissão comunitária de coronavírus
Michele Vaz Pradella: Boas reprises para encarar a quarentena

Os equipamentos foram adquiridos, em sua maioria, a partir de convênios federais, enquanto a instituição funcionava a pleno. Dentre as máquinas, o médico-gestor ressalta a importância dos respiradores — são 10 deste tipo entregues ao GHC.

— É o que vai salvar vidas nessa pandemia. O respirador é o motor, a locomotiva — definiu.

hospital parque belem, coronavirus, baixa resolução<!-- NICAID(14457154) -->
Equipes foram retirados do local na manhã desta sexta-feiraFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

André Cecchini, superintende do GHC, afirma que a ajuda é essencial para enfrentar a demanda, que deverá crescer exponencialmente nas próximas semanas.

— Dinheiro para comprar há, mas faltam equipamentos para vender. Respiradores, por exemplo, estão em falta não só no mercado nacional, mas mundial — afirmou.

Os hospitais do GHC têm 92 leitos de UTI adulta, sendo que 80 desses leitos devem ser disponibilizadas exclusivamente para o combate à pandemia.

Fiscalizando a retirada das máquinas, com o cuidado de não haver danos ao patrimônio, Caroline Machado, diretora-geral administrativa SMS, afirma que mais equipamentos podem ser retirados de outros locais, caso se confirme que estão sendo subutilizados e haja demanda.

— Temos que estar preparados para aumentar a capacidade hospitalar para os casos mais graves. A pandemia já está instalada, e buscamos alternativas para preparar o sistema.

De acordo com Caroline, não apenas mobiliário de UTI está sendo retirado do Parque Belém, mas também equipamentos que serão utilizados para contribuir com toda a rede hospitalar, como aparelhos de raio X, eletrocardiograma, mesas e cadeiras para os setores de refeitório e nas recepções.

Após chegarem ao GHC, os materiais serão avaliados e terão o destino definido.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros