MC Jean Paul celebra seu crescimento junto com o jornal: "Comecei a ser reconhecido quando saí em reportagens do Diário" - Notícias

Versão mobile

 
 

#DG20ANOS17/04/2020 | 14h24Atualizada em 17/04/2020 | 14h26

MC Jean Paul celebra seu crescimento junto com o jornal: "Comecei a ser reconhecido quando saí em reportagens do Diário"

Artista participou de diversas festas do DG e da Rádio Farroupilha, eventos concorridos no início dos anos 2000

MC Jean Paul celebra seu crescimento junto com o jornal: "Comecei a ser reconhecido quando saí em reportagens do Diário" Omar Freitas/Agencia RBS
Funkeiro tem guardados, em sua casa, exemplares nos quais apareceu, ao longo dos anos Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Quando MC Jean Paul, no início dos anos 2000, deu os primeiros passos de sua carreira como funkeiro, foi no Diário Gaúcho que encontrou a visibilidade que buscava.

— As nossas histórias se confundem. A rádio me deu a voz e o DG, me deu a imagem. Comecei a ser reconhecido nas ruas quando saí em reportagens do Diário — relata Jean Paul.

Do início como DJ, ainda na adolescência, ficou a gratidão ao radialista Arlindo Sassi, que lhe deu as primeiras oportunidades. Foi na extinta Átrio Capitão 7, casa noturna na Avenida João Pessoa, precursora da Capital a tocar o funk carioca, que o músico venceu a timidez e dominou o microfone pela primeira vez.

Leia mais sobre os 20 anos do DG
Costura de Sabrina saiu das páginas do DG para ganhar o Brasil
Há 20 anos, Clélia escolheu o nome do Diário Gaúcho, ganhou um carro e mudou de vida
Nos 20 anos do DG, relembre a história da profe Clau, que inspira o sonho de várias meninas em Alvorada

O início foi difícil. O público gaúcho, mais conservador, não via com bons olhos o funk. Mas as canções de MC Jean Paul, com um toque mais romântico e bem menos “proibidão”, quebraram barreiras. Músicas como Meu Primeiro Amor, seu primeiro sucesso, ajudaram a firmar seu estilo, que agrada a pessoas de diversas idades e classes sociais – é bem comum que, em um mesmo final de semana, ele participe de uma festa em uma comunidade e faça show em um casamento ou 15 anos chiquérrimo.

Uma prova do sucesso foram as diversas festas de aniversário do Diário Gaúcho e da Rádio Farroupilha, muito populares nos anos 2000. Com atrações locais e mesmo nacionais, era comum que o último artista da festa fosse MC Jean Paul, uma manobra para segurar o público até o final. Quando entrava no palco, era uma verdadeira histeria coletiva entre o público, formado, em grande parte, por fãs do funkeiro.

*** - Mc Jean Paul - M.Oliveira ***Mc Jean Paul
Uma das festas da Rádio Farroupilha das quais Jean Paul participou, em 2005Foto: Marcelo Oliveira / Agencia RBS

Com carinho, ele mostra pastas organizadas com matérias suas no DG. Destaca os shows, as reportagens de perfil, marcando grandes momentos de sua carreira, e mesmo as promoções do jornal, como quando um grupo de meninas ganhou uma festa de 15 anos com a participação de Jean Paul.  

Em evidência

Em 18 anos de carreira, Jean Paul consegue a façanha de manter-se em evidência em seu meio, com uma agenda que, antes da pandemia do coronavírus, era de em torno de 20 shows por mês. No dia em que recebeu a reportagem do DG, ele lamentava o fato de que, pela primeira vez em 11 anos ininterruptos, sem falhar uma só semana, não faria show em Novo Hamburgo, no projeto Quinta Loka.

— Pela primeira vez, em 18 anos, estou em férias, embora forçadas — lamentava.

Leia também
Vila Safira ganhou uma praça após apelo de morador ao DG
Nos 20 anos do DG, conheça João Vitor, o menino que caminha no rumo certo

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 24.03.2020 - MC Jean Paul e Diário Gaúcho têm trajetórias que coincidem, por isso, uma das reportagens especiais do caderno será com ele. (Foto: Omar Freitas/Agencia RBS)Indexador: Omar Freitas
O carinho pelo jornal é imenso, e o DG retribui: Obrigado, Jean Paul!Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

De origem japonesa e budista – a entrevista ocorreu em uma sala de orações que ele mantém em sua casa – Jean enumera com seriedade os motivos para uma carreira consistente.

— Em primeiro lugar, a família, que me deu um senso de união e responsabilidade. Depois, o fato de eu ter um propósito em tudo o que faço. O artista tem a missão de iluminar as profundezas da vida humana. Em terceiro lugar, o trabalho social no terceiro setor (visitas a hospitais, shows beneficentes, festas em comunidades).

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros