Como está a ocupação dos hospitais de campanha da Região Metropolitana - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Coronavírus08/07/2020 | 05h00Atualizada em 08/07/2020 | 05h00

Como está a ocupação dos hospitais de campanha da Região Metropolitana

Estruturas temporárias em três municípios oferecem, juntas, 22 vagas de UTI, mas situação difere em cada um deles

Como está a ocupação dos hospitais de campanha da Região Metropolitana Marco Favero/Agencia RBS
Em Canoas, grande movimento no hospital de campanha Boqueirão Foto: Marco Favero / Agencia RBS

A chegada do inverno e o aumento dos casos de coronavírus deixam em alerta cidades da Região Metropolitana que implantaram os chamados hospitais de campanha. As estruturas, alternativas para aumentar o número de leitos e de atendimentos nos casos de covid-19, foram montadas nos municípios de Gravataí, Cachoeirinha e Canoas – que criou duas unidades. Dos 22 leitos de UTI criados nestes locais, até esta segunda-feira (6), 12 já estavam ocupados, ou seja, mais da metade.

Os locais sentem de maneiras diferentes os efeitos do crescimento nos números da doença. O caso mais complicado é em Gravataí. Lá, uma parceria entre a prefeitura e o Hospital Dom João Becker criou uma estrutura na área externa da instituição. Com cerca de 400 metros quadrados, o local oferece 10 leitos de UTI e é a referência para todos os pacientes com sintomas gripais e respiratórios em Gravataí. Entretanto, na terça-feira (7), todos os 10 postos já estavam ocupados.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Para tentar enfrentar a saturação do sistema, prefeitura e hospital iniciaram tratativas para criação de mais 10 leitos para tratamento exclusivo de pacientes da covid-19 em uma área isolada dentro das dependências fixas do hospital. Porém, ainda não há previsão para que isso se concretize.

Em Canoas, são duas unidades – chamadas de Boqueirão e Rio Branco –, mas a cidade já se prepara para inaugurar mais um local caso a pandemia avance ainda mais. Canoas é o nono município do Estado com mais casos – 771 até quinta-feira (7) – e o quinto em número de óbitos – 30 pessoas já morreram na cidade por causa da doença. Somente nestes primeiros dias de julho, o número médio de atendimentos diário nos dois pontos é alto. 

No hospital de campanha Boqueirão, são cerca de 67 atendimentos diários. E na unidade Rio Branco, a média é de 51 atendimentos. Os dois pontos de campanha têm 10 leitos de internação clínica e dois de UTI cada. Na segunda-feira (6), havia dois leitos de UTI ocupados, um em cada estrutura. Além dos hospitais de campanha, o Hospital Universitário é o ponto de referência na cidade.

Mais tranquilo  

Em Cachoeirinha, o sistema respira mais aliviado. A estrutura de campanha, inaugurada no final de abril, tem 63 leitos – 12 de isolamento com média complexidade, 43 enfermaria e oito de UTI. Desde que foi inaugurado, o local já recebeu 32 pacientes, sendo que apenas três necessitaram de internação na UTI. Nesta terça-feira (7), até a metade do dia, apenas quatro leitos de enfermaria estavam ocupados.

 Patamar elevado

Em Porto Alegre, o nível de ocupação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) disparou. Desde a última sexta-feira, o patamar de 174 leitos de UTI sendo ocupados por pacientes de coronavírus na Capital foi quebrado. O número rompeu o teto inicial de internações previsto na estratégia de enfrentamento à pandemia – são três estágios, sendo que no terceiro seriam necessários 383 leitos apenas para tratar a covid-19.

Leia também
Funcionando em estrutura provisória desde 1990, escola de Canoas será reconstruída
Suspensão do cartão TRI em Porto Alegre: confira perguntas e respostas
Medidas mais restritivas em Porto Alegre: entenda o que começa a valer nesta terça-feira e o que fica para quinta

Novo Hamburgo e São Leopoldo buscam soluções

Entre os 10 municípios com mais casos no Estado, além de Porto Alegre e Canoas, a Região Metropolitana ainda é representada pelas cidades de São Leopoldo – com 1.051 casos – e Novo Hamburgo – com 1.075 –, conforme números atualizados nesta terça-feira (7). 

As duas localidades não têm hospital de campanha, mas procuraram saídas para lidar com a pandemia. Em São Léo, organizou-se o Centro Especial de Apoio ao Hospital Centenário Monte Alverne. Foi uma espécie de estrutura de apoio ao hospital da cidade, instalada em um prédio no bairro São José, que conta com 30 leitos para pacientes de covid-19 com menor gravidade, especialmente para garantir o isolamento social. No Hospital Centenário, são 10 leitos exclusivos de UTI para coronavírus, que, na segunda-feira, estavam com 100% de ocupação.

Ampliação

Em Novo Hamburgo, a prefeitura diz que a criação de um hospital de retaguarda está previsto no plano de contingência do coronavírus. Porém, a estrutura ainda não foi necessária. Para lidar com a demanda atual, o município ampliou de 49 para 80 leitos clínicos no Hospital Municipal, ou seja, mais 31 leitos exclusivos para atender pacientes com coronavírus. E, recentemente, subiu de 10 para 25 o número de leitos de UTI exclusivos para covid no Hospital Municipal.

E porque a Capital não abriu hospital de campanha? Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), até o momento, 174 novos leitos de UTI foram criados em Porto Alegre somente para covid-19 dentro dos próprios hospitais. Com este cenário, não foi necessária a abertura de hospitais de campanha.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros