Família de Viamão espera por instalação de água há mais de um mês - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso10/07/2020 | 10h51Atualizada em 10/07/2020 | 10h51

Família de Viamão espera por instalação de água há mais de um mês

Sem água para utilizar dentro de casa, casal conta com a ajuda de vizinhos e conhecidos

Família de Viamão espera por instalação de água há mais de um mês Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Sem água na torneira Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

A felicidade pela aquisição da casa nova da família Siqueira logo foi substituída pela frustração, ao solicitar a instalação de água para o imóvel. Desde o dia 18 de maio deste ano, a dona de casa Maria Elizabethe Dantas Siqueira Silveira, 28 anos, e o marido, o açougueiro William Teixeira Siqueira, 30 anos, pedem para que a Corsan instale água em sua nova casa, localizada na Rua Monte Claro, no bairro Piratini, em Viamão

LEIA MAIS
Professora que pediu cestas básicas como presente de aniversário entrega primeiras doações
Iniciativa proporciona alimentos e esperança a famílias carentes, em Butiá
Projeto social distribui cestas básicas na Região Metropolitana  

Na primeira vez em que fizeram a solicitação, o prazo para o serviço seria de 10 dias:

– Depois do tempo estipulado por eles para resolver, não tivemos retorno. Então, ligamos para saber o que havia acontecido e descobrimos que o nosso endereço havia sido cadastrado errado no pedido – conta Maria.

Ajuda

Com o endereço certo repassado para a Corsan, um novo prazo de 10 dias foi dado à família, com término no dia 3 de junho.

– Tivemos que nos mudar para a casa nova no dia 31 de maio. Como deveríamos esperar apenas três dias para a instalação de água, achamos que não teria problema já ficar lá, mas nós não imaginávamos que eles nunca viriam – desabafa.

Desde então, o casal precisa encontrar meios para abastecer a casa onde vive com quatro filhos. Logo após a mudança, o casal estava sendo ajudado pelo padre da igreja que frequentam, conta William:

– Ele levava algumas roupas para lavar na casa dele e nos trazia um pouco de água para consumirmos aqui. Para tomar banho, tínhamos que ir até a casa da minha sogra e gastávamos cerca de R$ 20 por dia para fazer esse deslocamento.

O valor gasto com transporte por aplicativo diariamente acabou se tornando pesado no orçamento da família. Desde então, recebem apoio de uma vizinha, que auxilia enchendo a caixa d’água da casa de Maria e William. 

– Vamos ter que dividir a conta de água dela até vir a nossa – explica a dona de casa.

Revolta

De acordo com William, o retorno que a Corsan deu a eles é de que não há cronograma para novas instalações de água durante a pandemia. 

– Quando eu ligo para registrar uma nova solicitação, dizem que eu posso fazer 20 reclamações, se quiser, mas que isso não vai fazer com que resolvam o problema mais rapidamente. Eu estou revoltado com tudo isso. Se tivesse feito uma ligação clandestina, creio que estariam aqui no dia seguinte.

Maria conta que estão pensando em iniciar um processo contra a empresa:

– Nós estamos tentando fazer tudo corretamente, dentro da lei, e somos tratados dessa forma. Estamos começando a pensar em resolver essa questão na Justiça.

Corsan vai conversar com família

Questionada, a Corsan confirmou que o prazo para este tipo de solicitação é de 10 dias. Porém, de acordo com a empresa, houve um problema pontual com o protocolo de atendimento: foi duplicado. A Corsan garantiu que vai contatar a cliente para encontrar uma solução.

A empresa também salientou que, durante a pandemia, os prazos podem se estender um pouco, pois há funcionários afastados por fazerem parte do grupo de risco.

Produção: Thayná Souza

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros