Projeto social distribui cestas básicas na Região Metropolitana - Notícias

Versão mobile

 
 

SEU PROBLEMA É NOSSO06/07/2020 | 12h26Atualizada em 06/07/2020 | 12h29

Projeto social distribui cestas básicas na Região Metropolitana

ONG Conscientização Voluntária precisa de doações para continuar atendendo famílias carentes


Há quatro anos, a ONG Conscientização Voluntária atende a Região Metropolitana de Porto Alegre, entregando alimentos e produtos de higiene para pessoas carentes. Contudo, Shana Ferreira, 31 anos, coordenadora do projeto social, conta que os pedidos de ajuda aumentaram durante a quarentena:_ Vemos muitas notícias falando em números de desempregados e pessoas necessitadas, mas a gente só tem a verdadeira dimensão desses dados quando entramos na comunidade para ajudar.De acordo com Shana, tudo o que é doado para as famílias é conseguido por meio de doações. Antes, a solidariedade já era importante para a ONG. Agora, enfrentando um aumento no número de famílias pedindo cestas básicas, qualquer tipo de contribuição é bem-vinda.
Cestas básicas são montadas pelo grupo com doações de alimentosFoto: Gabriel Vergani / Arquivo Pessoal

 
Há quatro anos, a ONG Conscientização Voluntária atende a Região Metropolitana de Porto Alegre, entregando alimentos e produtos de higiene para pessoas carentes.  Contudo, Shana Ferreira, 31 anos, coordenadora do projeto social, conta que os pedidos de ajuda aumentaram durante a quarentena:  

– Vemos muitas notícias falando em números de desempregados e pessoas necessitadas, mas a gente só tem a verdadeira dimensão desses dados quando entra na comunidade para ajudar. 


LEIA MAIS 

Há três meses sem salários, estagiários da prefeitura de Gravataí enfrentam dificuldades financeiras
Projeto social de Gravataí pede apoio de famosos para incentivar alunos de caratê
"Parada solidária": projeto promove doações de livros e alimentos em ponto de ônibus de Guaíba

De acordo com Shana, todas as doações para as famílias são obtidas por meio de ações voluntárias. Antes, a solidariedade já era importante para a ONG. Agora, enfrentando um aumento no número de famílias precisando de reforço na alimentação, em função da falta de condições para adquiri-la, qualquer tipo de contribuição é bem-vinda. 

– Já ouvi pessoas nos chamando de chatos por ficarmos o tempo todo correndo atrás e pedindo doações para essas famílias. Porém, quando a gente entrega as cestas nas comunidades, vemos que não podemos desistir de correr atrás, porque isso significaria desistir da felicidade de alguém – conclui Shana. 

Ações 

A ONG, que possui em torno de 40 voluntários, realiza as entregas de 15 em 15 dias para pessoas que já são cadastradas no projeto. Além dos alimentos, o grupo também arrecada cobertores, roupas produtos de higiene, incluindo máscara e álcool em gel, para que os moradores das comunidades possam se prevenir contra a covid-19. 

– Usamos a entrega de cestas básicas como ponte para chegar nas famílias mais carentes, porque geralmente elas precisam de outras coisas além de comida. 

Uma das beneficiadas foi a dona de casa Mariclei dos Santos de Oliveira, 33 anos. Desempregada, a moradora da Restinga, em Porto Alegre, recebeu a ajuda do Conscientização Voluntária com materiais escolares para os cinco filhos no início do ano, e agora, durante a pandemia, também recebeu uma cesta básica: 

– A ação deles veio em boa hora, pois eu já não tinha quase nada dentro de casa para dar aos meus filhos. 

Há quatro anos, a ONG Conscientização Voluntária atende a Região Metropolitana de Porto Alegre, entregando alimentos e produtos de higiene para pessoas carentes. Contudo, Shana Ferreira, 31 anos, coordenadora do projeto social, conta que os pedidos de ajuda aumentaram durante a quarentena:_ Vemos muitas notícias falando em números de desempregados e pessoas necessitadas, mas a gente só tem a verdadeira dimensão desses dados quando entramos na comunidade para ajudar.De acordo com Shana, tudo o que é doado para as famílias é conseguido por meio de doações. Antes, a solidariedade já era importante para a ONG. Agora, enfrentando um aumento no número de famílias pedindo cestas básicas, qualquer tipo de contribuição é bem-vinda.
Além de alimentos, produtos de higiene e cobertores também são entreguesFoto: Victoria Siqueira / Arquivo Pessoal

Voluntários querem ajudar mais famílias 

Um dos voluntários, o zelador Roque Leonardo da Silva, 44 anos, diz estar orgulhoso do trabalho que o projeto faz: 

– Eu vim das ruas, sei bem o que é passar necessidade. Também sei que nós não vamos acabar com a fome e a miséria, mas levar esperança para as famílias que ajudamos me faz acreditar em um mundo melhor. 

O sonho de Shana, Roque e dos voluntários é de que a ONG receba cada vez mais doações para aumentar o número de famílias beneficiadas pelas ações. Por isso, eles contam com a solidariedade de pessoas que conheçam o projeto e queiram ajudar. 

– Por menor que seja a doação do próximo no exercício do bem, devemos imitá- lo para que experimentemos uma felicidade duradoura. Você só se torna melhor que as outras pessoas quando se doa um pouco de si para ajudar o próximo. O ato de doar-se significa ajudar o próximo, fazê- lo feliz de alguma forma, por mais simples que seja sua ação – pontua Roque. 

Produção: Thayná Souza


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros