Porto Alegre tem terceiro pior índice de isolamento social desde último decreto - Notícias

Versão mobile

 
 

Movimento21/07/2020 | 20h43Atualizada em 21/07/2020 | 20h43

Porto Alegre tem terceiro pior índice de isolamento social desde último decreto

Nas ruas das zonas leste, norte e extremo sul, grande número de pedestres e trabalhadores foi visto circulando na manhã dessa terça (21)

Porto Alegre tem terceiro pior índice de isolamento social desde último decreto Lauro Alves/Agencia RBS
Fila para ingressar em um banco na Restinga Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Enquanto se discute a possibilidade de lockdown em Porto Alegre, os dados oficiais apontam que a segunda-feira (20) teve a terceira pior taxa de isolamento social desde a decretação das medidas mais restritivas na cidade: 41,7%, número distante dos 55% estabelecidos pelo executivo como meta para frear o avanço da pandemia de coronavírus.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

A classificação considera os dados aferidos desde 9 de julho, quando entrou em vigor o último decreto municipal. Longe do idealizado, a medição preocupante se reflete na periferia da cidade, onde a circulação de pedestres e trabalhadores é intensa.

Outra realidade aponta que esse índice pode ser ainda pior: uma parcela da população nem sequer possui os telefones celulares com equipamentos de mapeamento, rastreados para o levantamento da prefeitura. Caso da empregada doméstica Jurema Ramos da Rosa, 60 anos, moradora da Bom Jesus, que aguardava na fila de triagem para sintomáticos da covid-19 instalada no entorno da unidade de saúde do bairro.

– O pessoal não está nem aí, tem muita gente se aglomerando. Eu saio duas vezes por semana para trabalhar em uma casa de família no (bairro) Petrópolis porque preciso - afirma a doméstica.

De acordo com a prefeitura de Porto Alegre, o sistema que mapeia a circulação no município utiliza uma base de 540 mil telefones móveis para fins estatísticos - pouco mais de 1/3 da população da Capital, de 1,48 milhão de habitantes segundo estimativa do IBGE. 

Para ser monitorado, o aparelho celular tem que ter um dos seguintes sensores: wi-fi, GPS, bluetooth, acelerômetro (que registra o deslocamento) ou magnetômetro (espécie de bússola).

Leia também
Com maioria das lojas fechadas, ambulantes atuam livremente no centro de Porto Alegre
Feira do Livro de Porto Alegre será virtual pela primeira vez em 66 anos
Comerciantes que fecharam as portas por causa da pandemia tentam se reinventar

Na manhã desta terça-feira (21), a reportagem circulou pelos bairros Passo das Pedras, Jardim Leopoldina e Rubem Berta, na zona norte, Jardim Itu-Sabará e Bom Jesus, região leste, e na Lomba do Pinheiro e Restinga, extremo sul, e confirmou: há muita gente nas ruas.

– Pessoal que não está trabalhando faz o quê? Vai para a rua. E se tu olha a calçada, são trabalhadores que precisam alimentar suas famílias - conta o microempresário João Paulo Almeida, 39 anos, em frente à loja de acessórios que mantém na parada 16 da Lomba do Pinheiro.

Atravessar a principal via da Lomba, a Estrada João de Oliveira Remião, é um desafio em alguns momentos, tão grande a movimentação de automóveis particulares ou veículos de transporte. Na calçada, os pedestres esbarram nos ambulantes, que ocupam parte considerável do passeio.

A fila do banco e da agência lotérica contorna o quarteirão. Para o motoboy Moisés Guterres, 37 anos, a entrega de medicamentos caiu 50% desde o início da pandemia.

– O pessoal está todo na rua, ou está sem dinheiro até para comprar medicamentos. Eu fico 12 horas na entrega e não faço nem metade das corridas de antes - contabiliza o motociclista.

Na Restinga, centenas de pessoas foram vistas em filas de bancos, lotéricas e farmácias - onde, visivelmente, o distanciamento mínimo entre os frequentadores não foi respeitado, gerando aglomerações. Parte do comércio atende com cortinas semi-cerradas. 

Fechado há quase um mês, o camelódromo não tem mais a área externa ocupada, como aconteceu logo após a suspensão da atividade no centro comercial, com a ida dos expositores para a rua.

Na Praça México, no Jardim Leopoldina, ao menos metade dos usuários dispensou a máscara para as atividades físicas. A academia pública foi ocupada por um grupo que treinava nos equipamentos aeróbicos e de musculação. Nas avenidas do bairro, clientes tomavam café no interior das lancherias, e um senhor bebia cerveja na lata às 8h30min.

Com o rosto protegido por uma máscara descartável, o representante comercial André Nunes, 46 anos, classifica o uso do acessório como “respeito ao próximo”:

– Uso a máscara pelo protocolo e pela segurança. É uma questão de respeito nosso às outras pessoas.






 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros