Torcidas organizadas se unem para arrecadar doações - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso24/08/2020 | 12h53Atualizada em 24/08/2020 | 12h53

Torcidas organizadas se unem para arrecadar doações

Rapa do Inter e Camisa 12 se unem a outros grupos para produzir cestas básicas e marmitas, além de doar roupas e sapatos durante a pandemia


Durante os dois tempos de 45 minutos das partidas de futebol, a atenção e a emoção dos torcedores é focada no placar e nos gols. Fora dos estádios, o foco é ajudar quem precisa. Para a maioria das pessoas, o esporte é utilizado como um elo, para unir amigos e família na hora de jogar ou assistir. Para os torcedores de algumas torcidas organizadas do Internacional, o futebol foi além: cestas básicas, marmitas e agasalhos são arrecadados e entregues para famílias carentes da Região Metropolitana.
Torcidas se unem para preparar marmitasFoto: arquivo pessoal / arquivo pessoal

Durante os dois tempos de 45 minutos das partidas de futebol, a atenção e a emoção dos torcedores é focada no placar e nos gols.  Em casa, para parte deles, o foco é ajudar quem precisa. Para a maioria das pessoas, o esporte é utilizado como um elo entre amigos e família na hora de jogar ou assistir. Para os integrantes de algumas torcidas organizadas do Internacional, o futebol foi além: cestas básicas, marmitas e agasalhos são arrecadados e entregues para famílias carentes da Região Metropolitana. 

 LEIA MAIS
Obra de pavimentação da Estrada da Branquinha, em Viamão, é paralisada outra vez
Rádio é opção para aulas durante a pandemia em Osório
Gelotecas levam cultura a moradores de Canoas  

O gerente de supermercado Adriano Dias Vargas, 42 anos, faz parte da Rapa do Inter, torcida que teve o seu auge nos anos 1990. De acordo com ele, as amizades feitas naquela época dentro do grupo seguem até hoje, e é na hora da solidariedade que elas provam a sua importância. 

Adriano conta que apenas uma semana foi o suficiente para que os 60 amigos da Rapa conseguissem arrecadar alimentos suficientes para preparar mais de mil marmitas e 40 cestas básicas, que foram entregues nas ilhas da Pintada e das Flores, em Porto Alegre, e no bairro Cidade Verde, em Eldorado do Sul. 

– Nós ficamos impressionados com o trabalho que conseguimos fazer. Ajudamos muita gente, e a intenção é ajudar sempre que pudermos – pontua Adriano. 

Alguns amigos da Rapa também já fizeram parte de outras torcidas organizadas, como a Camisa 12. É o caso do educador físico Alexandre Acosta Perfeito, 39 anos. Ele também explica que, além das ações para arrecadar alimentos, alguns torcedores se unem para fazer mais feliz o Natal de vários vovôs e vovós que estão em asilos espalhados pelo Estado. 

– Além de sermos amigos, também nos reunimos para ajudar famílias carentes. Fico feliz com isso – conta Alexandre.

Durante os dois tempos de 45 minutos das partidas de futebol, a atenção e a emoção dos torcedores é focada no placar e nos gols. Fora dos estádios, o foco é ajudar quem precisa. Para a maioria das pessoas, o esporte é utilizado como um elo, para unir amigos e família na hora de jogar ou assistir. Para os torcedores de algumas torcidas organizadas do Internacional, o futebol foi além: cestas básicas, marmitas e agasalhos são arrecadados e entregues para famílias carentes da Região Metropolitana.
Roupas e sapatos também são arrecadadosFoto: arquivo pessoal / arquivo pessoal

Duas toneladas em 10 dias

Camisa 12 é a torcida organizada colorada mais antiga. Foi fundada em 1969, mesmo dia da inauguração do Estádio Beira- Rio, casa do Internacional. Além disso, também é a mais antiga do sul do país. A solidariedade é outra característica forte do grupo. 

De acordo com o atual presidente, Carlos Augusto Moyses, 65 anos, os integrantes da torcida sempre procuraram ajudar famílias necessitadas. Durante a pandemia, duas ações de arrecadação foram feitas. Uma delas conseguiu mais de duas toneladas de alimentos e produtos de limpeza e higiene em apenas 10 dias. 

De acordo com o presidente, a intenção era ajudar ainda mais, porém, o grupo utilizava sua sala no Beira- Rio para acomodar as doações e, devido aos decretos visando o distanciamento social, foram impedidos de continuar. Mas o presidente garante que, assim que puderem, voltarão com energia: – Nós sempre estávamos ajudando alguém, não é a pandemia que vai nos impedir de continuar esse trabalho. 

Reforço Além das torcidas organizadas, bares, cabeleireiros e outros torcedores também fazem parte dessa corrente do bem. De acordo com Adriano, é comum que grupos solidários, envolvidos ou não com futebol, convidem a Rapa do Inter para auxiliá- los na arrecadação de alimentos e roupas. Isso acontece com a Camisa 12 também. 

Segundo Carlos, frequentemente os integrantes são convidados para reforçar campanhas e doações. Neste caminho, fazendo o que podem para ajudar, vão provando a veracidade de uma frase muito bem utilizada por torcidas de todo o Brasil: não é só futebol. 

Produção: Thayná Souza

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros