Casal de ganeses que vive em Portão pede ajuda para trazer a filha mais velha da África - Notícias

Versão mobile

 
 

Solidariedade04/09/2020 | 05h00Atualizada em 04/09/2020 | 05h00

Casal de ganeses que vive em Portão pede ajuda para trazer a filha mais velha da África

Aness e Naida são pais de Khadija, nove anos, que está em Acra com a avó, e da pequena Leila, dois meses, que nasceu no Brasil

Casal de ganeses que vive em Portão pede ajuda para trazer a filha mais velha da África Arquivo Pessoal/Divulgação
Aness e Naida com a caçula, Leila Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Mais de 6,7 mil quilômetros separam, atualmente, Aness Akanyachum, 25 anos, e sua esposa, Naida Adamu, 23, da filha mais velha, Khadijah, nove anos. O casal mora no município de Portão, na Região Metropolitana. A menina ainda vive em Acra, a capital de Gana, na África, país de origem da família, com a avó paterna. Organizada por voluntários, uma vaquinha online está em andamento para arrecadar R$ 6 mil, valor necessário para reunir a família.

Essa história começa há quase uma década, e é contada com dificuldade por Aness, que entende bem o português, mas fala com sotaque carregado. Ele e Naida casaram-se ainda muito jovens. Em seguida, tiveram Khadijah. Órfão de pai, o jovem tinha dificuldades em arrumar emprego e ajudar no sustento da mãe, da esposa e da filha. Um de seus irmãos, que já vivia no Brasil (e faleceu há dois anos), lhe disse que, aqui, havia mais oportunidades de trabalho, e ofereceu-se para pagar a sua passagem.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

– Vim porque lá não tinha serviço. Vim para trabalhar e ajudar minha família. Lá não tem emprego, não tem nada – conta Aness.

Nestes oito anos, o ganês jamais retornou à sua terra natal, nem para uma visita. No Brasil, ele fixou-se em Portão, onde já passou por diversos empregos. Mesmo com dificuldades, sempre mandou dinheiro para sua mãe. Depois de anos de trabalho, em 2019, conseguiu juntar uma quantia para reunir a família novamente, mas, mais uma vez, não foi possível.

– Quando eu fiz os papéis, queria trazer as duas juntas (esposa e filha), mas a passagem era muito cara. Então, decidi trazer só minha esposa, e depois trazer a filha – relata.

Naida chegou no ano passado. Os dois vivem em uma casa simples no bairro Bela Vista. Em fevereiro, com Naida grávida da segunda filha do casal, Aness perdeu o emprego como auxiliar de serviços gerais. Nos meses seguintes, a família viveu momentos difíceis.

Khadijah, filha de Aness Akanyachum, 25 anos, e sua esposa, Naida Adamu, 23. Voluntários organizam vaquinha para trazer de Gana a filha mais velha do casal, Khadijah
Família precisa de R$ 6 mil para trazer a pequena KhadijaFoto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Saudade da mãe

Há cerca de três meses, uma vizinha percebeu a situação de Aness e Naida, e expôs, nas redes sociais, que eles ainda não tinham fraldas e roupas para a filha, que chegaria logo. É aí que os voluntários passam a fazer parte da história.

Ana Claudia da Silva Dias, de Novo Hamburgo, soube do caso pela internet. Comovida, reuniu algumas pessoas dispostas a ajudar e, juntos, conseguiram doações: fraldas, roupas para o bebê, leite, alimentos e até móveis. Desde então, Ana e o outros voluntários acompanham a situação do casal.

A caçula, Leila, nasceu há dois meses. Em seguida, Aness recuperou seu emprego, e pôde voltar a sustentar sua família. Mas, para um final feliz, ainda, falta uma coisa: Khadijah. Apenas com o salário, Aness ainda levaria alguns anos para levantar o valor necessário para a passagem.

Leia também
Após reportagem, projeto de distribuição de almoços passa a atender 500 pessoas ao dia
Vizinha compartilha sinal de internet para que auxiliar de serviços gerais prossiga em sua alfabetização  
Conheça Jorge do Bem, caminhoneiro que usa seu tempo livre para consertar e doar cadeiras de rodas

– Fui até a casa deles algumas vezes, sei que são pessoas boas, trabalhadoras. Com o emprego de volta, o Aness consegue colocar comida na mesa, mas não consegue trazer a filha. Quando eles se falam por vídeo, a menina chora muito, tem saudade da mãe, principalmente. E a mãe, aqui, também sente saudade da filha. Por isso, decidimos iniciar a campanha – conta Ana.

Aness completa:

– Minha filha fica com a minha mãe, mas ela não tem dinheiro. Eu mando, mas é pouco. Naida sente muita saudade, quero muito trazer ela pra cá, para uma vida nova.

Prazo apertado

A vaquinha virtual começou há cerca de dois meses, com o objetivo de arrecadar R$ 6 mil, valor necessário para trazer a pequena Khadijah até o Brasil. Até agora, foram arrecadados R$ 2,8 mil. Mas a família tem pressa.

Um conterrâneo e amigo de Aness foi para Gana há alguns meses, visitar a família. Ele não conseguiu retornar, em função da pandemia. Mas, agora, com o aeroporto já aberto, ele pretende voltar em outubro. E se dispôs a trazer Khadijah.

– Ele mora aqui faz tempo, como eu, mas foi visitar a família. Perguntei se ele traria a minha filha, e ele falou que sim. Mas preciso pagar a passagem. Os papéis estão encaminhados, mas preciso de ajuda – diz Aness.

Ana reconhece a dificuldade em levantar a quantia durante uma crise tão grande. Mas não perde as esperanças:

– Tem tanta gente passando necessidade, que muitos não se comovem com uma viagem. Eu entendo. Mas, quem puder contribuir, vai ajudar uma filha a voltar para perto da mãe.

Ajude
/// A vaquinha está disponível no site vaka.me/1189131


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros